Korea Aerospace Industries FA-50 "Golden Eagle"

O jato FA-50 da Korea Aerospace Industries é um dos modelos analisados pela FAU (KAI)

A Força Aérea Uruguaia (FAU), uma das mais antigas da América do Sul, que reativar sua aviação de caça nos próximos anos. Segundo informações obtidas pelo site Poder Aéreo, o Ministério da Defesa do Uruguai recebeu três propostas: Leonardo M-346 da Itália, KAI FA-50 da Coreia do Sul e o Hongdu L-15B da China. Outra possibilidade, ainda não definida, é o sueco Saab Gripen C.

De acordo com a publicação, dois requisitos são essenciais para determinar a escolha da FAU: o avião precisa ser “zero km”, vir equipado com radar (atualmente a FAU não possui aeronaves equipadas com esse item) e ter capacidade de, ao menos, conseguir simular combater BVR (além do alcance visual do piloto).

Dos quatro aviões analisados pelo Uruguai, três deles são supersônicos: FA-50, L-15B e o Gripen C, enquanto o M-346 tem velocidade máxima próxima de Mach 1. Fundada em 1953, a FAU nunca operou uma aeronave capaz de voar acima da velocidade.

A intenção da FAU em primeira instância é adquirir seis aeronaves, com opção de compra de um segundo lote com mais seis aparelhos. A força aérea do Uruguai também está em busca de um turboélice moderno para missões de patrulha e treinamento, segmento que tem o Embraer Super Tucano como um dos principais expoentes.

O último caça “puro sangue” que voou com as insígnias da FAU foi o Lockheed P-80 Shooting Star. O jato fabricado nos EUA foi operado no Uruguai entre 1958 e 1969. Atualmente, a principal aeronave de defesa aérea e interceptação do país é o veterano Cessna A-37B Dragonfly, um avião mais apropriado para missões de ataque ao solo.

Veterano da Guerra do Vietnã, o Cessna A-37 continua em operação no Uruguai (FAB)

Veterano da Guerra do Vietnã, o Cessna A-37 continua em operação no Uruguai (FAB)

Reforço na frota de transporte

Em setembro, o Ministério da Defesa uruguaio confirmou a compra de dois C-130H Hercules de segunda mão da Espanha. As aeronaves de transporte logístico chegarão ao país em dezembro para substituir um par de modelos C-130B produzidos há quase 60 anos.

Veja mais: Governo argentino irá recuperar o avião presidencial “Tango 01”