Boeing orienta companhias sobre como acalmar passageiros desconfiados com o 737 MAX

Fabricante está estudando formas para ajudar operadores do MAX a reconquistar a confiança do público
A série MAX é a terceira geração do jato 737, que voou pela primeira vez em 1967 (Boeing)
A série MAX é a terceira geração do jato 737, que voou pela primeira vez em 1967 (Boeing)
Quase 400 jatos 737 MAX 8 e MAX 9 estão aterrados no mundo todo (Clemens Vasters)

Desde que os jatos 737 MAX da Boeing foram aterrados em março, depois de dois acidentes que mataram 346 pessoas, a fabricante vem repetidas vezes refazendo a seguinte pergunta: os passageiros vão ficar com medo de voar no avião quando ele voltar ao serviço?

Enquanto trabalha em reparos técnicos na aeronave, necessários para a aprovação regulatória, a Boeing também vem realizando pesquisas com milhares de passageiros no mundo todo para tentar descobrir a resposta. Os últimos resultados, divulgados pela empresa neste mês, apontaram que 40% dos passageiros regulares disseram que não estariam dispostos a voar no MAX.

Temendo a rejeição do público, a fabricante norte-americana está criando estratégias para ajudar as companhias aéreas a reconquistar a confiança dos passageiros e convencer os viajantes de que o avião mais popular da empresa é seguro. A informação é do jornal The New York Times, que teve acesso ao material que a Boeing divulgou aos operadores da aeronave.

O material tem uma série de orientações para as companhias em diferentes situações. Por exemplo, se um passageiro desistir de voar no MAX depois que comprar a passagem e estiver prestes a embarcar, a Boeing diz que a empresa aérea poderia oferecer uma nova reserva. Outra tática citada pela fabricante é preparar comissários de bordo e pilotos para conversar com os passageiros sobre a aeronave e distribuir cartões de informação detalhando por que o MAX é seguro.

O manual de estratégias da Boeing sobre o retorno do 737 MAX (Boeing via The New York Times)

“Toda interação com um passageiro ansioso, seja pessoalmente ou on-line, é uma oportunidade de demonstrar nosso cuidado e preocupação”, diz um dos pontos da apresentação da Boeing. “Isso é tão simples quanto o reconhecimento do estado de espírito de um passageiro. A pesquisa mostra que as emoções conduzem a tomada de decisões, portando, uma conexão humana será mais eficaz do que apelos racionais.”

Nos casos mais extremos, a Boeing sugere o uso de “técnicas relacionas a emergências médicas em voo” para diminuir uma possível situação de risco a bordo.

Os documentos destacam os enormes desafios que a Boeing vai enfrentar nos próximos meses, enquanto tenta restaurar sua reputação. O MAX permanece proibido de voar e não há um uma previsão garantida sobre o seu retorno. Em apenas uma semana e meia, a fabricante demitiu seu CEO e anunciou a suspensão temporária na produção do 737 MAX.

Segundo a reportagem do jornal americano, a Boeing consultou milhares de viajantes no mundo todo quatro vezes desde maio e concluiu que nesse tempo o ceticismo em torno do MAX não mudou muito. Entre os passageiros dos EUA, apenas 52% disseram que estariam dispostos a voar no avião, de acordo com a pesquisa.

“A conscientização geral sobre os problemas em torno do 737 MAX permanece muito alta em todos os países”, escreveu a Boeing.

A Boeing divulgou o “manual” de estratégias para o retorno do MAX aos operadores por meio de teleconferências. O esforço foi liderado por Bernard Choi, membro da equipe de comunicação da Boeing.

O documento da Boeing aponta formas para lidar com passageiros ansiosos e nervosos antes do embarque ou durante os voos no MAX (Boeing via The New York Times)

Alguns executivos de companhias aéreas dos EUA ficaram irritados com a apresentação e o material da Boeing, apontando que a fabricante perdeu a credibilidade, de acordo com a publicação. Em outra ponta, dezenas de companhias de outros país, especialmente as menores, podem achar os materiais úteis.

“Nos envolvemos rotineiramente com as equipes de comunicação de nossos clientes de companhias aéreas para obter feedback e informá-los sobre nossos planos mais recentes”, disse Gordon Johndroe, porta-voz da Boeing, em comunicado divulgado na segunda-feira. “Cada companhia aérea é diferente em suas necessidades, por isso fornecemos uma ampla gama de documentos e assistência que eles podem optar por usar ou adaptar conforme entenderem.”

Durante as teleconferências, a empresa também distribuiu um conjunto de infográficos, cartões de referência, vídeos e perguntas frequentes.

Um dos vídeos foi uma explicação animada do novo software de voo do MAX, o MCAS. Na apresentação, um narrador explica que, nos acidentes, o programa foi ativado repetidamente depois que um sensor na fuselagem do avião não funcionou corretamente, causando a queda. O vídeo continua explicando as mudanças que a Boeing está fazendo no sistema. O conteúdo, porém, vem com uma marca d’água informando se tratar de um “rascunho – cópia avançada, certificação pendente”.

