Azul padroniza frota de aeronaves turbo-hélice

Empresa passa a operar somente com os ATR 72-600; modelos ATR 42-500 e ATR 72-500 deixaram a frota
ATR 72-600 da Azul (Foto - Azul)
A Azul é o principal cliente da ATR na América Latina (Azul)
Cada um dos motores turbo-hélice do ATR 72 geram 2.475 hp (Foto - Azul)
Cada um dos motores turbo-hélice do ATR 72 geram 2.475 hp (Foto – Azul)

A companhia aérea Azul anunciou nesta quarta-feira (12) que completou o processo de padronização de suas aeronaves com motores turbo-hélice e desta forma passa a contar somente com o ATR 72-600. A empresa conta com 45 unidades desse avião e receberá mais nove aparelhos “zero km” até 2016.

Com essa mudança, a Azul aposentou seus seis ATR 42-500 e outros oito ATR 72-500. Uma dessas aeronaves, a propósito, foi adquirida pela nova companhia carioca Flyways, que deve iniciar suas atividades em setembro. Além dos aviões a hélice, a companhia também opera os jatos Embraer E 175, E 190 e E 195, além dos Airbus A330 usados em voos internacionais.

Segundo a companhia, ao padronizar a frota os custos com manutenção e tripulações é reduzido, pois tudo acaba unificado. “Estes aviões são muito importantes para nossas operações, pois permitem que possamos embarcar e desembarcar clientes em mercados regionais que não recebem aviões de maior porte”, afirma Flávio Costa, vice-presidente Técnico-Operacional da Azul.

Melhor do mundo

O ATR 72-600 é considerado o avião com motores turbo-hélice mais moderno e seguro do mundo. Em operação há quase 30 anos, a aeronave da ATR Aircraft, empresa franco-italiana do Grupo Airbus, já superou as 500 unidades produzidas e registrou sete acidentes. O ATR 42, mais curto, mantém o crédito da série.

Veja mais: Após 30 anos, Embraer Brasília deixa de voar nos EUA

As hélices dos motores do ATR são praticamente indestrutíveis. O equipamento é construído com fibra de carbono (Foto Azul)
As hélices dos motores do ATR são praticamente indestrutíveis. O equipamento é construído com fibra de carbono (Foto Azul)

A aeronave com a configuração da Azul leva até 70 passageiros em poltronas distribuídas em pares, além do bagageiro capaz de levar todas os pertences dos ocupantes.

Devido a configuração das asas, montadas por cima da fuselagem, e a força de aceleração mais rápida dos motores turbo-hélice, o ATR 72 pode operar em aeroportos com pistas pequenas, onde jatos comerciais maiores não conseguem pousar e decolar. A aeronave da Azul pode decolar com peso máximo de 22.000 kg.

Os motores Pratt & Whitney PW127F, fabricados no Cadaná, geram cada um 2.475 hp, o que permite a aeronave alcançar a altitude de até 7.620 metros – os jatos voam acima de 10 mil metros. De acordo com dados do fabricante, o ATR 72-600 pode voar a velocidade máxima de 511 km/h e tem alcance de até 1.530 km.

As aeronaves ATR 72 da Azul operam atualmente em 69 aeroportos pelo Brasil. Outra companhia nacional que também utiliza esses modelos é a MAP. A companhia baseada em Manaus (AM) possui uma frota com cinco modelos ATR-42 e ATR 72. Cada unidade do ATR 72-600 custa cerca de US$ 35 milhões.

Veja mais: Honda estreia na aviação com jato incomum

Total
0
Shares
0 0 votes
Article Rating
17 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
André Micheloto
André Micheloto
6 anos atrás

Pena terem uma configuração tão apertada de espaço entre poltronas. É a pior que voei na vida.

Denis
Denis
6 anos atrás

Nunca voei num ATR. Embora tenha vontade, nao se me sentiria seguro ao ver as helices girando rs

monteiro
monteiro
6 anos atrás

Tenso é voar num hidro-avião chovendo rsrs

Willian
Willian
6 anos atrás

Realmente é um pouco apertado mas não é dos piores que já voei, costumo fazer voos de Cascavel – Campinas ou Curitiba pela azul e sempre foram voos muito bons.
A aceleração e o ronco do motor na decolagem são sensacionais.

