5 incríveis aviões submersos que viraram atrações turísticas

Lista inclui até um widebody L-1011 TriStar, que foi afundado intencionalmente para atrair mergulhadores
Hercules C-130 no fundo do Golfo de Aqaba, na Jordânia (Aqaba Tourism)

Fãs de aviação geralmente olham para cima para observar aeronaves rasgando os céus, mas há alguns que olham para baixo e vão até o fundo do oceano para ficar pertinho de aviões submersos após acidentes aéreos.

Fora do seu habitat, um avião submerso é uma imagem peculiar, que desafia o entendimento ao misturar um “animal” do céu com corais coloridos, peixes e outros seres marinhos.

O oceano Pacífico abriga alguns destes cenários incríveis que se tornaram atrações turísticas, mas antes de embarcar nestas aventuras fique atento porque algumas exigem experiência de mergulho e equipamentos específicos. Veja a seguir algumas dessas aeronaves submersas:

Vought F4U Corsair, Havaí

O que restou do Vought F4U Corsair que caiu no Havaí em 1948 (Foto: Dietmar Eckell)

Pouco se sabe sobre a queda deste Vought F4U Corsair em 1948 perto da costa da principal ilha do Havaí. Segundo o fotógrafo alemão  Dietmar Eckell, guias locais dizem que o piloto sobreviveu ao acidente e vivia no Havaí.

O avião está a apenas 15 minutos de barco de Maunalua Bay, mas a descida é de cerca de 30 metros. Além disso, as correntes marítimas da região são fortes, o que dificulta a descida, que é melhor feita com ajuda de um scooter subaquático.

Produzido de 1942 a 1953, o Corsair foi bastante popular e usado pela Marinha dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial e também na Guerra da Coreia. O modelo a pistão também fez parte da frota de caças da Argentina, França e Nova Zelândia.

Aichi E13A-1 ‘Jake’, Palau

O Aichi E13A, codinome Jake, era um hidroavião de reconhecimento japonês que foi usado no ataque à base norte-americana de Pearl Harbor. A aeronave foi fabricada entre 1941 e 1945, mas nenhuma sobreviveu em boas condições.

Pelo menos há diversas unidades submersas no Pacífico, sendo uma delas no arquipélago de Palau, que é um grande ponto de mergulho. A aeronave está a apenas 12 metros de profundidade e pode ser vista de perto com equipamentos apropriados.

Não há informações sobre como o modelo foi parar ali, mas guias locais dizem que não há indicios de perfurações na fuselagem, o que indica que ele pode ter estolado na decolagem ou aterrissagem.

Boeing B-17F, Papua-Nova Guiné

O bombardeiro B-17 é um dos símbolos da Segunda Guerra Mundial e a história deste modelo condiz com a sua fama. Chamado de “Blackjack”, este avião encontrou o fundo do mar depois de bombardear fortificações japonesas na noite de 10 de julho de 1943.

No caminho de volta para o Port Moresby, em Papua-Nova Guiné, já com problemas nos dois motores da asa direita, a tripulação comandada pelo piloto Ralph De Loach encontrou uma tempestade violenta. Com pouco combustível, eles se viram obrigados a derrubar o avião no mar perto do recife de corais da praia de Boga Boga.

O avião flutuou brevemente antes de repousar a cerca de 50 metros de profundidade. Houve tempo suficiente para a tripulação sair e chegar à costa com a ajuda de moradores locais, que viram o avião cair.

Boeing 737, Canadá

Este Boeing 737-200 não sofreu acidente, ele foi colocado ali. Sim, alguém teve a ideia de afundar um 737. A aeronave aposentada pela Air Canada, já com desgaste estrutural, foi doada a uma organização sem fins lucrativos que tenta recriar recifes de corais e proteger os oceanos.

Eles então desceram o avião com ajuda de guindastes em janeiro de 2006 e criaram o que deve ser o primeiro “naufrágio” artificial de uma aeronave na América do Norte. Pouco antes, em 2001, a mesma organização tinha afundado um navio que também virou um recife artificial.

O 737 está a cerca de 30 metros de profundidade e as águas são bastante geladas, mas o acesso é fácil. É possível descer com ajuda de cordas e boias instaladas no local.

TriStar L-1011, Jordânia

TriStar L-1011 foi colocado no fundo do Mar Vermelho (Aqaba Tourism)

Se você ficou impressionado com a ideia de afundar um 737, que tal um L-1011 TriStar? Um trijato da Lockheed está no fundo do Mar Vermelho não por acidente. O responsável pelo feito foi a Autoridade da Zona Econômica Especial de Aqaba (ASEZA), um conhecido destino de mergulho.

O L-1011 ficou parado por anos no aeroporto internacional King Hussein até ser adquirido, desmontado para transporte e montado novamente no porto de Aqaba. Em seguida, foi afundado e hoje repousa cerca de 20 metros de profundidade. Por ser novidade, ainda não há corais no avião.

O golfo de Aqaba é quase uma “Disney World” para mergulhadores. Na mesma região, é possível ver também um Lockheed C-130 Hercules, afundado artificialmente em 2017, diversos barcos e até um tanque de guerra.

É possível passear pelo interior do Hercules C-130 em Aqaba (Aqaba Tourism)

Total
0
Shares
Previous Post

Chegada do A350 da Azul marca tímida retomada da frota de widebodies no Brasil

Next Post

KC-30 da FAB voa para a Espanha onde Airbus realiza conversão para avião-tanque

Related Posts
Total
0
Share