Airbus compra programa dos jatos C Series da Bombardier

Grupo europeu vai produzir os jatos canadenses em sua fábrica no Alabama, nos EUA
O CS300 entrou em operação comercial no segundo semestre de 2016 (Airbus)
O CS300 entrou em operação comercial no segundo semestre de 2016 (Airbus)
O CS300 entrou em operação comercial no segundo semestre de 2016 (Airbus)
O CS300 entrou em operação comercial no segundo semestre de 2016 (Airbus)

Airbus e Bombardier pegaram os noticiários de surpresa no início desta semana. Os dois fabricantes anunciaram nessa segunda-feira (16) um acordo de parceria que entregará o controle do programa dos jatos C Series da empresa do Canadá ao grupo europeu.

A negociação, ainda em andamento, define que a Airbus será proprietária de 50,01% da Parceria Limitada de Aeronaves da Série C (Series Aircraft Limited Partnership – CSALP), que inclui as divisões de produção e venda dos aviões. A fatia da Bombardier será de 31% e os 19% finais serão mantidos pelo fundo de investimentos do Québec.

O acordo ainda oferece garantias ao grupo europeu para adquirir futuramente ações de até US$ 100 milhões da Bombardier. A negociação não envolve contribuição em dinheiro de nenhuma das partes, nem a CSALP assumirá qualquer dívida financeira, disseram as empresas.

O principal objetivo da parceria é a construção de uma nova linha de montagem dos jatos C Series na fábrica da Airbus no Alabama, nos Estados Unidos, onde já são produzidos modelos da família A320. O grupo, no entanto, ainda não definiu uma data sobre o início da produção dos aviões comerciais da Bombardier nos EUA.

A família C Series, hoje representada pelos jatos CS100 e CS300, é finalizada na fábrica da Bombardier em Mirabel, no Canadá. Partes da fuselagem e o cockpit da aeronave são montados na planta da empresa no Québec, enquanto as asas são produzidas em Belfast, na Irlanda do Norte.

Executivos da Airbus e Bombardier celebram a parceria entre as empresas na fábrica do A320 no Alabama (AIrbus)
Executivos da Airbus e Bombardier celebram a parceria na fábrica do jato A320 no Alabama (Airbus)

O executivo-chefe da Airbus, Tom Enders, disse em um comunicado: “Esta é uma vitória para todos. A C Series, com seu design de ponta e excelente economia, é um ótimo ajuste com nossa família de aviões de um único corredor e amplia rapidamente nossa oferta de produtos em um setor de mercado de rápido crescimento”.

“É mais do que uma estratégia. É um movimento muito bom trazer esse avião para os EUA, pois é esse o país com o maior mercado para esse segmento de aeronaves”, afirmou Enders, em entrevista ao ATW. Segundo estimativa da Airbus, o mercado de jatos com capacidade entre 100 e 150 passageiros, como são os CS100 e CS300, vai exigir mais de 6.000 aeronaves nos próximos anos.

Remédio para dor de cabeça nos EUA

Para a Bombardier, a confirmação da parceria é um alívio. Recentemente, os jatos comerciais da empresa canadense foram atingidos por uma taxa de importação de 300% nos EUA, após uma queixa da Boeing sobre a fabricante rival vender o C Series no mercado norte-americano com preços muito baixos – a Embraer e o governo brasileiro também já reclamaram sobre essa prática na Bombardier na Organização Mundial do Comércio (OMC).

O preço mais baixo do C Series é alcançado por conta de uma série de subsídios avaliados em cerca de US$ 3 bilhões que a Bombardier recebeu dos governos do Canadá e do Reino Unido para completar o projeto.

Os C Series já estão em operação com a companhia Swiss, da Suíça (Bombardier)
Os C Series já estão em operação com as companhia Swiss, da Suiça, e airBaltic, da Letônia (Bombardier)

Esse é o principal ponto da reclamação dos fabricantes concorrentes, como a Boeing e Embraer, cujos produtos, projetados e fabricados com recursos próprios, perdem competitividade perante um concorrente com desenvolvimento financiado por uma nação.

Com a produção dos jatos CS100 e CS300 na unidade da Airbus no Alabama, a aeronave não fica mais sujeita a taxa de importação de 300% nos EUA e também cria mais empregos no país. O plano também pode facilitar a entrega do principal pedido da Bombardier, justamente de uma companhia aérea americana: a Delta Airlines tem uma encomenda para até 125 jatos C Series avaliada em US$ 5,4 bilhões.

Veja mais: Frota do Airbus A380 supera a do Boeing 747

Total
0
Shares
0 0 votes
Article Rating
3 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Julio
Julio
4 anos atrás

Isso explica, e muito, o namoro entre Boeing e Embraer.

Na prática, hoje temos duas grandes que fabricam aviões grandes, e duas não tão grandes, que fabricam aviões médios.

Estaríamos caminhando para mais uma concentração de mercado, com apenas dois mastodontes produzindo aviões de 40 a 850 passageros?

Julio Cordeiro
Julio Cordeiro
4 anos atrás

Pensei exatamente o mesmo, xará. Acho que logo, logo haverá outro anúncio semelhante a este.

Goytá
Goytá
4 anos atrás

O que isso explica mesmo, pelo menos por enquanto, é a inédita taxa de importação de 300% que Trump impôs à Bombardier. A reclamação da Boeing foi só um pretexto, até porque isso vai contra os interesses da Boeing, ao fortalecer seu maior concorrente. Trump quis inviabilizar a fabricação dos aviões no Canadá e trazer empregos e impostos aos EUA. Por um lado, isso é coerente com suas promessas de campanha de trazer empregos para os EUA, mas por outro, significa o roubo descarado de um grande projeto de outro país. Isso não só lhe criou inimizades no maior aliado e parceiro comercial dos EUA, como abre precedentes muito perigosos e sujeita os próprios EUA a retaliações do mesmo tipo por parte de outros países. Mas Trump, como de hábito, nem pensa nisso…

Previous Post
Enfim uma imagem do A330neo equipado com os novos motores Rolls Royce Trent 7000 (Airbus)

Novo Airbus A330neo está pronto para voo inaugural

Next Post
O novo voo da Latam para Roma será realizado com o jato Boeing 767 (Divulgação)

Latam anuncia novos voos para a Europa e EUA

Related Posts