Novo Gripen NG realiza primeiro voo supersônico

Informação foi confirmada pelo diretor executivo da Saab; caça chega ao Brasil em 2021
Os testes com o Gripen E (ou NG) começaram em junho deste ano (SAAB)
Os testes com o Gripen E (ou NG) começaram em junho deste ano (SAAB)
Os testes com o Gripen E (ou NG) começaram em junho deste ano (SAAB)
Os testes com o Gripen E (ou NG) começaram em junho deste ano; Suécia deve estrear o caça em 2019 (SAAB)

O novo Gripen NG realizou neste mês seu primeiro voo em velocidade supersônica. O importante marco na campanha de testes do caça foi confirmado por Hakan Buskhe, diretor executivo da Saab, em entrevista ao site Market Watch. A aeronave está programada para entrar em operação com a força aérea da Suécia em meados de 2019. A Força Aérea Brasileira (FAB), o outro cliente do projeto, vai receber as primeiras unidades em 2021.

Buskhe ainda afirmou que o desenvolvimento do caça está à frente do cronograma estipulado para o projeto, ao menos na nova versão “revisada” dos prazos. No final de 2016, a Saab adiou o primeiro voo do Gripen E alegando problemas na programação de softwares para a aeronave. O voo inaugural do novo Gripen, que os suecos também chamam de “Gripen E”, aconteceu somente em junho deste ano.

De acordo com o diretor da Saab, o novo Gripen registrou mais de 20 voos desde que os testes foram iniciados. Maiores informações sobre os ensaios e detalhes do voo supersônico não foram revelados. Buskhe ainda reiterou que a fabricante também está trabalhando na produção de mais aeronaves de teste e nos primeiros modelos de produção para o Brasil e Suécia.

O Gripen NG testado pela Saab em voo supersônico é primeira prévia do caça com a configuração pedida pela força aérea da Suécia, muito embora o protótipo seja a base de todo o projeto. A versão da aeronave com os requisitos exigidos pela FAB, com algumas diferenças importantes, está programada para voar em julho de 2019 – o primeiro voo do Gripen “brasileiro” será realizado na Suécia.

Na entrevista, o executivo sueco ainda disse que o novo Gripen é a chave para os ganhos futuros da Saab. Além de oferecer o caça de nova geração, a fabricante sueca também tenta vender as versões anteriores da aeronave, os Gripen C e Gripen D para dois tripulantes, que seguem em produção. “O número de negociações que temos enquanto falamos é um recorde (para a Saab)”, disse Buskhe.

Um Gripen C com insignias da força aérea da África do Sul (SAAB)
Um Gripen C com insignias da força aérea da África do Sul (SAAB)

A Saab mantém negociações sobre o Gripen com pelo menos dez nações e iniciou conversações com outra dezena. O contrato mais importante que a fabricante disputa no momento é o programa para fornecer mais de 120 caças para a força aérea da Índia. O avião sueco também já foi oferecido a países como Colômbia, Suíça, Áustria e Argentina.

Novo caça do Brasil

A FAB vai receber 36 caças Gripen NG entre 2021 e 2024, sendo 28 deles na versão monoposto (para um piloto) e mais oito com cabine biposto. Como parte do acordo que também prevê transferência de tecnologia, a produção das aeronaves será dividida entre a Saab e Embraer.

A fabricante brasileira vai produzir 15 unidades do caça em sua fábrica em Gavião Peixoto (SP). A produção das primeiras aeronaves está programa para ser iniciada em julho de 2020. Segundo o cronograma da FAB, o primeiro Gripen nacional deve ser entregue em agosto de 2022.

A Saab mostrou recentemente as habilidades do Gripen do festival Aeroindia (SAAB)
A Saab mostrou recentemente as habilidades do Gripen do festival Aeroindia (SAAB)

O Gripen NG é projetado para voar acima da velocidade do som sem precisar acionar o pós-combustor do motor. Segundo dados da Saab, a aeronave poderá continuar acelerando nesse modo da motorização até mach 1,1 (cerca de 1.360 km/h). Com o sistema de pós-combustão ligado, o caça poderá de passar de mach 2 (2.470 km/h), mais de duas vezes a velocidade do som.

A aeronave da Saab ainda vai trazer novas possibilidade de reação à FAB, com armamentos “inteligentes”, como a opção de utilizar mísseis de médio e longo alcance, bombas guiadas a laser e recursos avançados de guerra eletrônica.

