COMAC reafirma desejo de entregar primeiro C919 este ano

Projetista-chefe do programa chinês ressaltou que a certificação e entrega do primeiro jato C919 ocorrerá até o fim de 2021
COMAC C919
O C919 é o primeiro jato comercial desenvolvido inteiramente na China (COMAC)

A fabricante chinesa COMAC está determinada em colocar o novo jato C919 no mercado doméstico o quanto antes. Projetista-chefe do programa, Wu Guanghui, reafirmou na última semana, durante a reunião anual no parlamento chinês, a intenção de finalizar os testes com a aeronave comercial e obter a certificação operacional até o fim deste ano.

A primeira empresa na fila para receber o C919 é a China Eastern Airlines, que nesta semana confirmou a compra de cinco exemplares do primeiro jato comercial projetado inteiramente na China. A aeronave também foi encomendada por pelo menos outras 30 companhias aéreas e instituições chinesas. De acordo com a COMAC, o avião tem mais de 800 pedidos.

Segundo o jornal South China Morning Post, de Hong Kong, o governo chinês também está avançando com o projeto do motor turbofan CJ1000 concebido especificamente para o C919. O propulsor fabricado localmente faz parte do plano de desenvolvimento da China no período entre 2021 e 2025. Outra meta de Pequim é projetar turbofans maiores, para aplicação em widebodies – como o modelo sino-russo CR929, em fase de desenvolvimento.

Aeronaves civis produzidas na China, incluindo o C919, atualmente são impulsionadas por motores estrangeiros. Os chineses, no entanto, estão investindo em alternativas locais para reduzir a dependência de fontes externas, sobretudo de países do Ocidente.

Acusações de espionagem industrial

O C919 é o mais ambicioso avião de passageiros já desenvolvido pela China e atua no mesmo segmento dos tradicionais Airbus A320 e Boeing 737, os jatos comerciais mais vendido do mundo. Segundo dados da COMAC, o jato chinês tem capacidade para receber entre 168 e 190 passageiros com alcance de voo em torno de 4.000 km.

Apesar do otimismo chinês, o C919 passa por várias provações. Os Estados Unidos consideram a aeronave fruto de espionagem industrial e por conta disso a COMAC passou a fazer parte de uma lista de empresas de defesa chinesas com fachada civil.

Por enquanto, o C919 deve ser um produto voltado quase que exclusivamente ao mercado doméstico chinês, onde a COMAC diz ter 800 pedidos. Mas seu alegado preço mais baixo e economia de combustível podem, quem sabe, um dia interessar a companhias aéreas de outros países.

A COMAC diz que pode produzir 2.000 exemplares do C919 nos próximos 20 anos para abastecer o mercado chinês. A meta parece ousada, mas é totalmente plausível por um motivo: Pequim controla a maioria das companhias aéreas do país e exigirá que elas comprem os produtos da fabricante local, como já vem acontecendo com o jato regional ARJ21. Não à toa, a lista de pedidos da empresa já é cinco vezes maior que a da Embraer.

Total
10
Shares
1 comment
  1. Todas as fabricantes de Avioes no mundo inteiro colocava nos seus portfolios a demanda Chinesa. Entao foram para China construir fabricas( Embraer, Airbus e Boeing). Muita inocencia!!!! Quando instalada, os empregados eram recrutados por Chines: ” Ate os faxineiros eram Engenheiros”. Isoo foi dito para mim por Embaixador Mexicano em 2006.

Comments are closed.

Previous Post
Protesto do Greenpeace

Avião da Air France é alvo de protesto do Greenpeace

Next Post

Defesa não consegue verba para compra de jatos A330 anunciados por Bolsonaro

Related Posts