Rússia quer vender caças para a Argentina, afirma portal

Embaixador russo na Argentina encontrou o comandante da FAA para discutir perspectivas de cooperação militar entre os dois países
Um par de caças Sukhoi Su-30 da força aérea russa (UAC)
Um par de caças Sukhoi Su-30 da força aérea russa (UAC)

O embaixador russo na Argentina, Dmitry V. Feoktistov, teve recentemente um encontro com o comandante da Força Aérea Argentina (FAA), Major-Brigadeiro Xavier Isaac, para discutir “perspectivas de cooperação técnico-militar bilateral entre as duas nações”, como informa o comunicado da chancelaria da Rússia no país.

Segundo portal InfoDefensa, a reunião promovida pela embaixada russa reforça a antiga intenção da Rússia em vender equipamentos militares para a Argentina. Esforços nesse sentido foram iniciados durante a presidência de Mauricio Macri, mas acabaram interrompidos pelas mudanças políticas no país e mais adiante pela pandemia.

Em negociações anteriores, os argentinos solicitaram um lote de até 15 caças MiG-29 e Moscou respondeu com uma proposta comercial interessante.

Além dos MiG, a Rússia também acrescentou a opção de mais 12 caças Sukhoi Su-30, transferência de tecnologia parcial das aeronaves, criação de um centro de manutenção especializados e até uma linha de montagem da Argentina.

Comandante da Força Aérea Argentina, Brigadeiro Xavier Isaac, comprimenta o embaixador russo na Argentina, Dmitry V. Feoktistov
Comandante da FAA, Brigadeiro Isaac, cumprimenta o embaixador russo na Argentina, Dmitry V. Feoktistov (Divulgação)

Acha pouco? Nos últimos anos, a Rússia também já ofereceu às forças armadas argentinas jatos de treinamento avançado Yak-130 e helicópteros utilitários Mi-171Sh.

O Ministério da Defesa argentino também está avaliando o veículo blindado BTR-80, modelo russo que compete com o Guarani, fabricado no Brasil, na mesma disputa.

Atualização urgente

A Força Aérea Argentina tem hoje uma frota de caças bastante limitada. O principal avião de defesa do país são os antigos jatos subsônicos McDonnell Douglas A-4 Skyhawk, com cerca de seis unidades em condições operacionais.

Caça A-4AR da Força Aérea Argentina (Jorge Alberto Leonardi)
Caça A-4AR da Força Aérea Argentina (Jorge Alberto Leonardi)

A Argentina também adquiriu no passado cinco caças navais Dassault-Breguet Super Étendard de segunda mão da França, mas os aviões ainda não foram ativados por falta de equipamentos de segurança, como assentos ejetáveis. Os jatos serão operados pela Armada, a marinha argentina – que não tem porta-aviões.

No ponto em que está atualmente, a aquisição de qualquer jato de combate, novo ou usado, já seria um importante reforço para a Força Aérea Argentina, que até o início dos anos 1980 era força aérea mais poderosa de toda a América do Sul – e na América Latina perdia apenas para a Força Aérea de Cuba, que hoje também vive um mal momento.

A Marinha da Argentina é o último operador do caça naval Super Étendard (Armada)
A Marinha da Argentina é o último operador do caça naval Super Étendard (Armada)

Uma oferta como a enviada anteriormente pela Rússia tem o potencial de reerguer a FAA, incorporando aeronaves de alta performance. O acordo de transferência de tecnologia também colocaria a Argentina numa posição semelhante a do Brasil, que obteve os direitos de produzir os caças suecos Saab Gripen E/F localmente.

Total
36
Shares
Previous Post
Uma das inúmeras ilustrações que tentam antever o MiG-41 (Alexsander Yartsev)

Em eterno desenvolvimento, caça MiG-41 permanece um mistério

Next Post
Boeing 777-9

Boeing 777X tem estreia postergada para o final de 2023

Related Posts