O Sidewinder pesa cerca de 90 kg e pode ser instalado manualmente (Foto - US Navy)

O Sidewinder pesa cerca de 90 kg e pode ser instalado manualmente (Foto – US Navy)

Com os aviões militares em constante evolução e com equipamentos que podem enganar mísseis, os fabricantes desses armamentos precisam trabalhar em novas formas de neutralizá-los no caso de uma ameaça. A Raytheon Company, uma das maiores empresas dos Estados Unidos no setor de armamentos, divulgou nesta semana que está próxima de finalizar a aprovação do novo míssil “AIM-9X Sidewinder Block II”. O produto deve ser lançado até o final deste ano.

O artefato foi testado pela Marinha dos EUA (US Navy), que o lançou com sucesso a partir de caças (não foram divulgados detalhes das aeronaves). Ao todo foram 16 disparos, alguns contra alvos aéreos rádio-controlados.

“O AIM-9X Sidewinder Block II traz avanços significativos que melhoraram a movimentação, carga, segurança em voo e o mais importante, a capacidade de rastrear e destruir um adversário”, disse o Capitão Jim Stoneman do US Navy, em comunicado da Raytheon.

O Sidewinder é um dos mísseis mais famosos do mundo e já esteve presente em dezenas de conflitos. As primeiras versões surgiram na década de 1950 e atualmente ele é utilizado pelas forças armadas de 48 países. O AIM-9 é orientado por um sensor de radiação infra-vermelha. Ou seja, o míssil segue o calor gerado pelo avião inimigo.

Veja mais: Alô, polícia! O Exocet vem aí!

A nova versão do míssil Sidewinder está mais "esperta" e pode ser disparado de ângulo acentuados (Foto - USAF)

A nova versão do míssil Sidewinder está mais “esperta” e pode ser disparado de ângulo acentuados (Foto – USAF)

Na nova versão AIM-9X Block II, o míssil agora pode “travar” a aeronave inimiga a uma distancia superior ao seu alcance. Segundo o fabricante, essa característica permite um disparo mais rápido e preciso no momento em que o computador do caça autorizar o lançamento dentro do alcance do artefato. Antes era preciso chegar a distância mínima do alvo para então travá-lo e depois lançar. A Raytheon chama essa capacidade de “First Look, First Shot, First Kill” (primeiro a enxergar, primeiro atirar, primeiro a matar).

O Sidewinder, nas versões mais modernas, tem um alcance de até 18,2 km e pode abater aeronaves de pequeno a grande porte. Cada unidade custa cerca de US$ 85 mil. A Força Aérea Brasileira é um dos usuários desse míssil.