O contrato de aquisição dos novos caças da FAB, firmado entre os governos do Brasil e Suécia, é avaliado em US$ 5,4 bilhões. O Gripen será o primeiro avião supersônico fabricado no Brasil.

Veja mais: Gripen completa primeiro voo abastecido com biocombutível

Total
0
Shares
27 comments
  1. Fiquei muito intrigado com o adiamento da entrega desses caças… Sem falar que esse caça na verdade é um projeto sem experiências de combate.

    Acho que o Brasil além dos GRIPEN, deveriam adquirir um lote de f18. Isso daria mais segurança quanto as experiências em combate deste último caça.

    Outro fator relevante, é que praticamente não possuímos artilhari anti-aérea.

  2. O primeiro Gripen de série destinado a FAB chega ao Brasil em 2019, e já está sendo montado na Suécia.

  3. Vai usar aonde ? So perfumaria mesmo… povo está passando aperto e o dinheiri escoando em parada gay, bolsa funk de sp, caças para enfeitar o exército…
    Milhões aos artistas do Minc… ta bravo…
    E os impostos só subindo…

  4. A Embraer poderia fazer nossos caças, e teríamos qualidade e segurança , com investimentos, seus engenheiros teriam mais recursos.

    Quanto ao sistema anti aéreo , a Avibras também poderia ter a capacidade de desenvolver-lo.

    Para que buscar parceria fora do país, sendo que temos incríveis empresas que podem se adaptar ou evoluir para atender tal projeto.

  5. Dinheiro jogado fora. De quem vc tem mais medo, do Paraguai, Argentina,Venezuela, ou do pessoal dos morros e das periferias violentas? Deveriam comprar uns F 15 ou F 16 usados . O perigo hoje não mais externo, mas interno. As forças armadas são enviadas para pacificar morros. O estado é totalmente ineficiente e corrupto. Por falar nisto, qto foi a comissão pela compra dos Gripen ? Já estive na Rocinha, em lugares pobres. 98% do pessoal honesto.O desmando das classes politicas, esse sim é o grande perigo. Quem vai nos defender deles?

  6. Num país onde nem mesmo suas fronteiras são protegidas pelo exercito sucateado e que infla o orçamento e a previdência do país, quando o dinheiro publico é empregado em algo relevante, a escolha é feita com incompetência!

  7. Caça com um só motorzinho mequetrefe?
    Em um país com dimensões continentais, há uma dúvida se esse caça conseguiria cruzar o nosso território sem abastecimento.
    Projeto novo, sem experiência de combate.
    Uma compra eivada de dúvidas.
    .

  8. Nunca vi tanta besteira junta. Quem escolheu esse avião foi a Força Aérea porque com ele vamos aprender a fazer caças supersônicos no Brasil, coisa que os EUA nunca permitiriam. Bola dentro da Força Aérea Brasileira, e do governo Dilma que garantiu a grana parfa a execução do contrato.

  9. Melhor deixar encostado. As ffaa não tem dinheiro nem pra pagar o rancho dos soldados, quanto mais manter esses aviões operacionais.
    Igual o porta aviões São Paulo: a marinha podia alugar aquilo pra eventos de baladas e tirar uma grana com isso

  10. Roberto Andrade – E quem ensinou os suecos a fazerem avião? Pesquisa, botaram a cabeça pra pensar e fizeram investimentos, mas no país de vira-latas que endeusa estrangeiro seremos sempre a a traseira e eles a vanguarda.

  11. Eu moro nos Estados Unidos e fico impressionado com a quantidade de comentários sem noção acima.
    A força aérea tomou a decisão correta e vai beneficiar diretamente várias empresas do setor de defesa e participar com a SAAB exportando o caça. Empregos serão gerados e o país adquire tecnologia e desenvolve um produto com valor agregado significante, mais importante pro país do que produzir Gol e Palio. A FAB adquire um caça com o qual ela pode arcar com os custos de manutenção para proteger o espaço aéreo.
    Quem acha que investimento em produto de alta tecnologia e defesa é besteira não entende porque todo país desenvolvido no mundo não abre mão disso… e não entende porque o Brasil ficou pra trás economicamente.
    Esse investimento de 5.4 bilhões de dólares faz muito mais sentido e vai trazer muito mais retorno do que gastar 250 milhões de dolares pra construir um estadio de futebol em Manaus para a Copa do Mundo… esse sim não da um centavo de retorno para a sociedade.

