Embraer E190-E2 ainda não é presença confirmada

O Embraer E190-E2 foi projetado para transportar até 114 passageiros (Embraer)

A Embraer completou os testes de certificação do novo jato E190-E2 e espera receber o certificado de aeronavegabilidade de órgãos aeronáuticos dentro de duas semanas. A afirmação é de Tobias Caldas, diretor de análise de mercado da fabricante brasileira, que concedeu entrevista ao FlightGlobal durante a conferência Pacific Northwest Aviation Alliance em Washington, nos Estados Unidos.

Como explicou o executivo, o cronograma mantém a Embraer no caminho para entregar o primeiro jato de nova geração em abril deste ano. O operador de lançamento do E190-E2 será a companhia aérea Widerøe, na Noruega. A empresa já definiu até o dia de estreia da aeronave: 24 de abril.



Caldas ainda salientou que os protótipos do E190-E2 registraram mais de 2.000 horas de teste de voo, além de outras 45.600 horas de avaliações em solo.

A nova família E-Jets 2 foi anunciada pela Embraer em 2013, no Paris Air Show, uma década após a entrada em serviço da primeira geração da série, que estreou com o modelo E170 – posteriormente a fabricante lançou os modelos E190 e E195.

O E190-E2 é o avião comercial mais avançado já desenvolvido no Brasil. Em relação a geração anterior, o novo modelo teve as asas redesenhadas, recebeu aviônicos de última geração e sistema de controle de voo computadorizado full fly-by-wire.

O novo jato da Embraer também consome menos combustível comparado ao primeiro E190, podendo ser até 24% mais eficiente (medida por assento), e apresenta custos de manutenção até 25% menores.

O Embraer E190-E2 será o primeiro avião com motores a jato da Widerøe (Divulgação)

O E190-E2 será o primeiro avião com motores turbofan operado pela Widerøe (Divulgação)

A Embraer já conta com mais de 220 pedidos firmes pelos E-Jets 2. Além do E190-E2, que será o primeiro a estrear no mercado, a fabricante brasileira segue testando o E195-E2, cuja estreia é programada para 2019, e já iniciou a produção do E175-E2, que deve estrear em meados de 2020.

Veja mais: O que o futuro reserva para a aviação comercial?