Brasil não seria páreo para enfrentar um único porta-aviões dos EUA

Em mais uma declaração infeliz, presidente Jair Bolsonaro sugeriu usar “pólvora” como instrumento diplomático contra os EUA
Porta-aviões da classe Nimitz
(US Navy)
Porta-aviões da classe Nimitz
Um porta-aviões da classe Nimitz pode transportar até 90 aeronaves, incluindo mais de 30 caças (US Navy)

“Assistimos há pouco aí um grande candidato a chefia de Estado dizer que, se eu não apagar o fogo da Amazônia, ele levanta barreiras comerciais contra o Brasil. E como é que podemos fazer frente a tudo isso? Apenas a diplomacia não dá. Quando acaba a saliva, tem que ter pólvora, senão, não funciona. Não precisa nem usar pólvora, mas tem que saber que tem. Esse é o mundo. Ninguém tem o que nós temos”, declarou o presidente Jair Bolsonaro em evento no Planalto nessa terça-feira (11).

O comentário infeliz em tom belicoso de Bolsonaro foi direcionado a Joe Biden, novo presidente eleito nos EUA e que durante sua campanha prometeu “reunir o mundo” para forçar o governo brasileiro a interferir nos incêndios que assolam a floresta amazônica e Pantanal neste ano caótico.

Claramente incomodado com a derrota do “amigo” Donald Trump, Bolsonaro disparou o que pode ser considerado até o momento a maior de suas bravatas. Essa foi a primeira vez que um presidente brasileiro fez uma declaração com esse teor contra os EUA ou qualquer outro país desde a Segunda Guerra Mundial. É algo gravíssimo e sem precedentes na história contemporânea.

Bolsonaro, que administra o país aos trancos e barrancos, usa os militares brasileiros como instrumento político pessoal. É exatamente o mesmo modus operandi do ditador Nicolás Maduro da Venezuela ou de Kim Jong-un, “líder supremo” da Coreia do Norte. Só não enxerga quem não quer.

Como se não bastasse a declaração desproporcional, Bolsonaro transformou as forças armadas brasileiras em motivo de chacota nas redes sociais, que foram inundadas por “memes” humilhantes, sobretudo contra o nosso honroso Exército Brasileiro, que no passado lutou ao lado dos Aliados contra a Alemanha nazista para preservar a paz e a democracia.

Bolsonaro tem razão ao dizer que a “pólvora” tem o poder de persuasão diplomática. No entanto, ele se esqueceu de olhar para o próprio umbigo. As forças armadas brasileiras não são pensadas ou equipadas para projetar poder bélico. Por aqui, a marinha, exército e força aérea servem basicamente como instrumentos de defesa da soberania nacional e fiscalização de fronteiras, além de prestar um importante apoio em variadas ações sociais e missões de paz ao redor do mundo.

Na outra ponta, as forças armadas dos EUA são configuradas para projetar poder muito além de seu território e áreas de influência. Não por acaso, a marinha dos EUA tem a disposição nada menos que 11 porta-aviões de propulsão nuclear, cada um deles com uma frota de aeronaves de ataque capazes de colocar grandes exércitos de joelhos e devastar a infraestrutura de um país inteiro. Nem a frota completa de 36 caças Gripen da FAB seria capaz de impedir um ataque desse porte.

SAAB F-39E Gripen - Força Aérea Brasileira
O Gripen E é um caça avançado, mas não o suficiente para atacar um porta-aviões dos EUA (FAB)

O “barril de pólvora” dos americano ainda é complementado por bombardeiros furtivos de longo alcance, mais de 2 mil caças, submarinos e navios com mísseis de cruzeiro e, claro, um imenso arsenal de armas nucleares.

Na eventualidade de uma guerra, os EUA poderiam liquidar com os meios de defesa do Brasil em questão de dias. Não temos mísseis de cruzeiro, faltam aviões de ataque modernos e embarcações capazes de repelir o avanço de um porta-aviões da marinha norte-americana e sua escolta.

Obviamente, isso não passa de uma sandice, tal como foi a nova declaração de Jair Bolsonaro, um presidente que se alimenta de devaneios.