  12. Deixar de lado o F18 que tem experiência em combate, para comprar um projeto, cujo ainda esta no primeiro vou supersônico……. Acho que priorizaram outra coisa nesta rentável compra. Brasil das bananas, mais ainda confio que um dia viraremos o jogo.

  13. Não estamos em guerra e a chance de termos uma é próxima de zero. 5,4 bilhões de dólares é dinheiro que daria para cortar o Brasil de ferrovias, por exemplo. Isso sim daria um impulso fantástico na nossa economia.

  14. Para os baba ovos do F18:
    O chile comprou vários deles com promessa de transferência de tecnologia, mas quando foram pedir a transferência, os republicanos do congresso norte americano brecaram.

  15. A matéria é interessante para oque ela se propõe, já queé falar do vôo realizado em Junho .

    O mais dificil mesmo, é ler a grande maioria dos comentários, com tanta desinformação e conjecturas, sem saber o mínimo para comentar, pelo menos, qual é a função dessa aeronave.

    Vi que há duvidas sobre se o avião cruzaria o país sem reabastecimento.. obvio que não, embora o alcance dependa da configuração, ela é de aprox 4000 km, embora tenha sido desenvolvido para ataques efetivos num raio de 700 km, e serão montadas 3 bases ( Canos, Anápolis e Manaus . Ou seja … em 44/45 Minutos ( talvez ) o caça chega a qualquer ponto do país. ). O Mirage precisava de 50/55 minutos . E pode ser reabastecido em vôo já que os tanques tem 40% mais capacidade de combustível.
    O mesmo fala de avião com ” motorzinho mequetrefe” … ( essa foi a pior ). O Caça na configuração que será recebida no Brasil, é o único no hemisfério Sul a manter a velocidade de cruzeiro supersônica mesmo nas grandes distancias e não só em combates. Tem assas novas, motor novo ( 22 mil libras de empuxo ) . Caças com dois motores de são necessários para missões específicas e rápidas ao custo de alto consumo. Custo altíssimo, desnecessário para o Brasil.

    A razão da escolha tambm é obvia : custo de compra e manutenção , e transferência de tecnologia ( o que não teria com os caças Franceses e americanos )
    Outro fala da proteção das fronteiras pelo exercito sucateado …. mais um desinformado. nem vale comentar ( O Brasil é um país sem tendencias bélicas , portanto … se conseguir a façanha de usar o cérebro, apenas pense … )

    Parabéns ao Rodolfo e Roberto Andrade pelos comentários.

  16. Prefiro a entrega de um hospital novo, com todos os setores aparelhados, sem filas de espera, ao invés desses 36 caças que terão a finalidade de ficarem obsoletos aos 2anos de uso.

  17. O contrato com a SAAB foi um grande UP para o Brasil, O GRIPEN é muito bom e a transferência de tecnologia é melhor ainda! Porém, os atrasos são intoleráveis… Só temos F5 para proteger o nosso país, isso é bastante complicado.

    Acredito que além dos GRIPEN, deveríamos ter mais 36 F18. E é urgente artilharia anti-aérea.

    Ressalto que Israel compra material bélico de outras páis e faz engenharia reversa (transferência de tecnologia).

  18. Nao existe caça q atravesse o brasil de norte a sul,sem noçoes e tbm nao se encomenda armas so qd estamos em guerra pois leva tempo pra constrir , treinar e tempo q envolve cotrato . TEm mais toda arma qd fabricada ja sai da fabrica desatualizada pois ja apareceram outras mais novas em construçao . guerras nem sempre sao anunciadas , se quizer paz prepara-te para guerra . Ate parece q aqui so tem especialistas . Armas envolvem mta coisa inclusive parceiros confiaveis ois nao pode faltar peças e muniçoes .

Comments are closed.

Previous Post
Os voos da Amaszonas entre Campinas e Assunção são operados com o jato canadense Bombardier CRJ 200 (Divulgação)

Viracopos terá voo diário para Assunção, no Paraguai

Next Post
A AirAsia já opera nove jatos A320neo, mas da versão fabricada pela Airbus na Europa (Airbus)

Airbus entrega primeiro A320neo “Made in China”

Related Posts