Bombardeiro “invisível” B-21 Raider dá prejuízo de R$ 7,7 bilhões a sua fabricante

Aeronave militar mais avançada da Força Aérea dos EUA começou testes de voo há pouco tempo, mas já dá dor de cabeça para a Northrop Grumman
B-21 Raider (NG)

O bombardeiro furtivo (invisível aos radares) B-21 Raider, aeronave militar mais avançada conhecida, causou um prejuízo de US$ 1,56 bilhão (cerca de R$ 7,7 bilhões) para a Northrop Grumman, sua fabricante – as informações foram divulgadas nesta quinta-feira, 25.

A aeronave de 6ª geração da Força Aérea dos EUA (USAF) iniciou os voos de testes há poucas semanas e teve o primeiro contrato de produção de baixa escala aprovado pelo Pentágono recentemente.

Substituto do B-1B Lancer e do B-2 Spirit, o Raider tem com uma de suas premissas ser um bombardeiro mais acessível, mas o início do programa surpreendeu a Northrop Grumman em virtude de custos não previstos, inflação e problemas na cadeia de suprimentos.

A empresa assinou um contrato de engenharia, fabricação e design (EMD) do B-21 em 2015, além de cinco opções de produção inicial de baixa taxa (LRIP em inglês), cuja quantidade de aviões não é divulgada.

Na época o custo de cada bombardeiro era estimado em US$ 550 milhões (R$ 2,7 bilhões), valor que corrigido pela inflação chegaria a US$ 778 milhões (R$ 3,8 bilhões).

O B-21 Raider visto de lado (USAF)

O problema é que o LRIP é baseado em custos fixos e os dificuldades na cadeia de produção podem ter tornado o projeto deficitário ao longo dos anos.

Como já havia afirmado o Departamento de Defesa dos EUA, a Northrop Grumman foi agraciada com o contrato para o primeiro lote de B-21, que deve incluir de quatro a cinco aeronaves.

Siga o AIRWAY nas redes: WhatsApp | Facebook | LinkedIn | Youtube | Instagram | Twitter

“Durante o quarto trimestre de 2023, revisamos novamente nossa rentabilidade estimada na fase LRIP do programa, e agora acreditamos que é provável que cada um dos primeiros cinco lotes LRIP seja realizado com prejuízo”, explicou a companhia em seu comunicado de resultados.

A despeito disso, a CEO da empresa, Kathy Warden, afirmou que o B-21 deverá se tornar lucrativo a longo prazo.

Total
0
Shares
Previous Post

Gol entra com pedido de recuperação judicial nos EUA

Next Post

Airbus montará helicópteros H125 com a Tata na Índia

Related Posts
Total
0
Share