“A vida depende do trabalho que fazemos”, diz Jim Webb, piloto comercial da Boeing, em outro vídeo. “Sabemos que, quando você entra a bordo, deposita sua confiança em nós”, continua, segundo o jornal.

O material da Boeing contém opções de vídeos com pilotos e comissários explicando as modificações no sistema de voo MCAS do 737 MAX (Boeing via The New York Times)

Em alguns pontos o material da Boeing é surpreendentemente autocrítico. O documento sugere as companhias aéreas que digam: “A Boeing entende que ficou aquém e nos decepcionou, assim como o público voador, e se comprometeu coma melhoria contínua e aprender.”

Em outro texto, a Boeing diz que as companhias aéreas podem contar aos seus pilotos o seguinte: “Dissemos aos nossos parceiros da Boeing que eles não se comunicavam o suficiente sobre o MCAS, e eles nos ouviram. No futuro, eles estão comprometidos em fazer um trabalho melhor se comunicando conosco.”

A Boeing não informou totalmente aos pilotos sobre como o MCAS funcionava até depois do primeiro acidente, na costa da Indonésia, em outubro de 2018.

Os materiais também mostram que a Boeing tentaria adiar a narrativa de que o MAX foi desenvolvido sob intensa pressão de prazo, enquanto a empresa enfrentava uma concorrência acirrada de seu rival europeu, o Airbus A320neo.

Um documento contendo o rascunho de perguntas frequentes, destinado a ajudar as companhias aéreas a orientarem seus funcionários, a Boeing incluiu a pergunta: “É verdade que o 737 MAX foi introduzido às pressas no serviço comercial?”

A Boeing aconselha que as companhias aéreas respondam da seguinte maneira: “Durante um período de seis anos, a Boeing trabalhou em um processo disciplinado de desenvolvimento metódico que culminou com um programa de testes robusto que validava a segurança e o desempenho da aeronave.”

A Boeing realizou quatro pesquisas com o público desde maio sobre o 737 MAX (Boeing via The New York Times)

Em uma seção da apresentação focada em mídia social e marketing, a empresa disse que planejava “ampliar qualquer história positiva” sobre o MAX e que pretendia comprar espaços publicitários para promover o retorno o avião. A fabricante também vai atualizar o website dedicado às atualizações da aeronaves, com “usabilidade aprimorada” para incentivar o público a saber mais sobre o avião e retornar a página repetidas vezes.

A apresentação dizia que a “equipe digital e de mídia” da Boeing está “monitorando as conversas sociais (sobre o 737 MAX) o tempo todo”.

A fabricante também indicou aos operadores que estava preparando respostas para o caso de algum MAX ter dificuldade mesmo após voltar ao serviço, o que poderia acontecer, pois mais de 500 jatos já foram construídos e mais de 5.000 unidades estão encomendadas. Os cenários que a Boeing antecipou podem incluir falhas no motor e fumaça na cabine.

A promoção "VAIEVOTA" é válida para todos os voos operados pela Gol (Divulgação)
A Gol é a única empresa no Brasil afetada pelo aterramento do 737 MAX, com sete jatos parados (Divulgação)

Na apresentação, a Boeing prometeu trabalhar com as companhias aéreas durante os primeiros voos no retorno do 737 MAX para aumentar a confiança do consumidor, incluindo a participação de executivos da empresa a bordo.

“Sabemos que temos trabalho a fazer para restaurar a confiança na Boeing e no MAX”, disse Johndroe na segunda-feira. “Estamos trabalhando em estreita colaboração com as companhias aéreas, seus pilotos e comissários de bordo para garantir que eles tenham as informações necessárias para fornecer ao público que viaja para garantir que, assim que o processo de certificação estiver concluído, o MAX será um dos aviões mais seguros que voam atualmente.”

E você, vai voar no 737 MAX quando ele voltar ao serviço?

Veja mais: Os jatos comerciais que (quase) ninguém quer comprar

Total
104
Shares
0 0 votes
Article Rating
16 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Roberto da Silva Rocha
2 anos atrás

é simples é só explicar aos passageiros que todos nós somos mortais e nós vamos morrer um dia e que o céu pode ser o paraíso um lugar maravilhoso simples

Pedro José
Pedro José
2 anos atrás

Não voarei nesse avião. Decidi quando a aeronave foi proibida de voar. Aliás, papel ridículo da Agência americana aprovando o 737 MAX. Deveriam estar todos presos por delito culposo.

Renê Cleiber
Renê Cleiber
2 anos atrás

Eu vou voar sim, pois se estão empenhados na melhoria e segurança da aeronave, e se tratando de um Boeing, vôo sem medo, agora se fosse produzido no Brasil, garanto que Tava tudo voando, apenas iam dizer acidentes aconteceme.

