Como funcionam os aviões “invisíveis”

Tecnologia Stealth permite que aviões voem sem serem detectados por radares
Pioneiro: o F-117 foi desenvolvido em segredo na década de 1970 na Área 51 (USAF)
Pioneiro: o F-117 foi desenvolvido em segredo na década de 1970 na Área 51 (USAF)
O F-117 Nighthawk foi o primeiro avião Stealth a entrar em combate
O F-117 Nighthawk foi o primeiro avião Stealth a entrar em combate

A camuflagem é uma das técnicas mais eficientes quando se quer surpreender o inimigo. Atacando sem ser detectado, as chances de sucesso aumentam consideravelmente, pois não há tempo das forças adversárias reagirem e deterem a investida. Soldados utilizam uniformes que se confundem em meio a floresta ou com o deserto. O mesmo é feito em veículos de combate, cujas pinturas especiais os “escondem” no meio da paisagem. Já os aviões têm uma forma ainda mais especial de camuflagem, que pode deixá-los “invisíveis” aos radares em solo.

Não é qualquer aeronave que consegue enganar um radar. Ela deve ser construída para tal propósito. Essa tecnologia recebeu o nome “Stealth” (Furtivo, em inglês), e a partir dela surgiram alguns dos aviões mais esquisitos que já voaram, como os insólitos bombardeiros Lockheed F-117 Nighthawk e o Nortrop Grumman B-2 Spirit, que podem lançar bombas com precisão sem serem detectados.

Os radares de defesa antiaérea emitem um feixe de sinais eletromagnéticos. Qualquer corpo que cruzar essa onda faz com que seja refletido, na proporção de sua dimensão. Quanto maior for o objeto, maior será a quantidade de sinais refletidos de volta a fonte emissora e a possibilidade de ser descoberto a grandes distâncias.

Todo avião possui uma assinatura “RCS” (Radar Cross Section, “seção equivalente de radar”), que determina a intensidade de como será detectado pelo radar. Para enganar esses sistemas, uma aeronave deve ter um RCS baixíssimo. O “truque” funciona ao repelir as ondas, que não retornam a sua antena de origem, e as absorvendo, o que requer um material especial (uma espécie de tinta) de especificações secretas.

O eco radar de um F-177 Nighthawk é semelhante ao de um pássaro
O eco radar de um F-177 Nighthawk é semelhante ao de um pássaro

Descoberta por acaso

Quando o radar foi empregado pelo primeira vez, ainda na Segunda Guerra Mundial, já se buscava maneiras de enganá-lo. A primeira forma foi com o lançamento de “chaffs” (tiras de alumínio ou de fibra de vidro) lançadas de um avião, criando uma nuvem nas telas dos radares inimigos e impossibilitando sua detecção.

Ainda durante o conflito os alemães desenvolveram o jato GO 229, um avião revolucionário que mais parecia uma asa – ele não tinha deriva com leme nem elevadores na traseira. Nos primeiros testes, notou-se que essa aeronave não aparecia nas telas dos rudimentares radares da época (o GO 229 nunca entrou em combate). Foi o primeiro passo da era Stealth.

Desenvolvido na Alemanha nazista, o GO 229 se mostrou Stealth por acaso
Desenvolvido na Alemanha nazista, o GO 229 se mostrou Stealth por acaso

Após a derrota da Alemanha, os Estados Unidos tomou para si o projeto do GO 229 e a partir dele desenvolveu suas próprias “asas voadoras”. O mais famoso foi o protótipo Nortrop YB-49 de 1947, que também conseguia repelir as ondas de radar e que anos mais tarde seria essencial no desenvolvimento do moderno B-2, que também se parece com uma asa plana. No entanto, o conceito de como esconder um avião dos radares ainda engatinhava e os resultados obtidos até então eram obra do acaso.

Outro avião norte-americano que por ventura também tinha RCS baixo foi o velocíssimo Lockheed SR-71 Blackbird, avião de espionagem que podia voar a mais de 3.500 km/h. Com esse projeto, os engenheiros se deram conta de que o segredo para tornar um avião invisível ao radar começava pelo seu formato. O desenho ideal deveria conter curvas sutis com muitas superfícies pequenas e lisas, processo que ficou conhecido como “facetamento”.

O formato diferenciado do SR-71 enganava as ondas de radar
O formato diferenciado do SR-71 enganava as ondas de radar

A fuselagem facetada atua como um diamante, refletindo os sinais para todas as direções, exceto de volta para radar de origem. Ainda que uma pequena parte das ondas refletidas na aeronave retorne a fonte emissora, esta não conseguirá identificá-lo como sendo um avião. Os operados em solo vêem os sinais como uma “centelha” intermitente, que não lhes permite localizar o objeto e tampouco fixar a mira de um míssil guiado por radar.

Além do formato facetado, aviões Stealth (ao menos os desenvolvido nos EUA) são cobertos por um material absorvente de ondas de radar. A tecnologia, trancada a sete chaves, bloqueia os sinais e converte o excesso em calor em vez de refleti-las . Combinando o design em forma de diamante com a tinta especial, um avião pode ter um RCS semelhante ao de um pássaro.

