No mercado desde 2016, o A320neo é equipado com motores que consomem menos combustível (Airbus)

No mercado desde 2016, o A320neo é equipado com motores que consomem menos combustível (Airbus)

Presente no Singapore Airshow, Fernando Alonso, diretor da Airbus Defense & Space, revelou que o grupo europeu está considerando desenvolver aeronaves de uso militar baseadas no jato comercial A320neo. De acordo com Alonso, o modelo pode ser convertido para realizar operações como missões de inteligência, vigilância, reconhecimento, patrulha marítima ou servir como transporte VIP de autoridades.

“Temos o conhecimento de converter o A330 no A330 MRTT (versão de reabastecimento aéreo) e ter um processo mais eficiente”, contou Alonso, em entrevista ao FlightGlobal no evento em Cingapura. O diretor ainda revelou que uma futura conversão de um A320neo exigirá de “seis a oito meses” para ser concluída.



“Ainda não lançamos nada, mas estamos falando seriamente sobre isso com potencias clientes para saber quais as versões que eles precisariam e quais os sistemas de autodefesa necessários”, apontou Alonso, desta vez ao AviationWeek.

Segundo o diretor da Airbus Defense & Space, a empresa está em negociações com forças armadas de países da região Ásia-Pacífico, como Indonésia, Malásia e Nova Zelândia, e também na Europa, como França, Alemanha e Holanda.

A entrada do A320neo no setor militar colocaria a Airbus na concorrência com a Boeing, que já oferece uma versão de patrulha marítima do 737, o P-8 Poseidon.

O Boeing P-8 Poseidon é baseado no 737-800NG (Boeing)

O Boeing P-8 Poseidon é construído a partir do 737-800NG (Boeing)

Veja mais: Conheça os aviões comerciais que já ganharam versões militares