Controle de tráfego aéreo dos EUA entra na era digital

Novo sistema NextGen pode revolucionar o transporte aéreo ao reduzir atrasos de voos e cortar custos
O controle aéreo digital vai reduzir drasticamente o trabalho dos controladores em terra (FAA)
O controle aéreo digital vai reduzir drasticamente o trabalho dos controladores em terra (FAA)
O controle aéreo digital vai reduzir drasticamente o trabalho dos controladores em terra (FAA)
O controle aéreo digital vai reduzir drasticamente o trabalho dos controladores em terra (FAA)

Redução dos atrasos dos voos por causa do mau tempo, diminuição dos congestionamentos nos aeroportos e no céu, economia de tempo e combustível, controle de tráfego aéreo mais eficiente e seguro. Um sonho se tornando realidade para passageiros e companhias aéreas?

Esse é a promessa da FAA (Federal Aviation Administration, a agência reguladora da aviação civil dos EUA ), que se encontra a cerca de um terço do caminho de uma grande revisão do sistema de controle de tráfego aéreo dos Estados Unidos. Em vez dos complexos e caros sistemas de radar e rádio usados para controlar as aeronaves, e que está em uso há mais de meio século, o sistema de controle NextGen (Next Generation Air Transportation System – Sistema de Transporte Aéreo da Próxima Geração) conta com uma variedade de tecnologias digitais que conectam os sistemas de GPS via satélite diretamente para os cabines de comando dos aviões em qualquer lugar do EUA.

A FAA controla cerca de 90.000 voos por dia nos EUA, e o número deve crescer para 125 mil em 2035, e as companhias aéreas e as agências reguladoras querem se livrar do atual sistema de radar em terra o mais rápido possível.

O trabalho no NextGen começou em 2007, e deve ser concluído em 2030 a um custo total de US$ 32 bilhões. Desse total, US$ 17 bilhões virão da FAA através de passagens aéreas e outras taxas. As empresas aéreas, e outros proprietários de aeronaves, irão gastar cerca de US$ 15 bilhões para equipar seus aviões com a tecnologia atualizada.

A FAA já instalou a primeira fase do NextGen, o sistema chamado ERAM (En Route Automation Modernization – Modernização da Automação em Rota). Ele permite que os controladores de tráfego aéreo rastreiem entre 1.100 e 1.900 aeronaves simultaneamente, e que todos os 20 centros de controle de voo dos EUA tenham acesso a todos os planos de voo arquivados no sistema. O equipamento também fornece aos controladores a posição exata e altitude de cada avião no ar, a cada segundo, substituindo atualizações de radar que ocorriam apenas a cada 7 a 12 segundos. Isso significa economia de tempo e dinheiro para as companhias aéreas e passageiros, permitindo que os aviões voem em rotas mais diretas, e com menor separação de tempo e espaço entre as aeronaves. Os atrasos são reduzidos e a necessidade de novas pistas caras também é reduzida – ou, pelo menos, adiada.

O sistema NextGen será totalmente implementado nos EUA até 2035 (Airway)
O sistema NextGen será totalmente implementado nos EUA até 2035  (clique na imagem para ampliar)

As companhias aéreas e a FAA concordam que é impossível construir novos aeroportos e pistas suficientes para satisfazer o crescimento do tráfego aéreo previsto para as próximas décadas, o que deixa apenas uma saída: aumentar o número de voos, e diminuir o tempo de voo de uma cidade para outra.

Urgência

A necessidade de um novo sistema de controle é urgente: em 2014, as companhias aéreas de passageiros dos EUA perderam US$ 9,1 bilhões por causa de atrasos, incluindo US$ 4,3 bilhões em combustível extra, de acordo com dados do governo compilados pelo Airlines for America, um grupo de lobistas da indústria aérea. Em 2022, o custo dos atrasos subiria para US$ 22,2 bilhões. Adicionando ao valor total dos atrasos o tempo perdido pelos passageiros, o montante pode triplicar, de acordo com um estudo de 2010 da FAA, que estimou que os atrasos, somente em 2007, custaram US$ 32,9 bilhões à economia norte-americana.

