A Virgin quer lançar o serviço de lançamento de satélites mais barato do mundo (Virgin Orbit)

A Virgin Orbit, empresa de lançamento de satélites criada pelo Sir Richard Branson, anunciou nesta quarta-feira (10) que completou com sucesso um teste de queda livre com o foguete LaucherOne. O ensaio foi realizado no deserto de Mojave, na Califórnia (EUA), com o Boeing 747-400 “Cosmic Girl” modificado para atuar como plataforma aérea de lançamentos.

No voo de teste, a Virgin Orbit lançou um foguete totalmente construído e com carga máxima, embora inerte. O veículo foi liberado do 747 a uma altitude de 35.000 pés (10.668 metros). Como explicou a companhia, o objetivo do ensaio era monitorar os poucos segundos críticos logo após o lançamento, para garantir que o LaucherOne e a aeronave se separassem de maneira segura.

“O voo inteiro foi incrivelmente bom. O lançamento foi extremamente suave, e o foguete caiu bem. Houve um pequeno balanço na aeronave, exatamente como esperávamos. Tudo combinava bem com o que vimos nos simuladores. Na verdade, a dinâmica de lançamento e as qualidades de manuseio da aeronave eram melhores do que esperávamos. Este foi o melhor tipo de voo de teste da perspectiva de um piloto de testes, sem intercorrências”, afirmou Kelly Latimer, piloto-chefe de ensaios da Virgin Orbit – e primeira piloto de teste mulher a ingressar na NASA.

O teste de queda livre é o último grande passo no programa de desenvolvimento da Virgin Orbit, iniciado em 2015. A própria empresa britânica projetou o foguete transportador de satélites e modificou o 747 Cosmic Girl, que foi operado pela companhia aérea Virgin Atlantic com o mesmo nome até 2015.

Até o final deste mês, a Virgin Orbit finalizará a montagem do foguete totalmente funcional antes de entregá-lo à equipe de operações da empresa para mais uma bateria de testes. Os primeiros lançamentos para o espaço devem acontecer ainda este ano, informou a companhia, que costuma exagerar no otimismo sobre seus prazos.

“O teste de hoje foi um avanço monumental para nós. É a pedra fundamental de um programa de desenvolvimento completo não apenas para um foguete, mas também para nossa aeronave de transporte, nosso equipamento de apoio em terra e todos os nossos procedimentos de voo. Estou extremamente orgulhoso da equipe por nos levar a esse ponto e por seu desempenho espetacular hoje. Eu disse a eles que dediquem algumas horas para comemorar, nossa primeira campanha de lançamento começa de manhã”, disse o CEO da Virgin Orbit, Dan Hart.

Lançamentos espaciais mais baratos

O foguete da Virgin é projetado para transportar cargas de até 300 kg, como pequenos satélites. A técnica de lançamento proposta pela Virgin Orbit promete ser uma forma mais acessível de enviar objetos para órbitas baixas (até 500 km). Cada lançamento deverá custar entre US$ 10 milhões e US$ 12 milhões, o que serão os valores mais baixos do mundo no mercado espacial.

Como explica a Virgin Orbit, o LaucherOne é projetado para ser liberado da plataforma de lançamento aéreo a cerca de 35.000 pés de altitude. O processo lembra o lançamento de um míssil: o artefato é liberado da aeronave em queda livre em logo em seguida aciona seus motores. Como não precisa sair do chão, o foguete da Virgin não precisa de tanto combustível para alcançar o espaço, além de não exigir uma dispendiosa base de lançamento.

O foguete LaucherOne tem cerca de 16 metros de comprimento (Virgin Orbit)

O foguete LaucherOne tem cerca de 16 metros de comprimento (Virgin Orbit)

O veículo espacial do grupo britânico é um foguete descartável de dois estágios. A primeira fase usa um motor de 75.000 libras de empuxo por cerca de três minutos. Após a separação, a etapa final do voo é completada com um motor de 5.000 libras de empuxo. Segundo a Virgin, cada missão deve durar menos de 10 minutos.

O 747 modificado da Virgin Orbit também permite a empresa transportar rapidamente todo o aparato de lançamento para outros locais em todo o mundo, lançando cada satélite a partir do ponto ideal.

A Virgin Orbit é o segundo empreendimento espacial criado por Richard Branson, depois da empresa de turismo espacial Virgin Galactic.

Veja mais: Portugal compra cinco aeronaves KC-390 da Embraer