Antonov An-225 Mriya estabelece dois novos recordes na aviação

Gigante operado pela Antonov Airlines está ajudando nos esforços contra a pandemia do coronavírus
(Antonov)
Gigante ucraniano: o An-225 pode decolar com peso máximo de até 64o toneladas (Antonov)

Maior avião do mundo, o Antonov An-225 Mriya vem tendo uma rotina de voos bastante agitada participando dos esforços contra a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Na última semana, o super cargueiro ucraniano estabeleceu dois novos recordes.

Quando aterrissou em Paris no dia 19 de abril, o An-225 desembarcou 150 toneladas de suprimentos médicos trazidos de Tianjin, na China. Essa foi a maior carga médica já transportada por uma aeronave na história da aviação. O processo para descarregar as mercadorias, incluindo oito milhões de máscaras faciais, levou mais de 10 horas para ser concluído.

Antes disso, no dia 14 de abril, o gigante Antonov, novamente proveniente de Tianjin, voou para Varsóvia, na Polônia, transportando cerca de 100 toneladas em medicamentos, testes laboratoriais, máscaras e outros equipamentos de proteção. No total, a aeronave carregou uma carga de aproximadamente 1.000 metros cúbicos.

“Na história da aviação, esse volume de carga nunca foi transportado dentro do compartimento de carga de uma aeronave”, anunciou Vitaliy Shost, vice-diretor da Antonov Airlines, companhia estatal da Ucrânia que opera o único exemplar do Mriya.

O An-225 começou a participar dos esforços contra a Covid-19 em 14 de abril, quando foi fretado para transportar cerca de 80 toneladas de suprimentos médicos da China para o Reino Unido. Esse foi o primeiro voo comercial do gigante em quase dois anos. A aeronave estava parada enquanto passava por um processo de manutenção e atualização executado pela Antonov Company.

Acostumado a feitos impressionantes, o An-225 coleciona mais de 250 recordes na aviação, incluindo peso máximo de decolagem de 640 toneladas e capacidade para transportar até 250 ton de carga ou volumes de 1.300 metros cúbicos.

De acordo com a Antonov, as aeronaves de sua companhia cargueira já transportaram mais de 1.400 toneladas de itens hospitalares da China para vários países da Europa, Américas e Oriente Médio desde o final de março. No começo de abril, um An-124, outro avião gigante da empresa ucraniana, pousou em Brasília (DF) trazendo 40 toneladas de suprimentos médicos, incluindo seis milhões de máscaras faciais.

Veja mais: E se o Antonov An-225 fosse um avião de passageiros?

Total
111
Shares
0 0 votes
Article Rating
7 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
dan
dan
2 anos atrás

Acho que quando passar essa pandemia, a ideia de ter a segunda unidade do An-225 vai se fortalecer, pra uma focada em voos na Ásia e Oceania e outra unidade na Europa, Norte da África e Américas. E ocasionalmente, o restante do continente africano quando estiver na América do Sul.

Pois olha como e gigante está sendo bem solicitado em tempos atuais…

Eustaquio José Martins
Eustaquio José Martins
2 anos atrás

Existe um outro inacabado e abandonado 70% construido, dizem que é inviável terminá-lo.

NILTON CESAR CAVENAGHI
2 anos atrás

Nada é de graça.

Wendel
Wendel
2 anos atrás

Li uma reportagem dia desses de que existe outro Antonov An-225, mostrou até a foto dele dentro de um hangar. Porém, o mesmo se encontra inacabado, precisado de um dono. Ou seja, basta uma empresa comprar, que eles terminam o “bichão”…

Eustaquio José Martins
Eustaquio José Martins
2 anos atrás

Em 2016, a China havia demonstrado interesse na finalização dessa aeronave, mas a dificuldade de transportar e estrutura e demais peças já prontas para o território chinês abortaram o projeto.

Eustaquio José Martins
Eustaquio José Martins
2 anos atrás

Em 2016, a China havia demonstrado interesse na finalização dessa aeronave, mas a dificuldade de transportar a estrutura e demais peças já prontas para o território chinês abortaram o projeto.

Eustaquio José Martins
Eustaquio José Martins
2 anos atrás

Segundo a Antonov este modelo está 70% pronto e é possível finaliza-lo e coloca-lo para voar um dia, caso haja demanda no mercado einvestidores dispostos a colocar cerca de us$ 300 milhões no projeto.

Previous Post

Veja como poderiam ficar os assentos dos aviões após a pandemia do coronavírus

Next Post
Airbus A321XLR

Airbus faz primeiro “corte de metal” do novo A321XLR

Related Posts
Total
111
Share