Tecnologia para criar aviões hipersônicos avança nova fase

Reaction Engines afirma ter desenvolvido um super pré-resfriador de ar, essencial para não derreter motores em velocidades hipersônicas
(Reaction Engines)
(Reaction Engines)
(Reaction Engines)
Em velocidade hipersônica, um avião pode voar de Londres até Nova York em uma hora (Reaction Engines)

Um importante avanço científico divulgado nesta semana pode significar o fim dos voos de longa duração após a descoberta de uma maneira de impedir que os motores da aeronave derretam quando viajam em velocidades hipersônicas (mais de 6.000 km/h).

Especialistas da Reaction Engines, do Reino Unido, anunciaram que testaram com sucesso um “pré-resfriador” para o motor Sabre, que funcionou sem problemas em velocidade simuladas de Mach 3,3 (4.047 km/h). Os ensaios foram realizados na base da empresa no Colorado, nos Estados Unidos.

O motor Sabre é considerado “revolucionário” pela fabricante britânica pois combina as características de um propulsor a jato com as de um foguete. Ou seja, potência é o que não falta. A Reaction Engines ainda afirma que uma aeronave equipada com essa motorização poderá alcançar velocidades altíssimas, mas com o consumo de combustível moderado, semelhante ao de um jato.

A companhia explicou que o sistema de resfriamento conseguiu extinguir com sucesso a temperatura do fluxo de entrada de ar no motor a 420° Celsius para apenas 20° em menos de um segundo. De acordo com a Reaction Engines, essa temperatura replica as condições térmicas correspondentes ao voo em Mach 3,3, ou mais de três vezes a velocidades do som. Tal velocidade é o recorde do SR-71 Blackbird, a aeronave mais rápida do mundo produzida até o momento e 50% mais rápido que o avião comercial supersônico Concorde.

(Reaction Engines)
O motor Sabre poderá ser aplicado na aviação comercial ou mesmo em naves espaciais (Reaction Engines)

A empresa, no entanto, ainda não divulga detalhes sobre o novo sistema, mas garante que ele funciona.

O próximo teste com o motor Sabre será realizado em velocidade simulada de Mach 5,5 (6.791 km/h), informou a Reaction Engines. Tal ritmo pode reduzir o tempo de voo entre Londres e Nova York para menos de uma hora.

Apesar de naturalmente ainda estar longe de ser empregado na aviação comercial ou mesmo no espaço, outra área de interesse da Reaction Engines, a empresa britânica afirma que seu avançado sistema de resfriamento por ter empregos mais imediatos para indústrias como o automobilismo bem como o setor de petróleo e gás.

Fundada em 1989 por engenheiros de propulsão, a Reaction Engines baseada em Oxforshire, no interior da Inglaterra, desenvolve projetos técnicos de equipamentos avançados para troca de calor, motores de alta tecnologia e os veículos em que poderia ser aplicados. Nos últimos anos, a empresa vem trabalhando em parceria e recebendo financiamentos de fontes públicas e privadas, como a BAE Systems, Rolls-Royce e a Boeing.

Veja mais: Boeing apresenta conceito de avião comercial hipersônico

Total
0
Shares
Previous Post

Após A380, All Nippon Airways recebe seu primeiro 787-10

Next Post

KLM deve ficar com o 787 enquanto a Air France receberá os A350

Related Posts