Airbus vai iniciar testes com avião comercial híbrido em 2020

Fabricante junto da Rolls-Royce e Siemens vai desenvolver o E-Fan X, protótipo para testes com motorização elétrica baseado no Bae 146
O protótipo do E-Fan X será baseado no modelo comercial BAe 146 (Airbus)
O protótipo do E-Fan X será baseado no modelo comercial BAe 146 (Airbus)
O protótipo do E-Fan X será baseado no modelo comercial BAe 146 (Airbus)
O protótipo do E-Fan X será baseado no modelo comercial BAe 146 (Airbus)

Importantes nomes em seus segmentos, Airbus, Rolls-Royce e Siemens anunciaram nessa terça-feira (28) uma parceria para desenvolver e testar o E-Fan X, protótipo de avião comercial com motorização híbrida. Segundo o novo grupo, o desenvolvimento da aeronave “representará um importante passo à frente para a motorização híbrida e elétrica para aeronaves comerciais”.

Boa parte do protótipo já está “pronto”, tanto que as empresas chamam o avião de “demonstrador de voo a curto prazo”. O E-Fan X será baseado no modelo comercial BAe 146, aeronave apelidada como “Jumbolino” devido a sua configuração com quatro motores, como Boeing 747, o Jumbo.

O primeiro voo do E-Fan X está programado para 2020. Como explica a Airbus, um dos quatro motores a jato da aeronave será substituído por um motor elétrico de dois megawatts. Mais adiante, quando o sistema tiver sua maturidade comprovada, um segundo motor elétrico será acrescentado ao protótipo da campanha de testes.

“O E-Fan X é um passo importante no nosso objetivo de tornar o voo elétrico uma realidade no futuro previsível. Vemos a propulsão híbrida e elétrica como uma tecnologia atraente para o futuro da aviação”, disse Paul Eremenko, diretor de tecnologia da Airbus.

Desafios

Além de testar os sistemas de motorização elétrica em um avião comercial, outra parte importante do programa E-Fan X é estabelecer os requisitos para a futura certificação de aeronaves movidas por eletricidade. De uma forma resumida, o projeto vai explorar e determinar como esses aviões devem ser construídos e manuseados para operarem com segurança.

Como antecipou o grupo, há uma lista de desafios a serem superados. Esse será o primeiro teste de um avião equipado com um sistema de propulsão de alta potência, tecnologia que está sujeita a uma série intempéries, como efeitos térmicos e influência eletromagnética.

Os testes serão iniciados com o E-Fan X equipado com um motor elétrico; mais adiante um segundo motor será acrescentado (Airbus)
Os testes serão iniciados com o E-Fan X usando apenas um motor elétrico de 2 megawatts (Airbus)

Cada empresa envolvida no projeto terá um trabalho específico na aeronave. A Airbus será responsável pela integração geral dos sistemas elétricos no protótipo, bem como o desenvolvimento da arquitetura de controle da motorização alternativa e baterias, e sua integração com os comandos de voo.

A Rolls-Royce vai fornecer os motores a jato, gerador elétrico e o sistema eletrônico de controle de potência. A empresa, juntamente com a Airbus, também vai trabalhar na adaptação do motor elétrico à nacele (onde o motor do avião fica fixado) da asa do BAe 146.

Por fim, a Siemens será responsável por fornecer o motores elétricos do protótipo, que parecem uma espécie de ventilador gigante (não à toa esse tipo de motor é chamado de “fan”, que inglês significa justamente “ventilador”). A empresa também vai desenvolver os sistemas de controle de potência dos propulsores e outros sistemas secundários.

Experiência elétrica

O E-Fan X é mais uma ação da Airbus na área dos “aviões verdes”. O grupo europeu vem fazendo pesquisas nesse campo desde 2014 com o E-Fan, um pequeno avião com motorização elétrica. Em 2015, a aeronave, então com mais de 100 voos no currículo, cruzou o Canal da Mancha, entre a França e a Inglaterra.

O Airbus E-Fan, com motorização elétrica, pode atingir até 220 km/h e voar por 60 minutos (Foto - Airbus)
O Airbus E-Fan pode voar a velocidade máxima de 220 km/h; as baterias rendem 60 minutos de voo (Airbus)

A Airbus ainda segue desenvolvendo o E-Fan para obter sua certificação, o que permitirá sua entrada no mercado. A fabricante aponta que o avião elétrico pode ganhar espaço entre usuários privados e trabalhando em escolas de aviação na formação de novos pilotos.

No que depender da Siemens, o E-Fan X será um avião veloz. O atual avião elétrico mais rápido do mundo, o Extra 330LE, é equipado com um motor fabricado pela empresa alemã. O propulsor usado na aeronave gera 250 kW, o equivalente a 335 cavalos de potência e suficiente para levar o modelo a velocidade máxima de até 342 km/h.

Veja mais: Sem motor, planador Airbus Perlan 2 bate recorde de altitude

Total
1
Shares
0 0 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ricardo
Ricardo
4 anos atrás

Parece com o inglès “Jumbolino”, famoso por três coisas: ser o avião da rainha da Inglaterra, ser o avião de Sir Paul McCartney e ser o avião que caiu matando quase todos os passageiros na trágica viagem da Chapecoense.

Previous Post
O Boeing 737 BCF pode transportar quase 24 toneladas de carga (Boeing)

Boeing completa primeira conversão do 737 NG para cargueiro

Next Post

Grupo Textron anuncia lançamento do novo avião utilitário Cessna SkyCourier

Related Posts