Embraer T-27 Tucano modernizado - Força Aérea Brasileira

O processo de modernização do Tucano é realizado no PAMA LS, em Minas Gerais (FAB)

A primeira aeronave T-27 Tucano da Força Aérea Brasileira (FAB) está em fase final do processo de modernização. O avião fabricado pela Embraer é empregado nos voos de instrução dos Cadetes da Academia da Força Aérea (AFA), localizada em Pirassununga (SP).

A modernização da aeronave turboélice é realizada pela empresa Albatross, em parceria com a FAB, no Parque de Material Aeronáutico de Lagoa Santa (PAMA LS), em Minas Gerais. O T-27 em fase final de atualização é o primeiro de dois protótipos. A nova versão do aparelho é chamada “T-27M”.

O processo de atualização do Tucano inclui um novo painel com instrumentos digitais. De acordo com a FAB, o sistema mais avançado é adaptado às novas regras de tráfego aéreo, como os procedimento RNAV e RNP (Navegação de Área e Performance de Navegação Requerida) e às novas exigências de formação dos pilotos, além de reduzir as obsolescências logísticas existentes.

A previsão inicial da Aeronáutica é modernizar 42 aviões até dezembro de 2022 – os primeiro T-27M serão entregues no primeiro semestre de 2021. Segundo dados do World Air Forces 2020, compilado pelo Flight Global, a FAB possui 103 Tucanos na frota.

“Este é um avanço para a Força Aérea, de modo que será possível aprimorar a formação do Cadete da Aeronáutica, no que se refere ao voo por instrumentos, uma vez que o painel será modificado para atender aos modernos requisitos de navegação para voar no espaço aéreo brasileiro. A modernização também trará uma solução para a obsolescência de alguns componentes do painel de instrumentos, itens que não possuem alternativas no mercado. Ou seja, mais flexibilidade para a cadeia de suprimentos”, explicou o diretor do PAMA LS, Coronel Aviador Marcelo Reed Sardinha.

Primeiro avião militar projetado pela Embraer, o EMB-312 Tucano entrou em serviço com a FAB em setembro de 1983 e mais adiante foi exportado para 13 países, entre eles a França e o Reino Unido.

Veja mais: 40 anos após o primeiro voo, Tucano segue como maior sucesso militar da Embraer