Nova companhia aérea carioca, Flyways estreia em setembro

Empresa já tem bases preparadas nos aeroportos do Galeão e Pampulha para operar com aeronaves ATR-72; “teremos um serviço diferenciado”, afirma diretora
O ATR-72 da Flyways é configurado para transportar 68 passageiros (Foto – Flyways)
O ATR-72 da Flyways é configurado para transportar 68 passageiros (Foto – Flyways)
O ATR-72 da Flyways é configurado para transportar 68 passageiros (Foto – Flyways)
O ATR-72 da Flyways é configurado para transportar 68 passageiros (Foto – Flyways)

Uma nova companhia aérea brasileira está prestes a decolar. A empresa Flyways, idealizada por um grupo de empresários de São Paulo e Rio de Janeiro, está na fase final para obter o Certificado de Operador Aéreo (COA) da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) e já montou duas bases de operação, a principal no aeroporto do Galeão (RJ) e a secundária em Pampulha, em Belo Horizonte (MG). A aeronave escolhida para as operações é o turbo-hélice ATR-72-500.

“Estamos avançados no processo de certificação, que deve ser regulamentado pela ANAC até o final de agosto. Assim que tivermos a autorização, iniciaremos os voos comerciais. Provavelmente em setembro”, afirma Eliane Galarce, diretora comercial da Flyways.

Os primeiros voos da Flyways serão realizados entre o Rio de Janeiro e Belo Horizonte, mas a empresa ainda almeja destinos da região sudeste e também para Brasília (DF). “Esses destinos são compatíveis com a autonomia do ATR-72, que é de cerca de 1 hora e 15 minutos de voo”, conta Eliane. A empresa já conta com um ATR-72-500 (ex-Azul) e está em processo para adquirir mais uma unidade assim que o COA foi aprovado.

Como explica Eliane, a Flyways será uma empresa de “baixo custo”, mas a experiência a bordo não será necessariamente simples. “Vamos oferecer um serviço diferenciado, queremos retomar o bom trato da aviação de tempos passados. Nossa intenção é deixar todos felizes, tanto quem trabalha na empresa como quem voará conosco”, revela a diretora.

Veja mais: Gol promove sua maior mudança desde sua inauguração

O “serviço diferenciado”, como contou Eliane ao Airway, incluirá refeições sem custo adicional aos passageiros e cortesia da tripulação. “Vamos retomar o hábito do ‘bom-dia/boa-tarde/boa-noite’. Nossa intenção é fazer tudo com muito carinho”, antecipa a diretora.

O ATR-72 atinge a velocidade máxima de 511 km/h e tem alcance de 1.530 km (Foto – Flyways)
O ATR-72 atinge a velocidade máxima de 511 km/h e tem alcance de 1.530 km (Foto – Flyways)

A Flyways já conta com 50 funcionários (entre profissionais em terra e tripulações) e ao passo que mais aeronaves forem adquiridas e mais destinos estabelecidos, esse número deve aumentar. A compra dos bilhetes poderá ser realizada pelo website da companhia.

Veja mais: Após início turbulento, Boeing 787 vira prioridade no Brasil

Total
0
Shares
0 0 votes
Article Rating
22 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
wesley
wesley
6 anos atrás

Muito bacana quero faser parte dessa tripulação.

Monique Barreto
Monique Barreto
6 anos atrás

É nesta companhia que eu quero voltar a voar. Os valores da Flyways lembram muito os da Webjet, companhia na qual eu fui comissária de Voo. Éramos muito felizes e isso era transmitido para os passageiros! =)

Umberto da Silva
Umberto da Silva
6 anos atrás

Gostaria de fazer parte do seu quadro de colaboradores. Favor informar como enviar curriculo. Grato.

Tetsuo Shimura
Tetsuo Shimura
6 anos atrás

Entendo que todo empreendimento visa lucro e na aviação, equipamento no chão é prejuízo, não sei qual seria o ponto de equilíbrio de assentos ocupados/vazios, mas creio que deveria surgir é uma empresa para transportes regionais não atendidas pela TAM, GOL ou AZUL. Qual o sentido de mais uma empresa para disputar nichos já operados pelas mencionadas; alguns Estados brasileiros tem dimensões que de ônibus se perde um dia inteiro para atravessar. Os diretores dirão o número de procura é baixo, mas como procurar voar se não existem linhas aéreas?

Anderson Alves
Anderson Alves
6 anos atrás

Para “fazer” parte da tripulação, o mínimo que se espera é que a pessoa saiba ler e escrever corretamente, né? Vamos combinar…

Paulo Sergio Castro
Paulo Sergio Castro
6 anos atrás

obrigado,esta é mais uma conquista para os Brasileiros!

ulysses
ulysses
6 anos atrás

Mais uma empresa nanica..assim que conseguir (se conseguir)
4% ou 5% do mercado uma das grandes aéreas a compra.

