Após 48 anos de serviço, Japão aposenta caças F-4 Phantom II

Fundamental na defesa aérea do Japão nas últimas décadas, F-4 cederá seu espaço ao moderno F-35A
McDonnell Douglas F-4 - Força Aérea do Japão
(JASDF)
McDonnell Douglas F-4EJ - Força Aérea do Japão
O Japão era um dos últimos operadores do F-4; caça segue ativo na Coreia do Sul, Grécia, Turquia e Irã (JASDF)

Depois de quase 50 anos, a carreira dos caças F-4 Phantom II do Japão em funções de combate chegaram ao fim. A despedida dos antigos jatos da força aérea japonesa foi formalizada na última sexta-feira (20).

A cerimônia que marcou a retirada dos F-4 no país ocorreu na Base Aérea de Hyakuri, sede do esquadrão 301 Hikotai, a última divisão nipônica que ainda operava 24 exemplares da aeronave. Algumas unidades ainda serão mantidas pela central de testes de voo e desenvolvimento da força aérea do Japão.

A história do Phantom no Japão começou em 1968 quando o caça da McDonnel Douglas foi selecionado pela força aérea do país, com um pedido de 140 jatos da versão F-4EJ. Exceto pelos dois primeiros caças recebidos pelos japoneses, todos os outros foram produzidos localmente sob licença pelo grupo Mitsubishi Heavy Industries (MHI).

O par inicial de aeronaves, produzidas nos EUA, pousou no Japão em 25 de julho de 1971. Um ano depois, os caças foram declarados operacionais no país. A força aérea japonesa também adquiriu a versão RF-4E desarmada para missões de reconhecimento – desativados no começo deste ano.

A indústria japonesa foi responsável pela produção do último dos 5.195 exemplares do F-4. O modelo F-4EJ com número de série 17-8440 deixou a linha de montagem da MHI em 21 de julho de 1981. No ano seguinte, o Japão iniciou um amplo programa de modernização da frota, que converteu 96 jatos para o padrão F-4EK Kai (“aprimorado”, em japonês).

Em seu auge no Japão, o F-4EJ foi operado por seis esquadrões da força aérea japonesa, distribuídos por quatro bases. A maioria desses grupos foi gradualmente reequipada com aeronaves mais modernizas e capazes, como o F-15J e o caça multifuncional Mitsubishi F-2 (versão local do F-16).

McDonnell Douglas F-4 - Força Aérea do Japão
Os últimos dos mais de 5 mil caças F-5 Phantom foram produzidos no Japão, em 1981 (JASDF)

Salto de três gerações

Um dos mais icônicos caças de segunda geração, o F-4 agora cederá seu espaço na força aérea japonesa ao Lockheed Martin F-35A, um jato de quinta geração e atualmente um dos mais avançados do mundo, com capacidade furtiva (“invisível” aos radares) e um moderno leque de armamentos e sensores.

A introdução do F-35 no Japão está seguindo os mesmos passos dos programas Phantom e F-15J. A exemplo dos modelos mais antigos, o caça de última geração também passou a ser produzido sob licença pela MHI, após a entrega de quatro modelos importados dos EUA. Os japoneses também encomendaram a versão F-35B, de pouso de decolagem verticais.

O Japão recebeu os primeiros F-35A em 2016; país encomendou 105 modelos F-35A e 42 F-35B (JASDF)

A desativação dos Phantom acontece num momento em que o Japão está intensificando seus gastos militares para modernizar suas forças armadas em resposta às crescentes ameaças à segurança nacional, especialmente da China e Coreia do Norte. Além da aquisição dos F-35, os japoneses também estão desenvolvendo um caça de quinta geração.

Com a aposentaria dos F-4 no Japão, os últimos operadores do “Fantasma” agora são as forças aéreas da Coreia do Sul, Grécia, Turquia e Irã.

Veja mais: Nicolás Maduro diz que Venezuela vai fabricar drones militares

 

 

Total
57
Shares
Previous Post

Jatos ERJ da Força Aérea da Bélgica farão estreia tardia na aviação comercial

Next Post

Rumores apontam que Argélia teria comprado 14 caças russos Sukhoi Su-57

Related Posts