Estima-se que até 2018, o NextGen irá reduzir o consumo de combustível de aviação em 1,4 bilhão de litros, reduzir as emissões poluentes em 14 milhões de toneladas e economizar US$ 23 bilhões em custos. Cada quilômetro no ar custa a uma companhia aérea cerca de US$ 0,06-0,09 por assento em despesas operacionais como tripulações de voo e combustível. Voar diretamente de um aeroporto para o outro e reduzir o congestionamento em torno dos aeroportos pode diminuir o tempo gasto e quilômetros no ar para uma mesma rota.

O controle digital vai acelerar o ritmo das filas de aviões em procedimentos de pouso e decolagem (Phillip Capper)
O controle digital vai acelerar o ritmo das filas de aviões nos aeroportos (Phillip Capper)

Uma vez implementado, NextGen permitirá que pilotos e despachantes selecionar rotas de voo mais rápidas, em vez de usar o sistema atual, que se assemelha a uma malha de auto-estradas. Em 2020, todas as aeronaves que sobrevoam os EUA já deverão estar transportando o equipamento que irá informar aos pilotos a sua localização exata em relação a outras aeronaves, permitindo que os aviões voem mais próximos entre si com segurança. Com o aumento da abrangência, volume e distribuição de informações para o controle de tráfego e os aviões, espera-se que as aeronaves pousem mais rápido, naveguem melhor em condições meteorológicas adversas e reduzam os tempos de taxiamento nos aeroportos. Desta forma, os voos e os serviços aeroportuários podem ser executados de forma mais eficiente.

Complicações

Entretanto, nem todos estão felizes com a maneira como as coisas estão caminhando. As companhias aéreas se queixam dos atrasos e altos custos do NextGen, e a Airlines for America quer o governo fora do negócio do tráfego aéreo, substituindo a sua atuação por uma entidade privada, sem fins lucrativos, assim como a canadense Nav Canada, que controla o tráfego aéreo ao norte da fronteira com os EUA . “Estão trabalhando no NextGen há 10 anos e gastaram US$ 6 bilhões e ainda não mostraram nenhum resultado”, disse Sharon Pinkerton, vice-presidente sênior do grupo de política e assuntos regulatórios. O Presidente da Comissão de Transporte da Câmara dos Deputados (House Transportation Committee) Bill Shuster (R-Penn.), está trabalhando em um projeto de lei para acabar com o atuação da FAA.

A FAA está desenvolvendo o NextGen em etapas; à medida que aperfeiçoa a tecnologia, recebe financiamento do Congresso e à medida que as companhias aéreas instalam o equipamento receptor em seus aviões. Em maio, um sistema de mensagens informatizado foi anunciado. Ele deve acelerar a comunicação entre torres de controle e pilotos.

O novo sistema, chamado de Data Comm (Comunicação de Dados), entra em ação quando o mau tempo ou atrasos fazem com que aeronaves precisem mudar seus planos de voo. Ele envia novas rotas diretamente para os aviões que estão aguardando a decolagem, e indo em direção ao mau tempo. Atualmente, os controladores leem as novas instruções aos pilotos pelo rádio, e pode levar vários minutos para um piloto confirmar sua nova rota por voz, e, em seguida, manualmente inseri-lo no computador de voo do avião. A FAA espera ter o Data Comm funcionando em 56 aeroportos até o final de 2016, noticiou a agência de notícias Associated Press (AP).

O controle digital exige a instalação de equipamentos no aeroporto e também no avião (Boeing)
O controle digital exige a instalação de equipamentos no aeroporto e também no avião (Boeing)

Rotas de voo geradas por computador que usam rastreamento por GPS já permitem que as companhias aéreas voem rotas mais diretas que reduzem as distâncias das viagem em até 12% a 15%, disse Pinkerton. Isso significa dinheiro economizado pelas companhias aéreas e redução do tempo gasto pelos passageiros.

Ainda assim, o grupo das companhias aéreas afirma que a incapacidade do Congresso para assegurar o financiamento regular para NextGen e aquilo a que chama uma burocracia federal onerosa significa que a FAA deve deixar o controle de tráfego aéreo para a indústria e outras partes interessadas e deixar o foco da agência reguladora na segurança e no treinamento.

“Financiamento estável e previsível será um próximo passo essencial para o Congresso”, disse Paul Rinaldi, presidente da National Air Traffic Controllers Association (Associação Nacional de Controladores de Tráfego Aéreo), que observou que o número de controladores do país está diminuindo como resultado da interferência do governo nas contratações.

