O Raider X, da Sikorsky, é o projeto mais adiantado (Sikorsky)

O Exército dos EUA anunciou a seleção de dois dos cinco concorrentes no programa FARA (Future Attack Reconnaissance Aircraft), que dará origem a um novo helicóptero de ataque e escolta. São elas a Bell e a Sikorsky, que superaram as propostas da Boeing e das iniciantes AVX e Karem Aircraft. As duas fabricantes agora irão projetar e construir protótipos dos helicópteros 360 Invictus e Raider X que serão avaliados em voo até o segundo semestre de 2023.

“O programa FARA é a prioridade número um da modernização da aviação do Exército e é essencial para efetivamente penetrar e desintegrar os sistemas de defesa aérea inimigos”, afirmou Bruce D. Jette, responsável pela concorrência.

Lançado pelo Exército dos EUA em 2018, o programa tem caráter emergencial após a retirada de serviço do helicóptero OH-58 Kiowa, que faziam essa função até o ano anterior. Sem um substituto adequado, os EUA têm utilizado o AH-64 Apache, mas a aeronave, de grandes dimensões, não tem caractéristicas necessárias para cumprir essa função.

Entre os requisitos do novo helicóptero estão uma velocidade de cruzeiro bastante elevada, de 330 km/h e uma arquitetura modular que permita atualizações de software durante sua vida. As cinco companhias selecionadas para a Fase 1 sugeriram propostas convencionais e exóticas, com utilização de rotores co-axiais, hélices propulsoras, assentos lado a lado ou em tandem.

Para tentar ampliar a concorrência, o exército americano incluiu duas empresas pouco conhecidas, a AVX e a Karem, mas no final pesou mesmo a tradição. Já a Boeing, que já foi sócia tanto da Bell (V-22 Osprey) como da Sikorsky no malfadado RAH-66 Comanche, foi a última a apresentar sua proposta, mas não trouxe novidades com seu conceito.

Entre o convencional e a inovação

Se preferiu selecionar duas tradicionais fabricantes de helicópteros, o US Army ao menos terá a possibilidade de comparar dois conceitos bem diferentes entre si. A opção pelo Bell 360 Invictus indica uma proposta mais convencional e testada já que o modelo utilizará o sistema de rotor do helicóptero civil 525 Relentless. O protótipo também terá asas para ampliar a sustentação e permitir que o rotor principal seja usado para impulsioná-lo para frente. Além disso, a aeronave incorpora um rotor de cauda carenado no estilo “Fenestron”, introduzido pela Airbus.

O Raider X, por sua vez, é o conceito mais adiantado. A Sikorsky já avalia a tecnologia de seu rotor co-axial com hélices propulsoras desde 2015 com o protótipo S-97. Ambos possuem dimensões compactas para permitir a operação em ambientes urbanos, com rotores com cerca de 12 metros de diâmetro apenas. Na visão dos militares americanos, o palco de guerra incluirá ações em megacidades no futuro.

Os planos do Exército dos EUA são de ter o novo helicóptero operacional até 2028, mais de uma década após o Kiowa sair de cena.

A Bell propôs um helicóptero de concepção mais convencional, o 360 Invictus (Bell)

Veja também: Bell revela helicóptero experimental com motorização híbrida