Conheça os drones iranianos que Putin pode comprar para a Rússia

Veículos aéreos não tripulados Shahed 149 e Shahed 171 produzidos pela Shahed Aviation podem ser frutos de engenharia reversa de drones dos EUA capturados pelo Irã
O Shahed 149 Gaza é o drone militar mais recente do Irã; modelo entrou em serviço neste ano (Fars Media)

Meios de comunicação do Ocidente noticiaram nesta semana que o Irã está se preparando para fornecer à Rússia “várias centenas” de drones militares com capacidade de transportar armamentos para serem usados na guerra contra a Ucrânia. A afirmação partiu do conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, que disse ter informações de que Teerã já estaria até treinando as forças russas para o uso desses aparelhos.

“Nossa informação indica que o governo iraniano está se preparando para fornecer à Rússia até várias centenas de drones, incluindo aeronaves com capacidade de levar armas, em um cronograma acelerado”, disse Sullivan a repórteres. Autoridades do Irã e da Rússia, contudo, negam que estejam negociando a venda de armamentos. Ao menos por enquanto.

Mas desde quando o Irã tem tradição na fabricação de drones militares? As primeiras aeronaves não tripuladas (UAV, na sigla em inglês) desenvolvidas pelos iranianos remontam ao começo dos anos 1980, uma época em que esse tipo de vetor ainda era pouco comentado. Quase quatro décadas depois, o país persa hoje é um dos maiores especialistas na produção de UAVs, graças a “ajuda” dos EUA…

Os drones mais avançados do Irã e que podem servir ao propósito russo, os modelos Shahed 149 Gaza e o Shahed 171 Simorgh produzidos pela estatal iraniana Shahed Aviation Industries, parecem cópias exatas de aeronaves não tripuladas usadas pelas forças armadas americanas.

Shahed 149 Gaza

Em serviço com a Força Aeroespacial da Guarda Revolucionária Iraniana desde abril de 2022, o Shahed 149 Gaza (nome em referência a luta dos palestinos na Faixa de Gaza, numa clara provocação a Israel) é um UAV de longo alcance projetado para missões de reconhecimento e ataque. Um rápido deslumbre do drone é o suficinte para notar que ele é, no mínimo, inspirado no modelo americano MQ-9 Reaper da General Atomics.

Segundo a fabricante Shahed Aviation, o modelo Gaza impulsionado por um motor turboélice pode voar a velocidade de cruzeiro de 350 km/h e tem autonomia de voo de 2.000 km ou 35 horas, com uma carga bélica de 500 kg composta por até 13 bombas ou mísseis.

Nesta semana, em meio a suposta negociação entre Irã e Rússia, uma série de perfis pró-Ucrânia nas redes sociais vêm alardeando as capacidades do drone iraniano com informações exageradas. Uma delas aponta que Gaza teria alcance de 7.000 km, uma autonomia suficiente para lançar ataques de Moscou contra todos os países da Europa. Esse dado, porém, nunca foi divulgado pela Shahed Aviation.

Drone MQ-9 Reaper da Força Aérea dos EUA, modelo que provavelmente serviu de “inspiração” ao Gaza (Divulgação)

Shahed 171 Simorgh

Drone com motor a jato em formato de asa voadora e capacidade furtiva (“invisível” aos radares), o Shahed 171 Simorgh é um UAV concebido para operações de reconhecimento.

Diferentemente do Shahed 149 Gaza, que levanta suspeitas de ser uma cópia do MQ-9 Reaper, o Simorgh foi totalmente desenvolvido a partir da engenharia reversa do drone norte-americano RQ-170 Sentinel da Lockheed Martin. Em 2011, um modelo de espionagem dos EUA caiu na província de Kashmar, no leste do Irã, e foi capturado pelos militares iranianos.

Pouco tempo depois de perder o drone no território iraniano, os EUA pediram a devolução da aeronave, o que foi prontamente negado pelo Irã. Quatro anos depois, o Simorgh produzido pela Shahed iniciou os testes de voo e logo foi introduzido na frota militar do país.

Bobeou, o Irã copiou: o Shahed 171 Simorgh é uma cópia exata do RQ-170 da Lockheed Martin (Divulgação)

Embora contestado por analistas ocidentais, o Irã alega que o Simorgh pode ser armado, o que o torna mais capacitado que o modelo original RQ-170 Sentinel, concebido apenas para missões de reconhecimento. Informações sobre o desempenho do drone iraniano são desconhecidas.

Total
23
Shares
0 0 votes
Article Rating
1 Comentário
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Aldo
25 dias atrás

Pau que bate em Chico,tbm também bate em Francisco. EUA criam,mas tem alguém que vendem o projeto pro Irã. Oferta e procura. Honesto era meu tataravô.

Previous Post

Primeiro A330-900neo da Virgin Atlantic será entregue em setembro

Next Post

China realiza primeiro voo de drone cargueiro de grande porte

Related Posts
Total
23
Share