O drone da EANSA apareceu rapidamente durante o discurso de Nicolás Maduro (VTV)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, apresentou nesta quinta-feira (20), durante um longo e inflamado discurso, o primeiro drone militar produzido com “mão de obra venezuelana”, como ele mesmo destacou, fabricado pela recém-inaugurada Empresa Nacional de Aeronáutica (EANSA) no estado de Aragua.

“Esta empresa venezuelana faz parte do que estamos fazendo para conquistar a independência tecnológica”, disse Maduro em seu pronunciamento transmitido pela VTV. “Em breve estaremos fabricando drones polivalentes para o desenvolvimento nacional, para a defesa nacional, feitos na Venezuela pela nossa empresa.”

Ainda na mesma apresentação, o presidente venezuelano anunciou a produção de um avião monomotor projetado pela EANSA para “treinamento, uso na agricultura e vigilância aérea”. Na transmissão da televisão estatal, o avião aparece com o nome EANSA-1. “Dois protótipos foram totalmente fabricados na Venezuela”, disse Maduro.

O discurso de Maduro foi realizado num hangar da Conviasa, a empresa aérea estatal da Venezuela, no aeroporto de Caracas. Como pano de fundo, um Embraer E190 com as cores da empresa local decorou o evento.

EANSA-1

Nicolás Maduro ao lado do protótipo EANSA-1, fabricado na Venezuela (VTV)

O que a Venezuela está aprontando?

O anúncio da produção local de drones militares mostra que Nicolás Maduro está “antenado” com as novas tendências da guerra moderna. O uso de aeronaves militares não tripuladas está cada vez mais disseminado pelo mundo e o conceito vem provando seu valor em combate.

Sem experiência na indústria aeronáutica, é provável que a Venezuela receba ajuda de seus aliados, como a China e o Irã. O drone apresentado rapidamente no discurso de Maduro, inclusive, tem um design parecido com o modelo iraniano Qods Mohajer-6, empregado em missões de vigilância e ataque.

Mohajer-6

O drone venezuelano é “cara” do Mohajer-6, fabricado no Irã; modelo tem autonomia de 12 horas (IRNA)

Veja mais: Após mais de 50 anos, Uruguai quer voltar a operar caças