Brasil pode vender seus helicópteros de ataque Mi-35 para facção militar líbia

Segundo site francês, Força Aérea Brasileira estaria negociando venda dos helicópteros russos de combate para o Exército Nacional Líbio, um grupo militar anti-islamista
O helicóptero de ataque AH-2 também pode ser empregado na interceptação de aeronaves de baixa performance (FAB)
O helicóptero de ataque AH-2 também pode ser empregado na interceptação de aeronaves de baixa performance (FAB)
O helicóptero de ataque AH-2 também pode ser empregado na interceptação de aeronaves de baixa performance (FAB)
O helicóptero de ataque AH-2 (Mi-35) podem parar na Líbia (FAB)

Uma operação triangular que envolve o Brasil, os Emirados Árabes Unidos e o Exército Nacional Líbio pode resultar no envio de helicópteros russos Mi-35 para a Líbia, afirma o site Intelligence Online. Comprados da Rússia como parte de um acordo para equilibrar a balança comercial entre os dois países, 12 helicópteros Mi-35 foram incorporados pela Força Aérea Brasileira na década passada e operam na Amazônia, porém, as aeronaves têm sofrido com baixa disponibilidade e problemas com reposição de peças.

Por essa razão, o governo brasileiro estaria negociando a venda do primeiro lote de seis helicópteros e que já eram usados pela Rússia. A operação envolveria também a Rosoboronexport, empresa russa especializada na exportação de equipamento militar, e financiada pelos Emirados Árabes Unidos.

O Exército Nacional Líbio é uma organização militar formada em 2014 pelo Marechal Khalifa Haftar com o objetivo de derrubar liderança islamistas no país. Desde o ano passado, a facção tenta tomar o controle da capital Trípoli após expulsar os grupos islâmicos de Bengazi, a segunda maior cidade da Líbia.

Pela complexidade e delicadeza da operação, é de se duvidar se esse negócio acabará sendo concluído, mas chama a atenção o fato de o governo brasileiro acabar de celebrar um acordo de parceria estratégia com os Emirados Árabes Unidos na semana passada. No texto, é citado justamente o fato de que ambos os países “compartilham o objetivo comum de promover a paz e segurança internacionais, a estabilidade e a prosperidade para todos”.

Exceção no inventário da FAB

Os Mi-35, batizados como AH-2 Sabre, são os únicos helicópteros de ataque em operação no Brasil. Foram despendidos US$ 326 milhões em 2008 para a aquisição das 12 unidades, mas só recebeu os primeiros três helicópteros em 2010 e os últimos, em 2015.

Eles equipam o esquadrão Poti, sediado em Rondônia e tem entre suas missões vigiar as fronteiras e combater o narcotráfico. A versão comprada pela FAB possui quatro pontos de fixação de armas e podem carregar mísseis guiados anti-tanque e casulos com foguetes de 80 mm. Além dessas armas, ele também pode carregar um canhão de 23 mm ou uma metralhadora de 7,62 mm.

Em post no Twitter, o Brigadeiro Batista Júnior, membro do alto comando da Aeronáutica, negou a afirmação do site: “Como Membro do Alto-Comando da FAB e seu Comandante Logístico, informo que não há qualquer negociação neste sentido”.

Os AH-2 Sabre são operados pelo Esquadrão Poti da FAB, baseado em Rondônia (FAB)
Os AH-2 Sabre são operados pelo Esquadrão Poti da FAB, baseado em Rondônia (FAB)

Veja também: Saab apresenta primeiro caça Gripen da FAB

Total
102
Shares
4 comments
  1. Pelo que sei, as disponibilidade dos Sabre são próximas de 90%, e vem operando sem incidentes. Pode até que sejam vendidos, mas talvez não seja o motivo real.

Comments are closed.

Previous Post

Pentágono confirma Air Force One com nova pintura

Next Post

Mesmo com proposta “low cost”, Norwegian Air atrai menos clientes que British Airways no Brasil

Related Posts