Concorrência por tripulantes pode ameaçar eventual retorno da Itapemirim

Enquanto Azul está dando preferência a ex-funcionários da LATAM e Itapemirim para preencher novas vagas, voos têm sido cancelados por afastamentos decorrentes de casos de gripe e Covid-19
Airbus A320 da Itapemirim (VinciAirports)

A situação da Itapemirim Transportes Aéreos tem se mostrado bastante grave a ponto de analistas considerarem sua volta à operação bastante improvável. A nova companhia aérea completará no dia 17 (próxima segunda-feira) um mês desde que suspendeu seus voos ainda sem uma saída anunciada para a crise financeira.

Desde então, as notícias têm sido invariavelmente negativas para a empresa, seja por pressão de credores, debandada geral de executivos ou as cobranças da ANAC, do Procon e do Ministério Público para que resolva suas pendências.

A esse fatores pode-se somar a disputa por tripulantes. Em recente comunicado, o Sindicato dos Nacional dos Aeronautas anunciou que a Azul Linhas Aéreas concordou em dar prioridade a candidatos “ex-tripulantes da Latam ou que estavam na Itapemirim Transportes Aéreos, companhia que recentemente teve suas atividades suspensas” em seleção que está aberta no momento.

A empresa criada por David Neeleman está contratando comissários de bordo em virtude da expansão de sua malha aérea, o que certamente vai atrair não só demitidos, mas também pessoal que pode ter permanecido na Itapemirim em meio aos atrasos de pagamentos de salários e a expectativa de uma possível volta da operação em fevereiro, como afirmou seu presidente, Sidnei Piva.

A Azul está contratando novos comissários de bordo e vai dar preferência a ex-funcionários da ITA e LATAM

Além disso, o mercado de transporte aéreo no Brasil passa por um período crítico por conta do crescimento dos casos de Covid-19 e também do surto de gripe. Como resultado, LATAM e Azul tiveram de cancelar vários voos desde a semana passada por falta de tripulantes.

A mistura de demanda em alta e mais vagas de emprego nas rivais pode criar um fenômeno inverso ao que permitiu que a ITA nascesse de forma mais ousada do que previsto inicialmente. A companhia aérea planejava atuar como uma regional, mas diante da oferta de jatos A320 usados com preços de aluguel baixos devido à pandemia e as demissões de funcionários promovidas pela LATAM nesse período, Piva e seus executivos optaram por estrear em rotas de maior relevância.

Com três jatos da Airbus prestes a deixar o Brasil, a Itapemirim manterá apenas algumas aeronaves prontas para uma possível volta, reduzindo a necessidade de tripulantes, mas é pouco crível que uma operação de pequena escala consiga ser minimamente lucrativa.

Total
2
Shares
0 0 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Nilton Jose Gomes de Melo
Nilton Jose Gomes de Melo
4 meses atrás

Alguém, em sã consciência, ainda acredita que a Itapemirim tenha a minima condição para decolar? So um louco como os seus gestores ainda viajam nessa ideia. Por fim, os motivos estao aí tão claros que dispensa comentar.

Previous Post

As 20 companhias aéreas mais seguras para 2022, segundo ranking

Next Post

Cliente da Embraer, Azorra encomenda 22 jatos A220

Related Posts