Concorrente do Embraer E2: a família A220 soma mais de 530 pedidos (Airbus)

O grupo Air France-KLM confirmou nessa quarta-feira (18) uma encomenda de 60 jatos Airbus A220-300. As aeronaves serão operadas pela Air France. O contrato, negociado desde julho, ainda inclui opções de compra para mais 60 aviões do mesmo tipo. A companhia francesa deve receber os primeiros aparelhos em 2021.

“Estamos felizes em ver que a Air France está endossando o A220. O maior pedido de Airbus A220 de uma transportadora europeia até o momento fala muito sobre o ambicioso impulso de sustentabilidade da Air France. O moderno e eficiente A220 contribuirá para reduzir a queima de combustível e as emissões de CO2 significativamente em comparação com aeronaves de geração mais antiga”, disse Christian Scherer, diretor comercial da Airbus.

A Air France planeja substituir gradualmente seus A318 e A319 mais antigos pelos A220. Mais adiante, o novo jato também pode ocupar o lugar de jatos A320 com mais tempo de serviço. A companhia francesa opera atualmente 159 aeronaves somente da Airbus, incluindo 75 modelos da família A320 – e outros 77 jatos da Boeing.

Nos próximos anos, o grupo Air France-KLM planeja padronizar as frotas de cada divisão. A parte francesa dá preferências aos aviões da fabricante europeia e a companhia dos Países Baixos, aos jatos norte-americanos. A KLM opera atualmente apenas 13 modelos da Airbus (A330), contra 109 aeronaves da Boeing.

Avanço do A220

Projetado para atuar no segmento de aeronaves de 100 a 150 assentos, o A220 foi introduzido no mercado em 2016 originalmente como Bombardier CSeries. Dois anos depois, a Airbus assumiu o controle majoritário do programa desenvolvido pela fabricante canadense e rebatizou a série com o nome atual.

Os jatos Bombardier C Series já estão em operação com três companhias aéreas (Divulgação)

A SWISS foi o primeiro operador do A220, ex-Bombardier CSeries (Divulgação)

Sob administração da Airbus, as vendas do A220 mais que dobraram. Até o final de novembro deste ano, a aeronave já havia recebido 530 pedidos firmes de mais de 20 clientes. Nas mãos da Bombardier, o programa era questionado sobre sua viabilidade no futuro e a dificuldade para conseguir clientes.

Hoje trilhando um caminho promissor, o A220 é produzido na linha de montagem final da Airbus em Mirabel, incluída na aquisição do programa CSeries em 2018, e também em Mobile, nos EUA, unidade que é focada em atender clientes nos EUA.

O primeiro A220 do mundo foi entregue em junho de 2016 à SWISS, o operador de lançamento do A220-100, o menor modelo da série. O A220-300 estreou em 28 de novembro de 2016 com a airBaltic, da Letônia.

Ríval do Embraer E2

O Airbus A220 é atualmente o principal concorrente da família E2 da Embraer no segmento de aviação regional. O modelo europeu-canadense, porém, hoje tem uma larga vantagem no mercado em relação aos novos jatos fabricados no Brasil.

Enquanto os modelos da família A220 somam mais de 500 encomendas e 100 exemplares em serviço, o E2 ainda não embalou no mercado e soma pouco mais de 10 unidades entregues.

A Embraer entregou pouco mais de 10 jatos da série E2 desde abril do ano passado (Embraer)

Segundo o balanço comercial divulgado pela Embraer no final do terceiro trimestre deste ano, a carteira de pedidos pelos jatos de nova geração inclui 168 aeronaves (124 modelos E195-E2, 44 E190 e nenhum pedido firme pelo E175-E2).

A exemplo do que ocorreu com o A220, cujas encomendas dispararam após a Airbus assumir o programa da Bombardier, há um consenso geral de que as vendas do E2 devem aumentar assim que a Boeing incorporar a divisão de aviação comercial da Embraer.

A oficialização da parceria entre as duas fabricantes ainda precisa ser aprovada pela União Europeia, que investiga os impactos que a fusão pode causar no mercado de aeronaves de um corredor. A expectativa é que o acordo seja concluído em março de 2020.

Veja mais: Primeiro Cessna SkyCourier recebe conjunto de asas