Sabia que aviões a jato também têm motores a hélice?

Em caso de pane total no sistema elétrico da aeronave entra em ação o gerador eólico RAT
O RAT é uma pequena turbina que gera eletricidade para a aeronave em casos de emergência (Caseimages)
O RAT é uma pequena turbina que gera eletricidade para a aeronave em casos de emergência (Caseimages)

Você sabia que um avião comercial consome enormes quantidades de eletricidade? Além do impulso para o voo, os motores a jato também geram energia elétrica, fundamental para manter em funcionamento os mais diversos equipamentos e sistemas de controle da aeronave.

Como no motor de um automóvel, o avião também possui uma espécie de “alternador”, porém muito mais sofisticado e potente. O equipamento é como um grande dínamo com uma complexa transmissão que vai acoplada aos motores. Além desse recurso, aeronaves modernas ainda têm a APU (Unidade de Energia Auxiliar), um pequeno propulsor a jato, geralmente na cauda do aeronave, e baterias independentes para cada item eletrônico.

A chance de todos esses equipamentos falharem ao mesmo tempo e o avião ficar sem eletricidade é muito pequena, mas ela pode acontecer. Nesses casos, a tripulação ainda tem um último recurso: o RAT (Ram Air Turbine), uma “Turbina de Ar” que funciona da mesma forma que um gerador eólico, com uma hélice.

“O RAT é acionado no caso de ‘panes em cascata’. Para um avião comercial ficar totalmente sem energia elétrica, é preciso que falhem os geradores dos motores, a APU e as baterias. É raríssimo de acontecer. Em todo caso, ainda é necessário um último recurso”, explicou Jose Farat, engenheiro elétrico aeronáutico e diretor do comitê Aeroespacial da SAE BRASIL, ao Airway.

O RAT fornece a energia necessária para os sistemas básicos, assim a tripulação mantém o controle da aeronave (4.bp)
O RAT fornece a energia para sistemas básicos, assim a tripulação mantém o controle da aeronave (4.bp)

O RAT fica “escondido” na fuselagem do avião ou então em partes das asas. Quando é acionado, o equipamento é expulso do compartimento e imediatamente sua hélice começa a girar, de acordo com a velocidade da aeronave, restabelecendo a energia para os sistemas elétricos. “Quando acionado, o RAT gera a energia necessária para a tripulação manter o controle dos sistemas da aeronave e pousar com segurança”, explica Farat.

“O RAT é importante durante uma emergência para manter funcionando os sistemas elétricos de controle de voo e comandos hidráulicos da aeronave, que são considerados os pontos mais críticos. Pode ser acionado pelo piloto ou então automaticamente, se o computador de bordo detectar a falta de energia”, contou Marcelo Marcussu gerente de flight standards e treinamento da Latam e comandante de Airbus A320.

Na maioria dos aviões comerciais modernos, a turbina de emergência é acionada automaticamente no caso de falha total nos sistemas elétricos. Mas o equipamento está longe de ser novidade: um dos primeiros exemplos da aplicação dessa tecnologia foi no caça alemão Me-163 Komet, ainda na Segunda Guerra Mundial, mas como equipamento padrão para gerar eletricidade, e não somente para situações de perigo.

A pequena hélice no nariz do Komet era um RAT (Domínio Público)
A pequena hélice no nariz do Komet era um RAT (Domínio Público)

Onde fica?

Cada avião possui o RAT em uma posição específica. Os jatos da Embraer, por exemplo, geralmente levam o equipamento em posições próximas ao nariz. Já os Airbus, como os modelos da família A320, escondem o gerador de emergência na “barriga”. Já o Boeing 737 é um dos poucos aviões comerciais com motor a jato que não possui esse item.

“O RAT é muito importante para aviões com comandos de voo fly-by-wire, que precisam de eletricidade para funcionar, caso as baterias também deixem de funcionar”, conta o diretor da SAE.

O Airbus A380, o maior avião de passageiros da atualidade, também é o dono do maior RAT da aviação. Se a aeronave tiver um pane total no sistema elétrico, salta da asa esquerda um enorme gerador com uma hélice de duas pás, cada uma com 1,63 metro de comprimento.

