Airbus pode bater Boeing em encomenda para a KLM

Companhia aérea holandesa estaria inclinada a escolher o A321neo no lugar do 737 MAX em pedido que pode chegar a 160 aviões
Airbus A321neo (Airbus)

A Boeing pode estar na iminência de perder um pedido imenso de um dos seus clientes mais tradicionais, a KLM. A companhia aérea holandesa deve anunciar uma encomenda de cerca de 160 jatos de corredor único em breve, optando pela série 737 MAX ou pela família A30neo.

Mas, de acordo com fontes da Reuters, a KLM estaria inclinada a fechar um acordo com a Airbus por aeronaves A321neo, que possuem grande capacidade de passageiros e alcance.

A empresa holandesa pretende renovar sua frota de jatos de médio alcance, mas também ampliar as operações da Transavia, uma subsidiária low-cost que atua também na França.

As três empresas operam uma vasta frota de Boeing 737NG, daí um suposto favoritismo inicial da fabricante dos EUA. Porém, a agressividade da rival Airbus e sua linha de aeronaves de desempenho superior podem ter feito a diferença durante as negociações.

A empresa holandesa é uma tradicional cliente do 737 (KLM)

Se for confirmada, a escolha da Airbus será mais um duro golpe na combalida Boeing. Apesar de o grupo Air France-KLM possuir aeronaves de ambos os fornecedores, o sócio holandês sempre demonstrou mais predileção pelos modelos norte-americanos.

Essa situação ocorreu recentemente quando as duas empresas promoveram uma troca de aeronaves A350 e 787, com o Dreamliner sendo priorizado pela KLM enquanto a Air France ficou com todos os widebodies da Airbus.

Recentemente, a empresa francesa optou pelo Airbus A220 para renovar sua frota de aviões de menor porte. Já a KLM preferiu se manter como cliente da Embraer, fazendo um leasing numeroso de jatos E195-E2.

Ainda não há uma previsão de quando o pedido será fechado.

Total
10
Shares
0 0 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Dario lemos
Dario lemos
5 meses atrás

Combalida ? Quanto exagero deste portal que, em suas reportagens, sempre deixou bem claro sua preferência pela fabricante francesa (é mais francesa do que qualquer outra do consórcio já que o CEO é sempre francês). Por mais percalços que a fabricante norte-americana tem passado nos últimos anos, ela é uma empresa bem sólida e, mesmo que atualmente não seja líder no mercado de corredor único, muito provavelmente ela concentrará esforços para a nova geração deste tipo de aeronave. E mais, o 737 é mais vantajoso em determinadas rotas pois é mais leve que o modelo europeu. E outra, começaram a surgir problemas também no A350; é o preço que ambas vem pagando por uma ruptura no conceito de aeronaves.

Previous Post

Polícia Federal passa a contar com um jato Embraer E175

Next Post

Primeiro avião a voar pela Azul se despede do Brasil

Related Posts