Com ajuda francesa, sucessor do Airbus A320 deve estrear até 2035

Governo francês anuncia resgate de 15 bilhões de euros para o setor aeroespacial afetado pela pandemia; em troca, indústria deve investir em aviões ecológicos
Airbus A320neo
Best-seller: a Airbus entregou 16 jatos da família A320 em janeiro (Airbus)
Te cuida, Boeing 737! A nova geração do A320 deve chegar ao mercado até 2035 (Airbus)

O governo da França anunciou nesta terça-feira, 9 de junho, que vai investir 15 bilhões de euros para ajudar a indústria aeroespacial do país atingida pela pandemia do novo coronavírus. O objetivo do resgate financeiro é preservar centenas de milhares de empregos no setor e manter a Airbus e a companhia aérea Air France competitivas globalmente.

Em troca da ajuda, as empresas instaladas no país deverão aumentar os investimentos em tecnologia para acelerar o desenvolvimento de aeronaves de menor emissão, incluindo soluções com motorização elétrica e a hidrogênio. De acordo com o plano francês, o resultado desses estudos deve originar um sucessor para o Airbus A320, um avião regional, um helicóptero leve, novas aeronaves executivas e drones de alto desempenho, todos eles com propostas ambientalmente amigáveis.

“Faremos tudo para apoiar esta indústria francesa, que é tão crítica para a nossa soberania, nossos empregos e nossa economia”, disse o ministro de Finanças, Bruno Le Maire, citado pelo jornal francês Les Echos, que revelou o plano ao lado dos ministros dos transportes, defesa e de meio ambiente da França.

O dinheiro da ajuda francesa inclui investimento direto do governo, subsídios, empréstimos e garantias de empréstimos. Também inclui um fundo especial financiado em conjunto pelo governo, Airbus e outros grandes fabricantes para apoiar pequenos fornecedores.

“Precisamos salvar nossa indústria aeronáutica. Devemos evitar qualquer declínio nos próximos meses em relação à gigante americana Boeing e à chinesa Comac”, afirmou Le Maire. “Não permitiremos que o mercado aeronáutico mundial seja compartilhado entre a China e os Estados Unidos. França e Europa manterão sua posição.”

Sucessor para o A320

Segundo o ministro de Finanças da França, o projeto inicial de uma nova aeronave para suceder o A320 deve ser apresentado por volta de 2026 e 2028 e sua entrada em serviço deve acontecer entre 2033 e 2035. O avião deverá apresentar uma melhoria de 30% no consumo de combustível e deve ser totalmente adaptado para funcionar com biocombustível. Mais adiante, essa mesma plataforma deverá ser apta a receber sistemas de motorização de zero emissão alimentados por hidrogênio.

“(O sucessor do A320) definirá novos padrões globais para aviões em termos ambientais”, diz o plano do governo francês. “Esse apoio será essencial para permitir que eles (fabricantes franceses) invistam na transição ecológica após o fim da crise.”

A França já vinha discutindo nos últimos anos a necessidade de se criar um avião comercial com zero emissões e havia estabelecido 2050 como a data limite para sua implementação. Com o novo plano de ajuda ao setor aeroespacial, esse prazo foi reduzido drasticamente.

Veja mais: Dassault Mercure, um rasante em direção ao fracasso

 

Total
0
Shares
1 comment
  1. Tem também o chamado e-fuel, um combustível sintético que está sendo desenvolvido na Alemanha e que vai dar sobrevida aos motores à combustão seja de veículos de passeio ou esportivos.
    Vi no mês passado algo uma notícia sobre isso no UOL e na Quatro Rodas; e até suegir o protótipo do sucessor do A320, o projeto deve estar robusto suficiente pra ser combustível de pelo menos, um dos motores ou combustível auxiliar em certos momentos do voo.

Comments are closed.

Previous Post

Boeing diz ter encomenda conjunta de 787 e do novo 777X prestes a ser revelada

Next Post

Com quatro aviões entregues em maio, Boeing tem o pior resultado em 60 anos

Related Posts
Total
0
Share