Sai China, entram os EUA: Força Aérea Argentina terá caças F-16, segundo mídia do país

Imprensa local afirmou que governo do presidente Javier Milei já teria decidido por um pacote de 24 caças de segunda mão oferecidos pela Dinamarca com aval dos Estados Unidos
Caça F-16 da Dinamarca (RDAF)

O novo presidente da Argentina, Javier Milei, teria seguido o caminho previsível na decisão de reequipar a Força Aérea do país com um caça de combate.

De acordo com sites de mídia do país, o caça Lockheed Martin F-16 foi o escolhido. As aeronaves, de segunda mão, serão repassadas pela Dinamarca.

A Fuerza Aerea Argentina deverá receber 24 caças, explicou o Clárin, jornal mais influente do país. O anúncio deverá ocorrer em breve.

A Dinamarca deverá repassar 24 caças F-16 para a Argentina e 10 para a Ucrânia (RDAF)

Nas últimas semanas, Milei se encontrou com o embaixador dos Estados Unidos na Argentina, Marc Stanley, enquanto uma comitiva da Dinamarca esteve no país recentemente para tratar do assunto.

A escolha do F-16, mesmo sendo unidades fabricadas nos anos 70, era esperada diante da vertente política do novo presidente, um ultraliberal.

Caças sino-paquistaneses eram favoritos

Sucessor do presidente peronista Alberto Fernández, de esquerda, Milei se distanciou da oferta até então considerada favorita, a compra de caças JF-17 Thunder, fabricados por um joint venture entre a paquistanesa PAC e a chinesa Chengdu.

Havia ainda uma oferta indiana, feita pela fabricante HAL, que sugeriu substituir componentes britânicos do caça leve Tejas.

Siga o AIRWAY nas redes: WhatsApp | Facebook | LinkedIn | Youtube | Instagram | Twitter

Embora baratos, modernos e novos, os JF-17 teria esbarrado em mudanças profundas de sistemas e doutrinas utilizadas pela Força Aérea Argentina.

JF-17 da Força Aérea do Paquistão: jato desenvolvido pela China com ajuda paquistanesa era o favorito do governo anterio (Shimin Gu)

Segundo o InfoBae, a proposta original dos EUA era de vender 34 caças F-16, mas o número foi reduzido em 10 aviões, que serão repassados à Ucrânia.

A mudança de direção na concorrência por um substituto dos caças Dassault Mirage III, aposentados em 2015, ocorreu ainda no governo anterior, quando o presidente dos EUA, Joe Biden, se aproximou do país ao aprovar a venda do F-16 e também de aviões de patrulha marítima P-3 Orion, que foram desativados pela Noruega.

O movimento visou limitar a influência da China na região, o que com a eleição de Milei, tornou-se algo consumado.

Total
0
Shares
2 comments
  1. Mesmo sendo aviões usados, é a escolha mais sensata. Os caças, sendo dinamarqueses, ainda devem ter muitas horas de vôo e, muito provavelmente, estarem em ótimas condições e com sistemas mais avançados do que qualquer aeronave existente hoje na Força Aérea Argentina. E é uma reaproximação importante não só para nossos hermanos mas, também, para a América do Sul.

Comments are closed.

Previous Post
Boeing 737 MAX 7

Boeing desiste de “atalho” para certificar o jato 737 MAX 7

Next Post

Azul pode arrendar dois Airbus A330neo que estão parados na Indonésia

Related Posts
Total
0
Share