Sobraram apenas cinco exemplares do Handley Page Victor. Um deles pode ser seu (Mike Freer)

Um dos últimos bombardeiros Handley Page Victor da força aérea do Reino Unido (RAF), o modelo XH673 preservado na base aérea de Marham no condado de Norfolk, está sendo oferecido gratuitamente a quem desejar removê-lo do local e restaurá-lo.

A aeronave está exposta na base de Marham desde 1993, quando foi desativada. No entanto, uma avaliação recente descobriu deficiências estruturais substanciais no avião e o custo para repará-lo é maior do que o comando em Norfolk pode pagar.

Um porta-voz da base disse que, se ninguém reivindicar o avião, ele será destruído e descartado. Caso tenha esse destino, a RAF pretende preservar somente a cauda da aeronave e montá-la em um pedestal de concreto “em homenagem a todo pessoal que trabalhou e voou no Victor”.

Interessados em levar o bombardeiro para casa devem provar que podem pagar pela restauração do avião e os custos de removê-lo da base em Norfolk, a cerca de 160 km ao norte de Londres. O prazo para enviar ofertas vai até o final de fevereiro. A base informou que a data de remoção do Victor pode ser negociada, embora recomende movê-lo durante a primavera ou versão para evitar o mau tempo das outras estações.

O Victor “XH673” está exposto na entrada da base aérea de Marham, no condado de Norfolk (RAF Marham)

Clássico da série V

Facilmente reconhecível por seu design exclusivo de asa, o Victor era um bombardeiro elegante e aerodinâmico, com excelente velocidade e capacidade para voar em grandes altitudes: alcançava máxima de 1.009 km/h e teto de 16.000 metros.

O projeto foi desenvolvido por Godfrey Lee, que usou como inspiração projetos alemães recuperados após a Segunda Guerra Mundial. O primeiro protótipo do Victor decolou em 24 de dezembro de 1952, mas aeronave entraria em serviço somente em 1958.

Fabricado para ser a ponta de lança nuclear do Reino Unido em uma eventual guerra contra a União Soviética, o Victor nunca lançou uma bomba em combate durante sua longa carreira na RAF. A aeronave podia carregar 35 bombas de 450 kg (total de 15.750 kg) ou então uma única Yellow Sun, a primeira bomba nuclear britânica.

Atraso nos testes e na produção tornaram o Victor obsoleto como bombardeiro quando entrou em operação. Na década de 1960 os aparelhos foram convertidos em aviões de reabastecimento aéreo e reconhecimento, funções que desempenhou durante a Guerra das Malvinas e na Guerra do Golfo.

Os três "V" britânicos reunidos: Victor, Valiant e o Vulcan, de cima para baixo (Foto - RAF)

Os três “V” britânicos reunidos: Victor, Valiant e o Vulcan, de cima para baixo (RAF)

O modelo XH673 foi um dos 24 Victor de reabastecimento aéreo que participaram da Operação Black Buck na Guerra das Malvinas contra posições argentinas, considerada até hoje as missões de bombardeio militar mais complexa e desafiadora da história. O jato oferecido pela RAF também é veterano da Guerra do Golfo no Iraque.

O Victor construído pela Handley Page foi o terceiro e último bombardeiro da série V da RAF, iniciada com Vickers Valiant, introduzido no serviço militar em 1955, e o Avro Vulcan, em 1956.

Veja mais: As diferentes versões do Airbus A380 que nunca saíram do papel