Julio Cordeiro
Julio Cordeiro
6 anos atrás

Os assentos realmente são desconfortáveis, mas fica a dica: sempre procure escolher a primeira fileira, a Azul ainda não cobra a mais por ela e o espaço adicional para as pernas extremamente generoso…mas tem que ser rápido no gatilho! 😉

Gilvan
Gilvan
6 anos atrás

Sempre vou pra Uberlândia num desse mas passei por uma turbulência e decedi não andar mais de avião

Julio Cordeiro
Julio Cordeiro
6 anos atrás

Semana passada voei dois trechos com ATR, realmente bem pouco confortável, além de ter tido problemas em uma das decolagens, quando o avião balançou muito. Se puder escolher, sempre vá de Embraer, além de mais confortável o voo (agora sem circunflexo) é mais rápido!

Ingrid Beck
Ingrid Beck
6 anos atrás

Adorei…fiz as viagem Cuiabá/Vilhena/Cuiabá e Campinas/Ribeirão preto. O espaço na poltrona é realmente pequeno, mas, é melhor hora e meia num desses aviões do que cerca de doze horas num ônibus…
Quanto às hélices, concordo com comentário acima… o melhor é vê-las girando, o que é um espetáculo à parte… É sensacional!!!

Helder
Helder
6 anos atrás

pessoal, ótimos comentários e bom humor das pessoas.

sem duvida,prefiro ver as hélices girando.
busquei comentários porque vou ter minha primeira experiência nesse tipo de aeronave , num voo de Recife x Noronha.

Paulo Ricardo Soares dos Santos
Paulo Ricardo Soares dos Santos
6 anos atrás

Até hoje, de ATR só voei uma vez (Azul CWB-CAC), e foi o bastante pra me apaixonar por essa aeronave turboélice. Até então só tinha voado de aeronaves a jato. Achei muito confortável e acho ela completamente segura por tudo que já li e me falaram. Que as cias que operam voos comerciais com essas aeronaves (Azul, Passaredo, Map, Flyways) consigam encomendar o maior número desses fofos aviões.

Luís
Luís
6 anos atrás

Voei há algumas semanas num atr, de Fortaleza a João Pessoa, à noite, e foi uma das viagens mais tranquilas que já fiz. Meu filho ficou maravilhado ao entrar no avião pela porta de trás, tirar fotos com ele ao fundo e ver suas hélices girando. Totalmente aprovado.

Felipe
Felipe
5 anos atrás

Eu já tive uma experiência de voo em um ATR da Azul (Criciúma(SC) à Campinas(SP)), e foi uma viagem tranquila, ele gera um pouco mais turbulência que um avião maior e a jato mas tem uma aceleração bacana na decolagem e o barulho dos motores praticamente para quando estabiliza no ar, porém o conforto realmente deixa a desejar, as poltronas são um tanto duras e com pouco espaço. Concluo que parece bem seguro viajar neles e é ótimo poder pegar um voo mesmo em aeroportos pequenos numa aeronave assim.

ANTONIO CELESTINO PESSOA
ANTONIO CELESTINO PESSOA
5 anos atrás

Ainda não viajei mas quando for possível quero fazer uma viagem num desses ai

Marcos Faria
Marcos Faria
5 anos atrás

Fui de BH à Chapada Diamantina e voltei. Foi a primeira viagem em um turbo-hélice. O legal de viajar a seis mil metros é que o chão fica mais perto. Para fotografar é ótimo! Pegamos uma turbulência , mas foi tranquilo.

Mauro
Mauro
5 anos atrás

Já fiz duas viagens de Curitiba a Maringá com este avião. Foi muito tranquilo. Realmente as poltronas não são confortáveis ao extremo mas também não são ruins. O avião é bastante estável e silencioso. Tem que ver que estas aeronaves são para trechos curtos e portanto são bastantes razoáveis. Muito bom de viajar nelas, o custo benefício é bastante grande.

Marcos
Marcos
5 anos atrás

Viajei com este avião e achei um pouco lento e um pouco desconfortável. Me lembra um pouco os Electra. Gosto deste tipo de aviões porque eles não tem problemas com aves, carregam pouco combustível, para mim são mais confiáveis que os jatos. O preço da passagem também é interessante.

Previous Post
HondaJet: estreia da Honda na aviação tem motores em posição incomum

Honda estreia na aviação com aeronave incomum

Next Post
O bimotor da Viking Air é um dos aviões mais exóticos da Labace 2015. A aeronave pode pousar em pistas improvisadas (Foto - Ricardo Meier)

Lama na Labace: os aviões utilitários da feira

Related Posts