Aviões chineses invadiram a zona de defesa de Taiwan 380 vezes em 2020

Ministério da Defesa taiwanês afirma que incursões chinesas representam uma ameaça à segurança regional e nacional
Aviões chineses invadiram a ADIZ de Taiwan 380 vezes em 2020

Os controladores de tráfego aéreo e a força aérea de Taiwan trabalharam como nunca em 2020. De acordo com um relatório financiado pelo governo taiwanês divulgado na semana passada pelo Instituto de Defesa Nacional e Pesquisa de Segurança de Taipei, aviões militares chineses realizaram 380 incursões na zona de identificação de defesa aérea (ADIZ) do país no ano passado.

“As 380 incursões em nossa ADIZ sudoeste em 2020 foram muito mais frequentes do que no passado”, disse o porta-voz do Ministério da Defesa de Taiwan, Shih Shun-wen, acrescentando que as incursões “representam uma ameaça à segurança regional e nacional”.

ADIZ (Air Defense Identification Zone) é o espaço aéreo acima e ao redor de um território no qual é exigida a identificação de aeronaves que sobrevoam a região. A violação dessa linha por aviões militares é considerado um ato de agressão.

Segundo o porta-voz, as ações dos chineses têm como objetivo “testar a resposta de nossos militares, para exercer pressão sobre nossa defesa aérea e para espremer o espaço aéreo de nossas atividades”.

Jeremy Hung, co-autor do relatório, disse que aviões militares chineses voaram mais perto de Taiwan e frequentemente em sua zona de defesa em pelo menos 110 dias no ano passado. Na maioria desses casos, caças da força aérea de Taiwan foram acionados para interceptar os intrusos.

Os números foram divulgados no momento em que Taiwan vem reforçando ainda mais sua aproximação com os EUA, que por sua vez vive seu maior momento de enfrentamento com a China.

Segundo o relatório do instituto taiwanês, as incursões aéreas em 2020 representam a maior ameaça ao país “desde a crise dos mísseis de 1996 no Estreito de Taiwan”, episódio em que os chineses realizaram uma série de testes de mísseis balístico no mar em torno de Taiwan.

Autoridades de Taiwan também confirmaram que jatos chineses cruzaram a chamada “linha mediana” do Estreito de Taiwan duas vezes em 2020, durante a visita de diplomatas dos EUA ao país, cujo território é reivindicado pela China (e vice-versa).

Veja mais: Avião supersônico da NASA começa a tomar forma

Total
22
Shares
Previous Post
Capitao Amy Bauernschmidt, a nova comandante do porta-aviões USS Abraham Lincoln

Pela primeira vez, oficial mulher vai comandar um porta-aviões nuclear dos EUA

Next Post

Bombardeiro ‘invisível’ chinês será mesmo clone do B-2 dos EUA

Related Posts