Mitsubishi inicia voos de certificação com o jato regional MRJ90

Entregas do novo avião comercial estão programadas para começar em 2020; modelo vai concorrer com os E-Jets da Embraer
O MRJ90 terá autonomia para voos de até 3.700 km com uma máxima de 92 passageiros a bordo (Mitsubishi)
O MRJ90 terá autonomia para voos de até 3.700 km com uma máxima de 92 passageiros a bordo (Mitsubishi)
O MRJ90 terá autonomia para voos de até 3.700 km com uma máxima de 92 passageiros a bordo (Mitsubishi)
O MRJ90 terá autonomia para voos de até 3.700 km com uma máxima de 92 passageiros a bordo (Mitsubishi)

O desenvolvimento do jato regional MRJ90 da Mitsubishi Aircraft Corporation entrou na reta final. A fabricante japonesa iniciou neste mês os testes de voo de certificação do programa com o quarto protótipo, o modelo FTA-4. Os ensaios são realizados a partir da instalação da empresa em Moses Lake, no estado de Washington, nos Estados Unidos.

A etapa final do projeto começa com cerca de cinco anos de atraso. O plano original da Mitsubishi previa entregar as primeiras aeronaves em 2014, mas uma série de contratempos no desenvolvimento da aeronave fez a fabricante mudar o prazo cinco vezes. Segundo o cronograma mais recente da empresa, a estreia do novo jato está programada para o segundo semestre de 2020. O primeiro cliente do MRJ90 será a companhia aérea japonesa ANA.

Os voos de certificação do MRJ90 estão sendo realizados pela Mitsubishi em parceria com o Escritório de Aviação Civil do Japão (o equivalente a ANAC no Japão) e também prevê o envolvimento do FAA, a Administração Federal de Aviação dos EUA.

De acordo com a fabricante japonesa, os quatro protótipos construídos para o programa de testes já registraram mais de 2.500 horas de voo. O MRJ90 voou pela primeira vez em 11 de dezembro de 2015.

Mitsubishi MRJ com a pintura da All Nippon Airways (Divulgação)

Primeiro jato comercial do Japão

O MRJ é o primeiro jato comercial desenvolvido no Japão (não confundir com o HondaJet, uma aeronave de transporte executivo). A última vez que a indústria japonesa havia se aventurado na aviação comercial foi com o bimotor turbo-hélice NAMC YS-11, produzido entre 1962 e 1974, e que ficou conhecido no Brasil com as cores da VASP, que o chamava de “Samurai”.

Pelo porte e desempeno, a futura série de aeronaves da Mitsubishi vai concorrer diretamente com os Embraer E-Jets, em especial os modelos E175 e E190. O MRJ90, o primeiro membro da família de jatos da Mitsubishi, é projetada para transportar entre 81 e 92 passageiros. O segundo modelo será o MRJ70, com capacidade para até 80 passageiros, e previsto para chegar ao mercado em meados de 2021.

O NAMC YS-11 ficou conhecido no Brasil como "Samurai"
O NAMC YS-11 ficou conhecido no Brasil como “Samurai”; bimotor voou com a VASP e a Cruzeiro do Sul

Os jatos MRJ serão impulsionados por motores Pratt & Whitney da série PW1000G, a mesma usada em aeronaves como o Airbus A320neo e A220, Irkut MC-21 e os novos Embraer E-Jets 2 (E2). A aeronaves da Mitsubishi também são equipadas com controles computadorizados fly-by-wire e tem partes das asas e da fuselagem construídos com material composto.

O programa MRJ foi lançado em 2007 no Paris Air Show de 2007 e a produção dos primeiro protótipo foi iniciada três anos depois. A Mitsubishi produz seus novos jatos em sua instalação ligada ao aeroporto de Komaki, em Nagoya, onde também foi produzido o caça Mitsubishi A6M Zero durante a Segunda Guerra Mundial.

Veja mais: Novos jatos A320neo e 737 MAX ganham espaço no Brasil 

Total
0
Shares
7 comments
  1. Parece que acabou mesmo o tempo da concorrência fácil da Embraer com a Bombardier. Os tempos são outros com a Airbus entrando no jogo e, se essa aeronave japonesa fizer sucesso, o mercado da Embraer (ou da futura nova empresa da Boeing) estará ainda mais restrito. Não é mesmo para amadores.

  2. E muitos tupiniquins, esquerdopatas, não queriam a fusão da Embraer com a Boeing. Nossa indústria, sozinha, não conseguiria competir no mercado com a Airbus associada à Bombardier, nem com a própria Boeing , que se veria forçada a desenvolver esse tipo de jato e agora tem mais um protagonista, a Mitsubishi. felizmente, Bolsonaro já aprovou a fusão e a Embraer agora terá cacife para fazer frente à qualquer companhia.

  3. Esse Jato é incrivelmente parecido (na aerodinâmica) com os jatos Embraer. Teria havido espionagem indústrial?

    Eu reconheço um boeing frente a um Airbus mas esse eu poderia jurar que é Embraer.

  4. Sem sombra de dúvidas, é um Embraer nos mínimos detalhes. Aliás, se colocarmos um junto ao outro com pintura branca, não haverá nenhum detalhe que os distingue. Aviação é uma indústria caríssima e volátil. O Brasil é o Canadá, de alguma maneira souberam equilibrar durante anos certos aspectos de engenharia e gerenciais, que os países com mais tradição na construção aeronáutica, sempre tiveram imensa dificuldades. Mas que por alguma razão, esses países (e principalmente o Brasil), souberam levar a cabo um empreendimento de tal magnitude, onde um sem número de potências econômicas falharam. De fato, não é empreendimento para amadores.

  5. Um país como o Brasil que precisa importar 100% de tudo que fracamente tenha tecnologias jamais seria produtor de aeronaves senão vejamos quem fabrica no Brasil rebites para montagem de fuselagens, quem fabrica tintas para inscrições, quem fabrica fios e cabos elétricos…. que dirá aviônicos, hidráulicas, pneumáticas….
    Eu li alguns dos comentários de pessoas que se tivessem lido aos noticiários teria visto que o Japão enviou e fez pouso em asteroide a apenas 380 milhões de quilômetros (o Sol está apenas a 170 milhões) e o Brasil jamais conseguiu lançar qualquer coisa a 120 quilômetros por conta própria. Sentem inveja dos sucessos alheios, mas não tem sentimento algum dos nossos retumbantes fracassos.

Comments are closed.

Previous Post
(Boeing)

Boeing vai apresentar o novo 777-9 na próxima semana

Next Post
(Divulgação)

Emirates anuncia seleção de comissários de bordo em São Paulo

Related Posts