Para permanecerem indetectáveis, esses aviões não podem levar armamentos presos às asas ou fuselagem. Em vez disso, mísseis e bombas são carregados em compartimento selados, que abrem quando as armas são disparadas.

O F-22 Raptor é atualmente o único caça Stealth operacional
O F-22 Raptor é atualmente o único caça Stealth operacional. O avião leva seus mísseis escondidos na fuselagem, ao lado dos motores

Batismo de fogo furtivo

A primeira ação de um avião Stealth só foi revelada após sua estreia em combate. O F-117, desenvolvido na década de 1970, foi o primeiro avião invisível operacional e em 1989, ainda mantido sob segredo, foi enviado ao combate na crise do Panamá e destruiu a pista do aeroporto de Rio Hato sem ser detectado pelas forças do ditador Manuel Noriega.

O F-117 também combateu lançando bombas de precisão guiadas a laser na Guerra do Golfo, Kosovo, Afeganistão e na invasão do Iraque. O modelo foi desativado em 2008. Outra aeronave Stealth norte-americana, e ainda em operação, é o B-2 Spirit, que é também o avião mais caro já desenvolvido na história, com preço unitário de US$ 2 bilhões.

O B-2 também lançou bombas nos conflitos no Kosovo, Afeganistão a na última guerra no Iraque. Esse avião também foi cogitado para bombardear a região onde Osama Bin Laden estava escondido no Paquistão, mas a missão foi cancelada. A captura e morte do líder da Al Qaeda, entretanto, só foi possível graças ao emprego de helicópteros Stealth, que ainda não tiveram seus detalhes revelados pelas forças armadas dos EUA.

O helicóptero Stealth usado na missão que matou Osama Bin Laden ainda é desconhecido
O helicóptero Stealth usado na missão que matou Osama Bin Laden ainda é desconhecido. Um desses helicópteros foi destruído durante a ação

Os aviões invisíveis mais recentes são o Lockheed/Boeing F-22, um caça de alta performance, e o projeto internacional de caça naval F-35, que ainda encontra problemas para entrar em operação.

Além dos EUA, outras poucas nações detém o conhecimento da tecnologia Stealth. A Rússia está desenvolvendo o super-caça Sukhoi T-50 e a China apresentou recentemente o primeiro protótipo do interceptador J-31.

Total
17
Shares
5 1 vote
Article Rating
8 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Guilherme pereira
6 anos atrás

os estados unidos como sempre tem a tecnologia certa isso me pareçe conspiração

Luis Carlos
Luis Carlos
6 anos atrás

O Brasil jamais terá um desses !!! Nem em sonho..

Isaías Pereira da Silva
6 anos atrás

Briga,gerra desavenças é ruim,bom mesmo é comprar,vender,fazer negócios e amizade e fidelizar. Nós temos que construir armas p/ combater o câncer e a pobreza extrema das pessoas que vive em
todo o mundo.

Isaías.

Alberto S. D.
Alberto S. D.
5 anos atrás

Muito interessante esse tipo de reportagem, é uma pena que a maioria dos jovens brasileiros estejam alienados de assuntos que demandam inteligência e senso estratégico.
Os fabricantes de aviões de brinquedo e de drones deveriam juntos com a mídia promover concursos e festivais para atrair esse tipo de público, que por falta de opção, ficam passivamente presos aos games!
Como mercado consumidor, o Brasil está anos luz da realidade, continua a entregar DE GRAÇA o nióbio, para os estrangeiros desenvolverem suas plantas industriais e espaciais!
Enquanto o Brasil for um garimpo para os partidos, assistiremos ao vivo a esse retrocesso madeira informações Brasil!
Céu de Brigadeiro?
Quando será?
O Brasil não tem metas!

José Carlos cruz
José Carlos cruz
5 anos atrás

Concordo em gênero número é grau com o Sr Alberto s d. É hora de darmos boa oportunidade de se manifestarem os jovens inteligentes brasileiros.

Marcos
Marcos
5 anos atrás

O revestimento secreto da fuselagem dos stealths foi desenvolvido a partir de uma matéria prima e os EUA literalmente roubaram do Brasil. Essa matéria prima chama-se areia monazítica

DAMIAO LEMOS SILVA
DAMIAO LEMOS SILVA
5 anos atrás

go 229 ou horten ho-229

José Orlando Bento.
José Orlando Bento.
4 anos atrás

Não Muito racional gastar dois bilhões de dólares para construir um aparelho para matar pessoas. O mais sensato seria gastar bilhões em todo mundo para melhorar a vida de milhões de famintos e analfabetos em todo mundo. Gastar bilhões para proteger o meio ambiente.

Previous Post
Imagem termográfica mostra o jato invasor com uma turbina em chamas

Força Aérea da Colômbia abate jato carregado de drogas

Next Post
O Embraer EMB 820 foi lançado no Brasil em 1976 e sua produção foi até o ano 2000

Conheça o avião que fez pouso forçado com Luciano Huck e Angélica

Related Posts