Joao
2 anos atrás

Eu não voaria até que o avião ganhe maturidade com esse novo sistema.

CRISTIANO RESENDE
2 anos atrás

Acho que todas as empresas deveriam ser obrigadas a informar sobre o avião(modelo, no caso), cabendo ao passageiro decidir se vai ou não.
Eu não teria coragem de ir. Não tenho como acreditar na Boeing e nem em quem autorizou o retorno das aeronaves, visto que já deu problema.

João Barbosa
2 anos atrás

Lamentavelmente uma empresa como a Boeing veio a sucumbir na competição do 737MAX com vidas humanas perdidas causando 341 óbitos está aeronave tem erros em todo o projeto não deveriam pensar no A320 NEO Airbus que é perfeito e não houveram quedas e perdas de óbitos da série de vários modelos A350 até o mega Jumbo inacreditável A380 tem que pensar no seu trabalho e desenvolvimento ou seja o 737MAX se for utilizado vão ter mais quedas e perdas humanas com certeza!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Caddu Souza
Caddu Souza
2 anos atrás

Como sempre disse, EU não vou condenar uma aeronave por dois casos isolados. O Boeing 737 MAX é uma das aeronaves mais seguras que existe, e agora com todas as modificações realizadas, testes realizadas e a nova certificação a tornou a aeronave mais segura do mundo, prefiro e voarei no 737 MAX com toda confiança e digo mais. Terei medo de voar em outras aeronaves como os Neo da Airbus, mas, JAMAIS no MAX.

Sergio
Sergio
2 anos atrás

O 737 MAX tem problemas conceituais de projeto. Vai ser difícil às empresas aéreas convencer seus clientes a voar nesse modelo. Os prejuízos para Boeing serão da ordem de dezenas, talvez centenas, de bilhões de dólares em indenizações a seus clientes. Se não injetarem um caminhão de dinheiro do contribuinte estadunidense acredito que vai quebrar.

César
César
2 anos atrás

A Boein, para não enterrar, deveria reformular o 737 para que não precise do auxílio do MCAS, talvez alterando os trem de pouso para que os motores caibam embaixo das asas, como no A320 NEO. Assumir publicamente o erro e mostrar que medidas resolutivas foram tomadas! Ficas atualizando, fuçando em software, e essas dicas piegas não vão justificar, nem restaurar a credibilidade da aeronave. A Boeing sempre fez aeronaves muito boas, cometeu um erro no MAX, deveria assumir o erro e mudar a aeronave estruturalmente.

Assis
Assis
2 anos atrás

A impressão que tenho é que a aeronave foi feita para cair, e colocaram um software para corrigir um avião projetado pra cair.
Não vôo nisso de forma alguma!

Murilo Rodrigues
Murilo Rodrigues
2 anos atrás

A320 Neo perfeito (segundo o “especialista” João Barbosa)? A perfeição não existe. Procurem se informar quando do lançamento do A320 (modelo clássico) e seus problemas com a introdução do fly-by-wire na aviação comercial, ocorrido em meados dos anos 1980, onde sofreu 5 acidentes nos primeiros anos. A sorte da Airbus é que não havia redes sociais e, com isso, foi poupada de críticas em todo o mundo pelas pessoas. A Boeing cometeu um erro e está pagando por isso. O 737 Max já teve mais de 1800 hs de vôos com o sistema MCAS modificado e não apresentou nenhum problema faltando, agora, tão somente a aprovação das agências. Nunca um avião será tão testado como o 737 Max e será tão seguro quanto os demais. O resto é puro terrorismo feito por “especialistas”.

Carlos Menezes
Carlos Menezes
2 anos atrás

Distribuam maconha para o pessoal fumar a bordo

Carlos Menezes
Carlos Menezes
2 anos atrás

Um beck pra cada passageiro e boa viagem

João Alfredo Sá Santucci
João Alfredo Sá Santucci
2 anos atrás

Nenhuma generalização é boa. Ainda mais em aviação. A indústria aeronáutica evoluiu aprendendo com os próprios erros. Tenho certeza que, quando voltar ao serviço, o 737MAX será tão seguro quanto qualquer outro modelo de avião comercial

Sidney
2 anos atrás

Esses comentarios ai devem ser pago pela booing
Esse aviao totalmente fora de projeto tudo errado
Admitem a falhas e desmontem as aeronaves e mrlhor qie matar mais vidas

JOSE MARIA FURTADO
JOSE MARIA FURTADO
2 anos atrás

O problema não é ele voltar a voar somente. É voar e não cair pelo menos nós próximos 3 anos. Se um só cair, não interessa a causa, o culpado será a Boeing e aí, bau, bau, o Max já era! Pessoalmente, nos próximos 3 anos, não entrarei em nenhum Max.

Previous Post

Caça stealth russo Su-57 se acidentou na véspera do Natal

Next Post

Fokker 100 se acidenta após a decolagem no Casaquistão

Related Posts