EUA vai prolongar vida do Harrier por mais 10 anos

Caça que pousa e decola na vertical será modernizada para acompanhar a chegada do novo caça F-35
O novo sistema datalink permitirá ao Harrier se "conectar" ao moderno caça F-35 (Foto - US Marine Corps)
O novo sistema datalink permitirá ao Harrier se “conectar” ao moderno caça F-35 (Foto – US Marine Corps)
O novo sistema datalink permitirá ao Harrier se "conectar" ao moderno caça F-35 (Foto - US Marine Corps)
O novo sistema datalink permitirá ao Harrier se “conectar” ao moderno caça F-35 (Foto – US Marine Corps)

O Departamento de Defesa dos Estados Unidos emitiu um pedido para modernizar os jatos de pouso e decolagem vertical AV-8B Harrier II do US Marine Corps. O plano é introduzir nas aeronaves um novo sistema de datalink, dispositivo que permite a conexão com o computador de outros equipamentos. Com a atualização, o veterano Harrier poderá se “conectar” ao novo caça Lockheed Martin F-35, que ainda está na fase de integração militar.

Segundo notícia publicada no site USNI News, que acompanha os bastidores do Pentágono, o programa de modernização, avaliado em US$ 71,5 milhões, pode prolongar a utilização das aeronaves para até 2025. A operação, que ainda depende de aprovação do presidente Barack Obama, levaria seis anos para ser concluída em todas as aeronaves da frota ativa – são cerca de 150 unidades. A proposta deve ser avaliada somente em 2016.

Os Harrier de esquadrões dos Marines vêm sendo empregados desde 2014 em bombardeiros contra posições do Estado Islâmico no Iraque, partindo de navios anfíbios e porta-aviões posicionados no Golfo Pérsico.

Além dos EUA, o Harrier ainda é utilizado por forças militares da Espanha e Itália. O caça da McDonnell Douglas também já foi empregado na Índia, Tailândia e Reino Unido, que realizou as primeiras missões de combate com o AV-8 durante a Guerra das Malvinas contra a Argentina.

Veja mais: Argentina negocia compra de caças israelenses

Total
1
Shares
3 comments
  1. US75$ milhões para modernizar 150 caças?? se fosse aqui no Brasil custaria pelo menos o triplo e olhe se ficasse pronto no prazo. desculpem o dito “complexo de cachorro”, mas as coisa nos país dos tupiniquins dá vergonha só de imaginar, com a nossa realidade é triste…

Comments are closed.

Previous Post
O primeiro Embraer Legacy 500 foi comprado pela empresa mexicana "Transpaís Aéreo" (Foto - Embraer)

Embraer entrega primeiro jato Legacy 500 no México

Next Post
Marco Tulio Pelegrinne, diretor da divisão de jatos executivos da Embraer, comemora a certificação do Legacy 450 (Foto - Thiago VInholes)

Embraer Legacy 450 recebe certificação ANAC

Related Posts