Passaredo vai à justiça contra Azul por suposto assédio a pilotos

Empresa regional acusa a Azul de tentar contratar seus pilotos para desestabilizar novas operações
A Passaredo pretende receber mais dois aviões até o final do ano (aeroprints.com)
A Passaredo vai iniciar seus voos a partir de Congonhas em setembro (aeroprints.com)

A Passaredo Linhas Aéreas, companhia regional que anunciou na última semana a aquisição da MAP Linhas Aéreas, informou nesta terça-feira (27) que irá tomar medidas jurídicas junto ao CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) e à Justiça comum diante do assédio que a Azul Linhas Aéreas vem fazendo perante todo o seu corpo técnico de pilotos e co-pilotos.

De acordo com a direção da companhia regional de Ribeirão Preto (SP), o departamento de recursos humanos da Azul tem entrado em “contato sistematicamente” com todos os pilotos da Passaredo e da MAP, oferecendo vagas de ingresso imediato como pilotos de aeronaves a jato.

A Passaredo emprega atualmente 66 pilotos, enquanto a MAP tem outros 27. Juntas, as duas companhias operam um total de 12 aeronaves turbo-hélice modelos ATR 42 e ATR 72.

A Passaredo afirma que o objetivo da Azul é “prejudicar a empresa no momento em que está estruturando suas novas operações de Congonhas”. Os voos da empresa no aeroporto central de São Paulo serão iniciados no próximo mês.

No final de julho, a Passaredo foi uma das companhias beneficiadas com a redistribuição dos 41 slots no aeroporto de Congonhas que pertenciam à Avianca Brasil. A empresa do interior de São Paulo ficou com 14 horários, enquanto a MAP levou 12 e a Azul, 15.

“Existem centenas de excelentes pilotos com experiência em jatos no mercado, inclusive oriundos da operação da Avianca. A Passaredo recebeu esses currículos recentemente durante a seleção de pilotos que vem realizando. Se a Azul tivesse interesse exclusivo em contratar mão de obra, seria natural aproveitar esses profissionais já experientes no equipamento a jato. Contudo, o que a Azul quer é aliciar a mão de obra da Passaredo para prejudicar a estruturação das operações em Congonhas”, diz Eduardo Busch, CEO da Passaredo.

“Durante o processo de distribuição dos slots de Congonhas, foi pública e notória a pressão política e institucional que a Azul fez perante a ANAC e o DECEA. Forçaram uma barra enorme tentando impedir o acesso da Passaredo e da MAP ao aeroporto, até o último momento. Agora, uma vez que não tiveram sucesso na pressão política, querem prejudicar a Passaredo tentando sabotar as operações da empresa”, complementou o executivo.

A MAP e a Passaredo operam com aeronaves turbo-hélice ATR (ATR)

No final de julho, a Azul lançou um comunicado desaconselhando empresas menores de entrar na disputa pelos slots vagos em Congonhas. Na época, a companhia afirmou que operar os horários no movimentado aeroporto paulista com aeronaves menores e, consequentemente, com menos assentos, representava “um uso ineficiente desses valiosos recursos públicos, impedindo a entrada efetiva de qualquer novo concorrente na ponte aérea Congonhas-Rio e Congonhas-Brasília”. Atualmente, quase 90% dos slots em Congonhas estão nas mãos da Gol e Latam.

A reclamação da Passaredo perante o CADE e à Justiça se baseia na prática de concorrência desleal, nos termos do art. 195 da Lei de Propriedade Intelectual, ou como infração à ordem econômica, nos termos do art. 36 da Lei 12529.

Azul nega assédio

Em contato com o Airway, a Azul negou que esteja assediando funcionários de outras empresas. A companhia ressaltou que tem ampliado seu quadro de tripulantes diariamente à medida que vem aumentando sua presença no Brasil e no exterior e incorporando novas aeronaves em sua frota.

A Azul informou que, somente neste ano, deve incluir cerca de 30 novos aviões e contratar mais 2.000 tripulantes. “O recrutamento de novas pessoas é feito com os recursos disponíveis no mercado brasileiro e, em alguns casos, os candidatos atuam em outras companhias do setor, como é comum em qualquer indústria. Ainda, a Azul informa que tem posições abertas para pilotos e convida candidatos que tenham interesse na companhia a enviarem seus currículos”, finaliza a companhia.

Veja mais: Passaredo manterá marca MAP na região Norte

Total
0
Shares
0 0 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Valdemar Aprígio de Oliveira

A Anac e o Cade devem tomar cuidado com a Passaredo, que diz entrar com a ação contra a empresa Azul Linhas Aéreas Brasileiras. Tomar cuidado porque?
01 – A Passaredo está se fazendo de vítima.
02 – A Passaredo diz que comprou a Map.
03 – A Gol anunciou a poucos dias um anúncio ofensivo e tendencioso.
OBS: Baseados nesses três ítens acima, já é o suficiente para se começar uma boa investigação profissional.
a) Porque a Gol publicou a matéria ofensiva e tendenciosa jogando sujo e pesado a Passaredo e a Map contra a Azul.
Porque a Gol tem medo da azul, e não quer que a Azul cresça.
Esse medo foi mostrado publicamente quando da primeira vez que a Azul fez a proposta para a Avianca, visando evitar desemprego e quebra da empresa Avianca.
O mesmo medo evitou que a Azul comprasse a Passaredo, para não deixar a Azul crescer.
O mesmo medo POSSIVELMENTE PODE estár fazendo a Gol agir por de traz dos bastidores, que PODE SER uma tramóia, ou seja: Passaredo comprou a Map, e a Gol comprou a Passaredo, para evitar o crescimento da Azul, e ao mesmo tempo, a Gol se apropriar dos slots das Passaredo e Map.Tudo isso precisa ser minuciosamente investigado se é verdade ou não.
Porque, na verdade, a Passaredo mal tinha condições de atuar em Congonhas, e de repente compra a Map?
Sobre a Azul, ela está crescendo graças à Deus, e está recrutando vários tipos de profissionais da área da aviação, o que é lógico e correto. E não são poucos. Isso deve assustar e em muito a Gol que é ela sim inimiga.
Nada mais lógico, que um profissional de uma pequena empresa querer sair dela para ganhar mais em uma empresa maior, isso é absolutamente natural.
Mas, o fato de a Passaredo ir a justiça contra a Azul sobre isso, PARECE jogada política de uma tal Gol que DEVE estar por trás, dirigindo toda uma farsa, e se fingindo de santinha escondida.
Sobre pista auxiliar de Congonhas para Passaredo e Map usar com ATR, é sim uma boa solução por dois motivos:
a) É um bom espaço para ATR’s e a Azul sabe disso como ninguém.
b) É exatamente o que a Azul está fazendo no aeroporto Santos Dumont e sem reclamar de nada. Portanto, nada de mais ou de mal como diz a inimiga Gol que sempre jogou sujo. Cuidado com ela, e boas investigações.

Previous Post

Amaszonas vira “Amas Bolivia” e recebe seu primeiro Embraer E190

Next Post

Embraer pode atrasar o lançamento do E175-E2

Related Posts