Paulo Ricardo
Paulo Ricardo
6 anos atrás

Adorei a pintura, e me simpatizo muito com ATR, mesmo ainda nunca ter voado de turboélice, apenas a jato (Boeings, Airbus, Embraer). Sucesso pra essa nova cia, e que alcance a simpatia e preferência dos brasileiros, e abra muitas oportunidades para pilotos, comissários, agentes de aeroporto.

Luiz Antonio Alves de Souza
Luiz Antonio Alves de Souza
6 anos atrás

Muita sorte e sucesso para Flyways; a concorrência é sempre benvinda.

José Augusto Cruz C. Preta
José Augusto Cruz C. Preta
6 anos atrás

“Esses destinos são compatíveis com a autonomia do ATR-72, que é de cerca de 1 hora e 15 minutos de voo”, conta Eliane. A empresa já conta com um ATR-72-500 (ex-Azul) e está em processo para adquirir mais ……….

O ATR-72 atinge a velocidade máxima de 511 km/h e tem alcance de 1.530 km (Foto – Flyways)

Tem alguma coisa errada nas informações acima……

Willian
Willian
6 anos atrás

Meu caro José Augusto, a autonomia é de 1530 km e o voo de 1h e 15mim está dentro da autonomia de voo do avião. É isso

Serjão
Serjão
6 anos atrás

Excelente notícia!!! Se já estão na Pampulha, próximo passo é voar para Ipatinga e acabar com o monopólio da Azul que cobra R$ 400 por um vôo de 40 min < 200km!!!

Jocelino Assumpção junior
Jocelino Assumpção junior
5 anos atrás

Somos de Uberaba MG, estamos esperançosos em contar com esta empresa nos voos locais, principalmente para BH, SP e Vitória (VIX), um meio de acabar com 0 monopólio, sejam bem vindos

Carlos
5 anos atrás

Espero que São João del rei e Tiradentes sejam contemplados.
Afinal temos muito a contribuir com o turismo e muitos passageiros.
Que ótima noticia.

edmar geraldo de almeida
5 anos atrás

estou ansioso aguardado o inicio dos voo de Uberaba x belo horizonte. Minha família da parte de meu pai e de BELO HORIZONTE-MG, e todo mês de janeiro vou passar uns 7 dias em BELO HORIZONTE. Aguardo grandes promoções nas passagens para BH.

Luis
Luis
5 anos atrás

Gostaria de saber se vão fazer voos entre belo horizonte e patos de minas?

moacyr
moacyr
5 anos atrás

otimo mais um concorente no mercado onde a azul começou bem e depois abril a boca cobrando um voo de bhte confins para cabo frio 780,00 so para ricos e ole la recebemos esta companhia com boas expectativas

Ronaldo Ramos
Ronaldo Ramos
5 anos atrás

Resende no Sul do Estado do Rio de Janeiro carece de vôos para as Capitais da Região Sudeste. Com várias indústrias do setor Automobilístico e Siderurgia além do alto potencial turístico.

Nilo Mota
Nilo Mota
5 anos atrás

Um ATR com capacidade para 68 passageiros é bom? E um Embraer 175 com capacidade para 78 passageiros não seria melhor. Já que o E-175 a jato é mais economico. Ou será que custaria muito caro? Não vao me dizer que o E-175 não pousa no mesmo aeroporto que o ATR-72-500? GIG-BH? O mesmo das grandes companhia? E sim o calculo da autonomia está meio estranho. Ora se um o ATR tem um alcance de 1,530km vamos supor a 500 km por hora. Voar 1,530km nessa velocidade demora no minimo 1 hora e 50 minutos ou 2 horas e não 1 hora e 12 minutos. 1,530km seria mais ou menos 956 milhas. De New York para Atalanta levamos 1.52 (2 horas) minutos de voo em um percurso de 767 milhas num jato boeing 757 ou A-320.

joão batista moraes
joão batista moraes
5 anos atrás

ola sjk esta sem voos para b.h e para rio poderia faser este destino seria muito bom pra ir para b.h ou rio tem escolher ou cunbica ou ir ate brasilia muito demorado valeu.

Mayumi Y.
Mayumi Y.
5 anos atrás

Ronaldo Ramos, o problema não é a carência de vôos à Resende, o problema maior é com a área residencial dos residentes da Academia Militar ao aeroporto; fizeram abaixo assinado, proibindo, pouso e decolagem no aeroporto de Resende.
Trabalhei em empresa no setor automobilístico e tivemos vários problemas, com executivos da empresa por este motivo.
O võo era confirmado, embarcavam ou aterrisavam no aeroporto de Viracopos! Um absurdo!

Luiz Antonio Alves de Souza
Luiz Antonio Alves de Souza
5 anos atrás

Sou apaixonado por aviões e pela aviação; assim a AIRWAY é um verdadeiro banquete para que voa pouco mas gostaria de voar mais e experimentar novos aviões.

Previous Post
O Avro Vulcan foi o principal bombardeiro da RAF entre 1955 até 1984 (RAF)

Avro Vulcan, o gigante delta do Império Britânico

Next Post
Relíquia dos anos 1930, o DC-3 ainda estavam em operação no Peru na década de 1980 (Foto – Faucett)

Crônica: Aviação sem noção

Related Posts