Caça “invisível” japonês vai voar em fevereiro

Mitsubishi ATD-X ‘Shinshin’ será equipado com tecnologia especial que pode enganar radares
"Samurai invisível", Mitusbishi ATD-X deve entrar em operação somente em 2028 (Ministério de Defesa do Japão)
“Samurai invisível”, Mitusbishi ATD-X deve entrar em operação somente em 2028 (Ministério de Defesa do Japão)
"Samurai invisível", Mitusbishi ATD-X deve entrar em operação somente em 2028 (Ministério de Defesa do Japão)
“Samurai invisível”, ATD-X deve entrar em operação somente em 2028 (Ministério de Defesa do Japão)

O Japão está prestes a entrar no seleto grupo de países que dominam a tecnologia “Stealth” (Furtivo, em inglês), que pode enganar radares e tornar os aviões “invisíveis”. O Ministério de da Defesa do país informou que o primeiro voo do Mitsubishi ATD-X ‘Shinshin’ está programado para o próximo mês de fevereiro.

O primeiro protótipo do Shinshin (“Espiríto do Coração”, em japonês) também vai realizar testes de taxiamento no aeroporto de Nagoya até o final deste mês. A aeronave, porém, ainda está muito longe de entrar em operação.

Como informou as autoridades japonesas, o ATD-X (Advanced Technology Demonstrator-X) será submetido a um extenso programa de testes e coleta de dados. A versão final do caça deve entrar em operação somente em 2028. Isso se o desenvolvimento da aeronave for de fato aprovado, decisão que será anunciada pelo governo japonês até 2019.

O projeto deve originar o caça que  pode substituir o F-2, a versão japonesa do F-16 ‘Falcon’, desenvolvido originalmente pela Lockheed Martin nos Estados Unidos.

A ‘Força de Auto Defesa Aérea do Japão’ vai iniciar até o final deste ano as operações com o caça F-35, desenvolvido nos EUA. A aeronave possui tecnologia stealth e será a primeira desse tipo operada no Japão.

A maior parte dos aviões stealth em serviço são operados pelos EUA – o F-35 também está em operação na Itália. Além do Japão, outras nações que estudam a tecnologia que torna os aviões imunes aos radares de busca são Rússia e China.

O design especial da fuselagem e uma pintura especial ajudam a enganar os radares (Ministério de Defesa do Japão)
O Shinshin é o primeiro projeto japonês da área dos aviões stealth (Ministério de Defesa do Japão)

Aviação japonesa decola

A indústria aeronáutica do Japão está “bombando”. Após um longo período sem grandes projetos, o setor retomou o passo no país e iniciou o desenvolvimento de novas aeronaves. Além do caça stealth ATD-X, a Mitsubishi Aircraft Corporation também está trabalhando no desenvolvimento do jato de passageiros MRJ (Mitsubishi Regional Jet).

O MRJ 90 vai concorrer com o Embraer E-Jet (Mitsubishi)
O MRJ 90 vai concorrer com o Embraer E-Jet (Mitsubishi)

A aeronave comercial da Mitsubishi terá duas versões, o MRJ 70, com capacidade entre 70 e 80 passageiros, e o MRJ 90, para até 96 ocupantes. O modelo de maior porte, que já voou, deve entrar em serviço até 2018, e a versão menor possivelmente no ano seguinte.

Outro importante projeto e que já está no mercado causando furor é o HondaJet. O jatinho executivo da categoria “light” (como o Embraer Phenom 100E) tem capacidade para até seis passageiros e curiosidades no design, como as turbinas suspensas sobre as asas. O primeiro avião da Honda já tem uma longa lista de pedidos no mundo inteiro e até no Brasil, onde custa US$ 4,5 milhões.

O cargueiro Kawasaki C-2 pode transportar até 34 toneladas (Unini)
O cargueiro Kawasaki C-2 pode transportar até 34 toneladas (Unini)

Os engenheiros da divisão de aviação da Kawasaki também andam bastante ocupados. A empresa entregou recentemente os primeiros aviões de patrulha P-1 e está desenvolvendo o cargueiro militar C-2, projetado para transportar cargas de até 34 toneladas.

Fonte: Cavok

Veja mais: Aviões “made in China”

Total
14
Shares
0 0 votes
Article Rating
25 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Jr
Jr
6 anos atrás

Jiro Horikoshi deve estar feliz agora…

Onildo
Onildo
6 anos atrás

Logo o Japão poderá fabricar seus aviões, submarinos, navios, tanques e mísseis, competindo com a China

Glenson
Glenson
6 anos atrás

Não sei onde vão enfiar tantos aviões de guerra assim.

Cláudio Ramos
Cláudio Ramos
6 anos atrás

Parece “^C” “^V” do F-18 Super Hornet

Googlar é facil. Dificil é entender....
Googlar é facil. Dificil é entender....
6 anos atrás

Onildo, se atualiza. Já fazem isso a mais de 40 anos.

sergio rodrigues
6 anos atrás

No japão o caça éinvesivel, aqui no brasil A SAUDE, SEGURANÇA, EDUCAÇÃO, também são invisiveis

Nosor
Nosor
6 anos atrás

Logo o Brasil ira produzir tambem
vao gastar rios de dinheiro e ninguem
vai ver nada afinal, eles os avioes, serão invisiveis

Ary Andolfato Filho
Ary Andolfato Filho
6 anos atrás

Saude,Seg, Educa……… Ta explicado porque lula e DIlma entre outroa nao veem problemas e ou escutam ,,,,,,os mesmo…….

