British Airways confirma aposentadoria do Boeing 747

Em comunicado interno, companhia informou ao seu staff que está propondo a aposentadoria imediata dos 28 aeronaves 747-400
Os Jumbo da empresa britânica voam todos os dias para o Brasil (British Airways)
Boeing 747 da British Airways: novos A380 podem tomar lugar do jato americano (British Airways)
Os Jumbo da empresa britânica voam todos os dias para o Brasil (British Airways)
Boeing 747 da British Airways: fim de carreira (British Airways)

Embora esperada diante das circunstâncias causadas pelo surto de COVID-19, a aposentadoria do Boeing 747 na British Airways sempre foi um assunto evitado pela empresa. Mas nesta quinta-feira, 16, a companhia aérea britânica enviou um comunicado interno em que confirma que não deverá voar mais com a “Queen of the Skies” (Rainha dos Céus).

“A maior parte de nossa frota é de aeronaves grandes, de fuselagem larga e longo curso, com muitos assentos premium, destinados a transportar grande número de clientes. Mais conhecido avião de nossa frota, o 747-400 tem um lugar muito especial no coração dos entusiastas da aviação e de muitos de nós.”, diz a nota enviada a seu staff.

“A aposentadoria antecipada será acelerada nos próximos meses e não esperamos realizar mais voos comerciais com ele”, completa a nota que explica que a decisão ainda será submetida aos controladores da companhia aérea.

A British Airways recebeu seu primeiro 747 em 1971 e nunca deixou de voar com o Jumbo desde então, mesmo quando recebeu seus primeiros A380. A atual frota de 28 jatos 747-400 começou a ser entregue em 1989 e teve a última unidade recebida em abril de 1999.

Apesar de ter sido retirado de serviço por muitas companhias aéreas, o 747 era considerado pela BA um ativo importante e por isso sua aposentadoria estava programada apenas para 2024. Para substitui a aeronave, o grupo IAG encomendou o Boeing 777-9, variante avançada do bimotor e que está em fase de certificação.

Fim de produção próximo

Ícone da aviação comercial, o 747 completou 50 anos do seu primeiro voo em 2019. A Boeing garante que ainda produzirá o quadrimotor até 2022 quando deverá concluir as entregas atuais, de versões de carga. Depois disso, a airframer do EUA tem se negado a comentar, mas há consenso que o fim está próximo.

Com as perspectivas pessimistas quanto ao retorno dos níveis pré-pandemia no tráfego aéreo mundial, a tendência é que os grandes widebodies seja retirados de serviço rapidamente. Para o Jumbo, entretanto, ainda restará o papel de avião de carga.

Projeção do Boeing 777-9 da British Airways: companhia britânica escolheu o bimotor para o lugar do 747 (Boeing)

Veja também: Boeing decide encerrar produção do 747, segundo agência

Total
41
Shares
Previous Post

Empresa aérea do Nepal aterra seus aviões de fabricação chinesa

Next Post

Força Aérea dos EUA inicia aposentadoria dos aviões-tanque KC-10 Extender

Related Posts