Veja mais: Conheça os concorrentes do Embraer C-390 Millennium

 

Total
129
Shares
0 0 votes
Article Rating
13 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Max vieira
1 ano atrás

Como sempre a imprensa, e inclusive esse canal, potencializando as pérolas do JB. Todos nós já devíamos estar acostumados a asneiras proferidas por nossos presidentes. Mas o então candidato que falou sobre uma possível interfencia na nossa Amazônia, também não falou asneira.? Afinal trata se de soberania nacional.

Marcos DF
Marcos DF
1 ano atrás

Esse presidente é maluco e a sorte que o mundo já está acostumando com as bravatas dele mas é bom tomar cuidado !
Hospício imediato para ele !!

Felipi Fernandes
Felipi Fernandes
1 ano atrás

Falta embasamento geopolítico nessa matéria. Tá parecendo matéria da Veja. O site foi hackeado??

Jefferson
1 ano atrás

Sempre admirei esse site pela isenção politica e por nao abracar o clima de ódio que tem imperado em muitos canais da imprensa, uma pena ver que parece que a coisa esta mudando por aqui também.

Caris
1 ano atrás

Por que entrar neste geor político???

Pablo
Pablo
1 ano atrás

O presidente, com a posição que ocupa, não deveria sequer fazer um comentário dessa forma. É incrível como ainda há quem o defenda! Qualquer um, QUALQUER, seria melhor que ele.

Thiago
Thiago
1 ano atrás

Ótimo! Engraçado o desespero das pessoas quando um veículo faz uma crítica, expressa um ponto de vista e etc.
Essa obrigatoriedade de só passar a informação que o leitor quer, é bizarra e extremamente retrógrada.
Parabéns ao site por expor os dois lados da moeda, pois, em diversas ocasiões, quando havia algo de bom para ser citado, foi externado com detalhes.

Waldemir
Waldemir
1 ano atrás

Como leitor assíduo deste canal, recomendo fortemente que o redator se mantenha apenas no terreno das considerações técnicas. Se partir para os comentários políticos, vai perder seguidores e será colocado na vala comum da imprensa tendenciosa.

O abacate
O abacate
1 ano atrás

Foi um comentário estúpido como semprr, mas acho que ele quis dizer que quando o diálogo acabar entre os candidatos, vai ter pólvora entre eles.

Mene
Mene
1 ano atrás

Parabenizo o autor da matéria, muito bem escrita… Concordo com os questionamentos e observações críticas levantadas! Somos uma nação soberana, não insana…
Porém, caro autor acredito que infelizmente, não terá o seu bom trabalho apreciado ou compreendido, pelos colegas vítimas de uma cegueira de estúpidez que se manifestaram aqui. Estes pobres homens; apoiadores do pior, mais anêmico e vergonhoso dos governos já sobrevividos pelo nosso caro Brasil; são incapazes de compreender o tamanho da vala em que este Débil Dirigente nós arremessa; gargalhando feito louco, como piloto do desgovernado “trem da alegria do inferno”.
Estes que aqui o criticam caro Autor; são mais loucos ainda. Jamais compreenderão o impacto das declarações e ações desastrosas deste Imundo chamado JB, que por azar da minoria sã deste país, nos representa como nação de Débeis ao mundo.

cleber gomes
cleber gomes
1 ano atrás

Parabéns pela matéria e pelos comentários, a verdade tem que vir a publico não devemos ficar idolatrando o burro que nos lidera

Murilo Machado
Murilo Machado
1 ano atrás

Primeira vez que leio algo partidário aqui! Por favor, pare.

Gilson Cassiano Fávero
Gilson Cassiano Fávero
1 ano atrás

Bolsonaro não é burro! A esquerda leva tudo ao pé da letra! Ele disse no sentido geopolítico econômico! Nós (Brasil) sozinhos produzimos mais de 40% dos alimentos que sustém o mundo todo, este foi o sentido da conversa!

Previous Post
COMAC ARJ21 - China Express Airlines

COMAC entrega primeiro ARJ21 à China Express

Next Post

“É seguro voar” durante pandemia, aponta estudo internacional

Related Posts
Total
129
Share