EUA lançam bomba mais potente de seu arsenal no Afeganistão

Com 11 toneladas, MOAB é a bomba não nuclear mais poderosa já usada em combate
A MOAB é a bomba não nuclear mais poderosa do arsenal dos EUA (United States Department of Defence)
A MOAB é a bomba não nuclear mais poderosa do arsenal dos EUA (United States Department of Defence)
A MOAB é a bomba não nuclear mais poderosa do arsenal dos EUA (United States Department of Defence)
A MOAB é a bomba não nuclear mais poderosa do arsenal dos EUA (United States Department of Defence)

As forças armadas dos Estados Unidos lançaram nesta quarta-feira (13) uma bomba GBU-43 MOAB no Afeganistão. Essa foi a primeira vez que o artefato, a bomba não nuclear mais poderosa do arsenal norte-americano, foi utilizado em combate. De acordo com a rede CNN, o bombardeio atingiu membros do grupo terrorista Estado Islâmico escondidos em cavernas na província afegã de Nangarhar, próximo a fronteira com o Paquistão.

MOAB é o acrônimo para “Massive Ordnance Air Blast Bomb”, que em português pode ser entendido como “bomba aérea de destruição massiva”. Por conta dessa sigla, nos EUA a bomba ganhou o apelido de “Mother Of All Bombs”, a “mãe de todas as bombas”.

O artefato, desenvolvido em 2003, durante a Guerra do Iraque, pesa mais de 11 toneladas e tem orientação por GPS. O poder de destruição da MOAB pode se espalhar por um raio de 1 km.

Devido ao grande porte, com 9,1 metros de comprimento, a bomba gigante dos EUA só pode ser lançada pela porta traseira de aviões de carga, como o jato C-5 Galaxy ou o turbo-hélice C-130 Hercules, como foi o caso do ataque realizado hoje pelo Comando de Operações Especias da Força Aérea dos EUA.

A ogiva da MOAB é composta por 8.165 kg de tritonal, uma mistura de dinamite (80%) e pó de alumínio (20%), que serve para potencializar a potência da explosão. Cada bomba GBU-43 é avaliada em US$ 16 milhões (cerca de R$ 50 milhões).

Rússia tem bomba ainda mais poderosa

A MOAB é considerada a segunda bomba não nuclear mais poderosa do mundo. A primeira colocação é da bomba ATBIP, sigla para “Bomba Aérea Termobárica de Poder Ampliado”, desenvolvida na Rússia e testada em 2007. Em alusão ao artefato dos EUA, o modelo russo foi apelidado como FOAB, abreviação em inglês para “Pai de Todas as Bombas”.

Apesar de ser uma tonelada mais leve que o modelo americano, a maior bomba convencional da Rússia tem poder de explosão quatro vezes superior ao da MOAB. Já seu raio de destruição é duas vezes maior.

O efeito da bomba russa é equivalente a 0,3% do poder de destruição da bomba atômica usada pelos EUA contra Hiroshima, no final da Segunda Guerra Mundial.

Veja mais: Desenvolvido no Brasil, míssil A-Darter entra na fase de testes

Total
0
Shares
1 comment
  1. Olá Thiago, excelente matéria, porém eu fiquei na dúvida se a GBU-43 é uma bomba termobárica. Caso não seja qual é a tecnologia empregada nela?

Comments are closed.

Previous Post
Quantas aeronaves consegue contar nessa imagem? Exercício foi realizado em Kadena, no Japão (USAF)

Força Aérea dos EUA realiza “marcha do elefante” no Japão

Next Post
A nova versão MAX 9 é o maior 737 já construído, com 42,2 metros de comprimento (Boeing)

Novo Boeing 737 MAX 9 completa primeiro voo

Related Posts