“Boeing Brasil – Commercial” é o novo nome da Embraer na aviação comercial

Controle acionário da companhia tem 80% nas mãos da Boeing e os 20% restantes com a Embraer
O acordo entre Boeing e Embraer deve ser concluído nos primeiros meses de 2020 (Airway)
Boeing e Embraer: gigante aeroespacial a caminho? (Montagem sobre divulgação)

“Boeing Brasil – Commercial”. Este agora é o nome da empresa que resultou da fusão entre a divisão de aviação comercial da Embraer e a Boeing. A nova identidade, que chama atenção ao combinar Brasil escrito em português com “s” seguido do termo “commercial” em inglês, foi anunciada pela companhia norte-americana nesta quinta-feira (23).

A associação entre as duas empresas foi formalizada em janeiro deste ano, após a aprovação do presidente Jair Bolsonaro. A Boeing Brasil – Commercial tem 80% de suas ações controladas pela Boeing e 20%, pela Embraer. O governo brasileiro possuía uma ação com poder de veto em decisões sobre a companhia brasileira, criada em 1969 como uma empresa estatal.

A companhia norte-americana adquiriu sua fatia da Embraer Aviação Comercial por US$ 4,2 bilhões (cerca de R$ 16,8 bilhões). O acordo firmado em julho do ano passado também inclui a participação de 49% da Boeing na joint-venture para promover o cargueiro KC-390, da Embraer. O processo de formação total da nova empresa deve ser finalizado até o início de 2020.

A exemplo da Airbus que rebatizou a série CSeries da Bombardier como A220, o próximo passo da Boeing Brasil – Commercial deve ser a criação de um novo nome para a família de aeronaves E-Jets 2 (também chamadas de E2), hoje o principal produto desenvolvido pela Embraer para a aviação comercial e já disponível com os modelos E190-E2 e E195-E2 – a série também contempla o E175-E2, ainda em fase de desenvolvimento.

A divisão de aviação comercial era a principal fonte de faturamento da Embraer, responsável por mais de 80% dos negócios da companhia. A empresa brasileira continuará suas atividades com a divisões de aviação militar, executiva e agrícola.

Veja mais: ANAC aprova concessão da Air Europa no Brasil

Total
0
Shares
0 0 votes
Article Rating
6 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Caique
2 anos atrás

Oi tudo bem

Caique
2 anos atrás

Oi quero agradecer pela oportunidade de trabalho

Raphael
Raphael
2 anos atrás

Perdeu-se até o nome da Empresa, infelizmente as coisas são assim, “junte-se a eles ou seja engolido”.

Uma pena, uma das poucas empresas nacionais que tinha conceito lá fora.

Ricardo Cavalcante Cabral

Lamentável essa esdrúxula, lesapatria união. Totalmente podre.

Luiz Carlos
2 anos atrás

Parece que algumas pessoas não entenderam que a Embraer continuará existindo, com o mesmo nome de sempre, fabricando aviões militares, executivos e agrícolas. Somente parte da Embraer foi vendida. Se 80 por cento dessa parte pertence à Boeing e somente 20 por cento à antiga Embraer, porque essa preocupação com o nome. Segundo já li, manter o nome Embraer seria até benéfico para o marketing dos aviões comerciais, mas isso está no contrato de venda. O nome não foi vendido.

Claudio Lemes Louzada
Claudio Lemes Louzada
2 anos atrás

A mudança de nome praticamente já era esperada. Os produtos também deverão mudar de nome. O histórico de incorporações da Boeing comprovam que ela não comercializa os produtos com o nome antigo. Pode ser que na feira de Le Bourget seja feito o anúncio e extinção do nome Embraer na linha comercial. Acredito que a área militar seja em breve incorporada totalmente ao gigante americano. Espero que a Embraer sobreviva em céu azul no altamente competitivo mercado de aeronaves executivas. Saudações,

Previous Post

Viracopos recebe 375 toneladas de equipamentos da banda coreana BTS

Next Post

Startup dos EUA quer lançar avião comercial capaz de voar a 6.100 km/h

Related Posts