Xuxa
Xuxa
6 anos atrás

Vixi, se o japão decidiu entrar na briga na aviação, adeus embraer! 🙁 os brasileiros são sempre inferiores aos japoneses, alemães e norte americanos em qualquer área que eles quiserem entrar…

Tobias
Tobias
6 anos atrás

O problema para países que querem se aventurar na tecnologia de guerra não basta apenas ter a tecnologia avançada. É preciso ter influencia internacional muito forte como os EUA, Rússia para conseguir se manter. Além disso tecnologia de guerra é bem diferente de iPods, tv, rádio, filmadora, carro, moto etc Ou seja, é infinitamente mais complicado. Outras palavras exige demais da tecnologia, o limite do conhecimento.

JAIR
JAIR
6 anos atrás

ENQUANTO ISSO NO BRASIL OS POLÍTICOS SÓ PENSAM EM ROUBAR, POIS SABEM QUE SE FOREM PEGOS A dilma DARA INDULTO NO FINAL DO ANO

Duda Weyll
6 anos atrás

O Japão é um dos países mais avançados em pesquisa e produção de materiais compostos (ACMs), o principal “ingrediente” pra tecnologia stealth, sem falar das malhas e cabos ultrarresistentes de carbono (nanotubos).

Micael
Micael
6 anos atrás

so eu lembrei do filme vida ao vento do estudio Ghibli, o Sr jiro horikoshi

Bruce Wayne
Bruce Wayne
6 anos atrás

Para tudo de relevante que o Japão deseja produzir na área militar, antes precisa da benção dos EUA. O Japão não desenvolveu aviões militares antes porque os EUA eram contra. E mesmo esse caça, se os americanos disserem não, o programa termina. Como ganhadores da guerra, os americanos ainda mandam muito no Japão.

johan c silveira
johan c silveira
6 anos atrás

julgava eu que só os chineses copiavam, mas estava enganado, o japão também copia. são cópias de nossos aviões: EMB 190 e KC-390.

ADRIANO
ADRIANO
6 anos atrás

O USA SEGUROU O AVANÇO MILITAR DO JAPÃO POR TANTOS ANOS QUE DEIXOU O JAPÃO EXTREMAMENTE INFERIORIZADO A PAÍSES MUITO INFERIORES TÉCNICA, FINANCEIRA E POLITICAMENTE MAIS FRACO, AGORA VENDO A CRESCENTE AMEAÇA COREANA E CHINA SE AFIRMANDO COMO GRANDE POTENCIA ACREDITO QUE NÃO SÓ TERÁ A “AUTORIZAÇÃO” COMO APOIARÁ MUITOS PROJETOS QUE JULGUEM ESTAR INFERIORIZADOS AOS JÁ EXISTENTES COMO STEALTH.

Didier
Didier
6 anos atrás

No mercado regional não vejo o jato japônes fazendo frente com o da Embraer.
Já tem um mercado consolidado e um nome estabelecido, álias quem irá querer voar no primeiro avião de um novo fabricante, esses números para mim são só bravatas do pessoal da Honda para ver se conseguem vender mais aviões…
Parece construtora com aquele anúncio eterno de “Últimas unidades”… Pega até mal!

Julio Cordeiro
Julio Cordeiro
6 anos atrás

Concordo que o caça é bem parecido com o F/A-18 Super Hornet…já o C-2 parece com o KC-390, assim como com o Antonov AN-178.

Pablo A Mendes
Pablo A Mendes
6 anos atrás

Estava lendo sobre os países mais tecnológicos do mundo, e o Japão está já há alguns anos na primeira posição a lista, a frente dos E.U.A, da Suécia e da Alemanha.

Hélio
Hélio
6 anos atrás

O Brasil já tem a tecnologia de invisibilidade dos aviões supersônicos há muito tempo. Pode apostar que tem um na sua frente e você não está vendo. São tão bons que ninguém consegue ver.

Erik
Erik
6 anos atrás

No Brasil o Lula inventou o Triplex no Guarujá Invisível.

ARNALDO COSTA JR
ARNALDO COSTA JR
6 anos atrás

2028? Até lá ja estaremos voando pelo espaço em naves interplanetárias.

Marcelo
Marcelo
6 anos atrás

JOHAN C SILVEIRA, na realidade, o KC390 que é uma cópia do Kawasaki C-1, que voa desde 1970.

Alex
Alex
5 anos atrás

Claro que o Japão copia! Foi assim que sua indústria nasceu, cresceu e apareceu. Você acha que os chineses estão copiando porque? E para quem falou que a industria aeronáutica brasileira é inferior a européia e a norte americana, falou de forma errada! Somos competitivos e digo mais, só não fomos mais longe por falta de compromisso sério dos desgovernos deste país. Já éramos para sermos maiores. Só espero que a falta de investimento e visão não afundem a Embraer, como fizeram com a Gradiente e a Cobra computadores. Eram para serem gigantes massss, minguaram por intromissões políticas. O mesmo digo da quanto a indústria naval brasileira.

Clipmaster
Clipmaster
5 anos atrás

A Embraer pagou propina para vender em alguns lugares. Enfiou o pé na jaca. Resultado: teve que pagar multas milionárias e demissão em massa. Decepcionante!

Previous Post
A Embraer já acumula mais de 600 pedidos por jatos da nova geração (Embraer)

Embraer tem melhor resultado em cinco anos

Next Post
As candidatas a astronauta têm no currículo experiência com jatos de combate e exploração no Polo Sul (Reprodução/Glamour)

Quatro mulheres são candidatas para ir à Marte

Related Posts
Total
14
Share