Empresa britânica diz que pode lançar avião híbrido-elétrico até 2028

Startup Electric Aviation Group apresentou planos para produzir um avião comercial com motorização híbrida para transportar 70 passageiros
(EAG)
A EAG ainda não explicou como o HERA funciona, mas diz que o avião deve chegar ao mercado em 2028 (EAG)

Há quem diga que os aviões comerciais com motorização híbrido-elétrica devem chegar aos aeroportos somente na década de 2030 ou além. Já para a startup britânica Electric Aviation Group (EAG), esse conceito deve virar realidade em questão de poucos anos.

Em comunicado divulgado nesta segunda-feira, 20, a EAG anunciou planos otimistas (talvez até demais…) para fabricar um avião regional híbrido elétrico de 70 lugares e que ele estará pronto para entrar em serviço em 2028.

De acordo com a empresa, as aeronaves regionais híbridas elétricas, que ela chama de HERA (Hybrid-Electric Regional Aircraft), poderão realizar decolagens e pousos curtos e oferecerão alcance de até 1.481 km (800 milhas náuticas). A EAG também diz que espera lançar um avião comercial totalmente elétrico por volta de 2030, conforme as tecnologias de baterias evoluírem.

A EAG ainda não especificou como será o sistema de propulsão do HERA, mas adiantou que a aeronave terá um recurso chamado GATOR (Gear Assisted Takeoff Run) para auxiliar em decolagens curtas e reduzir o consumo de energia elétrica nessa fase do voo.

Em entrevista ao AIN, o fundador e CEO da EAG, Kamran Iqbal, disse que a empresa pretende construir uma aeronave de demonstração usando como base o turboélice Dash 7 ou Dash 8 da De Havilland Canada, que deve ser testado em meados de 2024.

Leva 70 ocupantes: o porte do avião sugerido pela EAG é comparável ao do turboélice ATR 72 (EAG)

Iqbal estimou que ser]ao necessários US$ 5 bilhões para produzir o HERA em série. A empresa está buscando capital por meio de uma combinação de financiamento do governo britânico e de investidores do setor privado.

“Investimentos significativos foram levantados para o desenvolvimento de aeronaves híbridas e elétricas com menos de 19 assentos, o que acreditamos ser a estratégia errada”, disse Iqbal. “Esses pequenos aviões não podem atender às demandas do transporte aéreo de massa ou aos requisitos de descarbonização.”

A Faradair, com sede no Reino Unido, anunciou recentemente que construirá a aeronave híbrida Bio Electric. O avião para 18 passageiros entraria em serviço em 2026, oferecendo alcance de até 1.852 km (1.000 mn). A empresa também planeja introduzir uma versão totalmente elétrica até 2030.

A EAG alega possuir 25 patentes de várias tecnologias para aplicar no HERA. Os planos exigem que a aeronave tenha um peso máximo de decolagem de 55.000 libras (24.947 kg), velocidade de cruzeiro na faixa dos 275 nós (509 km/h) e capacidade para operar em pistas com menos de 1.220 metros de comprimento.

“Esperamos que este seja um ótimo exemplo de projeto, engenharia e construção britânicos”, disse Iqbal. “O desenvolvimento do HERA não apenas ajudará o Departamento de Transportes do Reino Unido a acelerar seus objetivos de redução de carbono, mas também ajudará a criar oportunidades de emprego muito necessárias na indústria aeroespacial de fabricação, engenharia e serviços pós-Brexit. Isso representa o futuro dos vôos de passageiros e de carga internacionalmente e, como oportunidade de investimento, não poderia ser mais oportuno.”

Veja mais: Indústria tem quase 170 programas de aviões elétricos em desenvolvimento

Total
57
Shares
Previous Post
O aeroporto de Congonhas é o mais rentável sob controle da Infraero (Thiago Vinholes)

Pista principal do Aeroporto de Congonhas será reformada

Next Post
O segundo Gripen E de teste é equipado com um computador de voo mais potente (SAAB)

Suécia e Reino formalizam parceria para construir novos caças

Related Posts