Os caças F-15 em serviço no Japão foram produzidos sob licença pela Mitsubishi (Boeing)

A Boeing informou recentemente que assinou um contrato de Venda Comercial Direta (DCS) com o grupo Mitsubishi Heavy Industries (MHI) para apoiar o processo de modernização da frota de caças F-15J da força aérea do Japão.

O contrato faz parte de um programa de modernização maior avaliado em US$ 4,5 bilhões, anunciado pelo governo dos EUA em outubro de 2019. De acordo com a fabricante, os aviões de combate japoneses vão receber novos equipamentos de guerra eletrônica e armamentos de última geração, além de cockpits atualizados com o que a empresa chama de “computador de missão mais avançado do mundo”.

Pelos termos do acordo, a Boeing fornecerá à MHI os projetos de modernização, equipamentos de apoio em solo e publicações técnicas para a atualizações das duas primeiras aeronaves F-15J para a configuração de “Super Interceptador” do Japão.

“Com esse acordo, a Boeing tem a honra de promover nossa longa tradição de apoio ao Ministério da Defesa do Japão, à Força de Autodefesa Aérea do Japão e à MHI”, disse Will Shaffer, Presidente da Boeing no Japão. “Essas atualizações fornecerão capacidade crítica para a autodefesa nacional e coletiva, na qual o F-15J desempenha um papel fundamental. Ao mesmo tempo, eles proporcionarão à MHI e a nossos parceiros na indústria de defesa aeroespacial do Japão uma oportunidade de aprimorar seus próprios recursos de engenharia. ”

O Japão é um dos cinco clientes estrangeiros do F-15 Eagle: os outros são Israel, Coreia do Sul, Arábia Saudita e Singapura (USAF)

Este contrato de DCS estabelece as bases do programa de modernização dos F-15J. A MHI desenvolverá o plano de modificação detalhado dos jatos e preparará as instalações e a força de trabalho para modernizar até 98 aeronaves a partir de 2022.

A Boeing e a MHI são parceiras na área de defesa desde os anos 1950. A fabricante japonesa produziu sob licença os mais de 200 caças F-15 adquiridos pelo país entre 1980 e o ano 2000.

Veja mais: Japão se torna o primeiro operador estrangeiro do V-22 Osprey