O Airbus A380 possui o maior RAT da aviação; cada pá do motor tem 1,63 metro (Airbus)
O Airbus A380 possui o maior RAT da aviação; cada pá do motor tem 1,63 metro (Airbus)

O RAT não é um equipamento obrigatório na aviação, mas é recomendado em projetos de aeronaves modernas, que possuem diversos equipamentos eletrônicos importantes para o voo e segurança. Aeronaves militares, como caças, também contam com esse recurso.

“Se a aeronave apresentar problemas na geração de eletricidade, é preciso desligar algumas funções que não são essenciais para o voo. No caso do acionamento da RAT, o que pode acontecer é o corte de energia nas galleys, os sistemas de entretenimento e até a luz na cabine. Mas na parte do voo não se sente nenhuma diferença”, detalha Marcussu.

A UTC Aerospace Systems, um dos principais fornecedores de RATs para aviação comercial, afirma que o equipamento já teve atuação crucial, desde a década de 1960, em pelo menos 16 incidentes de pane elétrica total, salvando mais de 1.700 vidas.

O RAT desse Boeing 787 foi acionado, possivelmente para testes de validação (stuart.mike)
O RAT desse Boeing 787 foi acionado, possivelmente para testes de validação (stuart.mike)

“Em projetos aeronáuticos, a confiabilidade não pode ser depositada em apenas um equipamento. No caso da parte de geração de eletricidade, a aeronave possui uma série de recursos com até tripla redundância”, finalizou Farat.

Veja mais: A difícil vida do trem de pouso

Total
104
Shares
0 0 votes
Article Rating
6 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Leando
Leando
5 anos atrás

Graças a esse acessório o voo 143 conseguiu pousar
Planador de Gimli é o apelido de uma aeronave da Air Canada que se envolveu em um bizarro acidente aéreo. Em 23 de julho de 1983, um jato Boeing 767-200, cumprindo o voo 143 da Air Canada, ficou totalmente sem combustível a 41 mil pés de altitude (12.500 metros), aproximadamente na metade do caminho entre Montreal e Edmonton. A tripulação conseguiu pousar o avião em segurança no Aeroparque Industrial de Gimli, uma antiga base aérea em Gimli, Manitoba.
https://www.youtube.com/watch?v=6UuDr8_TTG8

Rossi
Rossi
5 anos atrás

Minha nossa, não acredito que li Engenheiro elétrico… fora isso, matéria nota 10! 😀

Fabricio
Fabricio
5 anos atrás

O RAT pode gerar não só energia elétrica mas hidráulica também. Há RAT que gira um gerador elétrico, uma bomba hidráulica ou ambos. No 767 por exemplo o RAT gira apenas uma bomba hidráulica, sendo o sistema elétrico suprido por baterias em caso de falha de todos os geradores.

Fabricio
Fabricio
5 anos atrás

Uma correção minha. A energia elétrica no 767 em caso de falha dos motores por exemplo, vem de um gerador elétrico que é movido pela energia hidráulica oriunda da bomba conectada no RAT.

Moisés A. Silva
Moisés A. Silva
4 anos atrás

Bom dia. Cheguei até esta matéria porque estranhei o fato de o avião que se acidentou com o time do Chapecoense ter ficado com pane elétrica, provavelmente em virtude de ” pane seca ” .
Então pensei ” Não haveria um sistema elétrico de emergência ? ” Na minha opinião, coisa tão elementar (sou técnico em eletrônica ) ” .. Concluo que a aeronave acima referida não teria o tal sistema, infelizmente . Ou na hora da pane não deu tempo de o piloto acionar o sistema manualmente, caso haja falhado o automático.

Pierre Bernstein
Pierre Bernstein
5 meses atrás

A combinação do RAT com um comandante treinado em planador salvou muitas vidas num B767 com pane seca que pousou num campo de pouso abandonado tempos atrás nos EUA.

Previous Post
Embraer ERJ-145 agora conta com opção de filtros HEPA

FAA pede inspeções nos jatos Embraer ERJ registrados nos EUA

Next Post
O A380 tem autonomia para voar cerca de 15.000 km (Airbus)

Airbus A380 pode ganhar versão “Combi”, para cargas e passageiros

Related Posts