Aviões da United voam com biocombustível de fezes

Alternativa ecológica reduz a emissão de gases do efeito estufa produzidos durante os voos
Os 737 da United utilizam 30% de biocombustível na rota Los Angeles - São Francisco (United)
Os 737 da United utilizam 30% de biocombustível na rota Los Angeles – São Francisco (United)

Os 737 da United utilizam 30% de biocombustível na rota Los Angeles - São Francisco (United)

Os 737 da United utilizam 30% de biocombustível na rota Los Angeles – São Francisco (United Airlines)

Parte das aeronaves da companhia aérea United Airlines, dos Estados Unidos, estão voando desde agosto impulsionadas por biocombustível derivado de fezes e gordura animais. Segundo a empresa, alternativa reduz as emissões de gases poluentes durante o voos.

As aeronaves envolvidas no programa utilizam uma combinação de 30% do biocombustível com o restante de combustível convencional. Os jatos com o querosene especial operam na rota Los Angeles – São Francisco, uma viagem realizada em aproximadamente uma hora.

O fornecimento do combustível de “cocô” é feito pela Fulcrum BioEnergy, uma das maiores refinarias de biocombutível para aviação do mundo. A empresa recentemente também recebeu um investimento de US$ 30 milhões da United para continuar suas pesquisas. A companhia norte-americana planeja, em um futuro próximo, integrar o biocombustível em toda sua frota de aeronaves.

Biocombustível

O biocombustível utilizado na aviação geralmente é derivado de vestígios orgânicos, como plantas e animais mortos. A queima desse tipo de combustível é menos danosa pois os resíduos do qual é processado já foi exposto à atmosfera e absorveu o calor durante sua vida. Por isso, sua combustão não produz novas partículas de carbono.

O mesmo princípio vale para o etanol utilizado em automóveis com motores ‘flex’ e caminhões que já podem ser abastecidos com biodiesel. A produção de biocombustível, porém, influencia no preço dos alimentos, por isso seu uso ainda é combinado ao combustível sintético.

Veja mais: Boeing afirma ter criado o metal mais leve do mundo

Total
0
Shares
3 comments
  1. Se o que esta escrito acima for verdade, o ponto forte não sera o bio de fezes apesar de uma análise rápida ser enganosa da economia, pois as empresas aéreas terão que dar mais alimentação para os passageiros para fabricação do bio com fezes humanas. O Beneficio ficará somente no nível de poluição. Por outro lado acho que o custo ficará maior, pois com alimentação reforçada a tendência é aumentar o peso dos passageiros o que gerara mais consumo dos motores para transportar a carga. Provavelmente o beneficio virara uma tremenda frustração.

Comments are closed.

Previous Post
O F-16V possui equipamentos eletrônicos de última geração. Só faltam interessado... (Lockheed Martin)

Caça F-16 modernizado voa pela primeira vez

Next Post
O Grupo de Transporte Especial da FAB possui dois VC-2, versão executiva do Embraer E190 (FAB)

Conheça os aviões executivos da FAB

Related Posts