Boeing encerra produção do cargueiro C-17 Globemaster

Avião de transporte militar pode transportar quase 80 toneladas de carga e pousar em pistas de terra
O último Globemaster foi entregue a força aérea do Qatar (Boeing)
O último Globemaster foi entregue a força aérea do Qatar (Boeing)

O último Globemaster foi entregue a força aérea do Qatar (Boeing)

O último Globemaster foi entregue a força aérea do Qatar (Boeing)

A Boeing entregou nesta semana o último C-17 Globemaster III, aeronave militar de transporte pesado e capaz de operar em condições impensáveis para um modelo deste porte. A produção do avião de carga foi encerrada em definitivo e ainda não há a previsão para a criação de um substituto.

O último cargueiro militar foi adquirido pela Força Aérea do Qatar, que já contava com outras três unidades da aeronave. As primeiras células do C-17 foram produzidas em 1991 e quatro anos depois o modelo entrou em operação nos Estados Unidos, que possui atualmente uma impressionante frota com 223 Globemaster.

O fim da linha precoce do cargueiro, uma das aeronaves mais avançadas da atualidade, não foi explicado pela Boeing, mas certamente é decorrente da decisão dos EUA em não ampliar sua frota e o surgimento de poucos pedidos do exterior. O Globemaster é um dos aviões mais caros do mundo: cada unidade é avaliada em cerca de US$ 328 milhões.

Além de EUA e Qatar, o cargueiro da Boeing também serve às forças aéreas da Austrália, Canadá, Kuwait, Índia, Emirados Árabes Unidos e Reino Unido. O país que desejar uma dessas aeronaves agora terá de se contentar com aparelhos usados, isso se algumas das nações que o utilizam decidirem por se desfazer de seus aparelhos.

“Este é realmente o fim de uma era. É um dia triste, mas que é motivo de orgulho para todos os funcionários e fornecedores da Boeing que trabalharam ao longo dos anos construindo esta grande aeronave “, disse Nan Bouchard, vice-presidente do programa C-17 da Boeing.

O Qatar agora possui quatro C-17; o maior operador é os EUA, com 223 aparelhos (Boeing)
O Qatar agora possui quatro C-17; o maior operador é os EUA, com 223 aparelhos (Boeing)

“Nosso trabalho em equipe e dedicação e profissionalismo criou uma das maiores aeronaves de transporte aéreo do mundo, um avião que está na vanguarda para a prestação de ajuda humanitária e mudou a forma como a Força Aérea dos Estados Unidos e nossos parceiros internacionais mobilizam operações e suporte aeromédico “, completou Bouchard.

Avião impossível

O desenvolvimento do C-17 Globemaster foi um dos mais complexos da história da aviação, daí o motivo de seu preço assombroso. A aeronave surgiu devido a mudança no padrão de operações militares dos EUA no início dos anos 1980, quando uma série de bases em outros países foram desativadas, reduzindo a capacidade norte-americana de mobilização imediata.

O cargueiro militar da Boeing foi desenvolvido para literalmente transportar bases inteiras para zonas de conflito, não importa a distância ou o local. O Globemaster pode viajar por mais de 10.000 km com reabastecimento aéreo e tem capacidade para transportar 75 toneladas de carga. A maior virtude do C-17, porém, é sua capacidade de operar em pistas semipreparadas ou até de terra, o que proporciona um dos maiores espetáculos da aviação.

O Globemaster foi desenvolvido para poder operar em pistas semipreparadas (USAF)
O Globemaster foi desenvolvido para poder operar em pistas semipreparadas (USAF)

Um Globemaster com carga completa (75 toneladas de carga mais 100 toneladas de combustível) pode decolar pesando até 263 toneladas, mais do que um Boeing 777, e alcança até 850 km/h.

O Globemaster pode carregar um tanque de guerra pesado, três helicópteros AH-64 Apache ou quase 80 toneladas em equipamentos. O avião também pode ser configurado para transportar 150 passageiros ou 102 paraquedistas armados, que são lançados pela porta traseira da aeronave.

Com a entrega do último modelo ao Qatar, a Boeing produziu um total de 259 unidades do C-17 Globemaster.

Veja mais: Conheça os aviões mais caros da atualidade

Total
0
Shares
8 comments
  1. Não é muito preciso falar em aposentadoria nesse caso, já que as centenas de unidades produzidas operarão por algumas décadas, e é por isso qje não há nenhum substituto em vista….

  2. Eu posso estar enganado, mas esse avião C-17 Globemaster foi originalmente desenvolvido pela McDonnell Douglas, que foi adquirida pela Boeing anos mais tarde, do jeito que está escrito a matéria, parece que os louros ficaram todos para a Boeing, que lógico, ao longo dos anos foi melhorando o avião, mas a turma da MD tem o mérito de te lo desenvolvido.

  3. Avião fantástico! Vi voando num show aéreo em Houston em 2005. Fez uma passagem em baixa altitude (rasante) em frente ao público em baixíssima velocidade! Não sei como não caiu (ok que estava vazio). E super silencioso. Aí pousou numa distância super curta e imediatamente reverteu e se aproximou do público de “ré” abrindo a rampa traseira.. Alguém comentou se se a parada de produção do C-17 seria oportuno para o KC-390. Acho muito improvável: o C-17 é muito maior (talvez mais que o dobro de capacidade).

  4. Pessoal, KC390 infelizmente nã poderá ser o substituto do C17 pois o KC consegue transportar apenas a ordem de 25ton, enquanto o C17, 75ton.

Comments are closed.

Previous Post
O primeiro ARJ21 em operação tem capacidade para 90 passageiros (Chengdu Airlines)

Primeiro jato comercial chinês entra em operação

Next Post
A Aerolineas Argentinas é responsável por 80% das viagens domésticas na Argentina (Divulgação)

Brasileira assume comando da Aerolineas Argentinas

Related Posts