Incômodo maior para vizinhos de aeroportos

O crescimento do número de drones também pode atrapalhar os planos para o NextGen. Aeronaves não tripuladas, especialmente aquelas de maior porte que voam no espaço aéreo comercial, não faziam parte do plano original quando o NextGen foi criado, disseram funcionários da FAA no ano passado.

Não são apenas as companhias aéreas que estão insatisfeitas com os novos padrões de aproximação dos aeroportos e redução de consumo de combustível do NextGen. Em Phoenix, uma das cidades que já estão “conectadas” ao sistema NextGen, as novas rotas de voo destinadas a aliviar o congestionamento do tráfego aéreo e economizar combustível estão com habitantes que vivem abaixo delas muito irritados, já que agora estão sob o constante barulho da aproximação dos aviões. O prefeito Greg Stanton anunciou em junho que está processando a FAA. Moradores de Chicago, Boston e Nova York também se queixaram do ruído proveniente de novas rotas de voo, noticiou a AP.

O novo sistema, porém, aumenta a concentração de aviões em uma mesma rota, aumentando o nível de ruído (Southwest)
O novo sistema, porém, aumenta a concentração de aeronaves em uma mesma rota (Southwest)

Uma característica do programa NextGen é a navegação baseada em pontos de referência do GPS, o que resulta em rotas semelhantes para os aviões. O resultado dessa mudança é que muitas localidades estão enfrentando enormes aumentos de tráfego aéreo sobre áreas anteriormente tranquilas. As queixas aumentaram com o tráfego adicional e vários municípios já entraram com ações legais e outros estão cogitando fazer o mesmo. As metrópoles afetadas até agora incluem Baltimore, San Francisco, San Jose, Santa Cruz, Nova York, Phoenix e Culver City. A implantação da NextGen também violou pelo menos um acordo histórico entre um aeroporto e um município em uma das suas rotas de voo. Os registros mostram que 80% dos voos mais recentes sobre Palo Alto estão violando dois acordos distintos que restringem as aproximações para uma altitude de pelo menos 2.440 m (8.000 pés).

Componentes do sistema NextGen

Vigilância Dependente Automática por Radiodifusão (ADS-B) – O ADS-B usa os sinais de satélite para fornecer aos controladores de tráfego aéreo e pilotos informações muito mais precisas que ajudam a manter os aviões separados com segurança no céu e nas pistas. Os transponders das aeronaves recebem sinais de GPS e usam-nos para determinar a posição exata da aeronave no céu. Estes e outros dados são então transmitidos para outras aeronaves e o controle de tráfego aéreo. Quando estiver completamente implementado, pilotos e controladores de tráfego aéreo irão, pela primeira vez, ver a mesma tela do tráfego aéreo em tempo real, o que vai melhorar substancialmente a segurança. A FAA vai tornar obrigatória a instalação dos aviônicos necessárias para a operação do ADS-B.

Next Generation Data Communications (Data Comm – Comunicação de Dados da Próxima Geração) – Atualmente, as comunicações entre os pilotos e o controle de tráfego aéreo, e entre os controladores de tráfego aéreo, são ainda em grande parte feitas por voz. Inicialmente, a introdução das comunicações de dados fornecem um meio adicional de comunicação de duas vias para o controle de tráfego aéreo, instruções, sugestões, solicitações e relatórios da tripulação de voo. Com a maioria das aeronaves equipadas com enlace de dados, a troca de mensagens de controlador-piloto de rotina e folgas via link de dados permitirá que os controladores lidem com mais tráfego. Isto irá melhorar a produtividade dos controladores de tráfego aéreo, aumentando a capacidade e segurança.

Meteorologia em Rede da Próxima Geração (NNEW). Setenta por cento dos atrasos dos voos nos EUA são atribuídos a condições meteorológicas todos os anos. O objetivo do NNEW é reduzir atrasos relacionados a esses fatores, pelo menos pela metade. Dezenas de milhares de observações meteorológicas globais e os relatórios de sensores terrestres, aéreos e espaciais se fundirão em um único sistema nacional de informações sobre o clima, atualizadas em tempo real. NNEW irá fornecer uma imagem das condições meteorológicas comum a todo o sistema nacional do espaço aéreo, e permitir uma melhor tomada de decisões no transporte aéreo.

Comutação de Voz do Sistema de Espaço Aéreo Nacional (NVS) – Atualmente, existem dezessete sistemas de comutação de voz diferentes no National Aviation System (NAS), alguns em uso há mais de vinte anos. O NVS irá substituir esses sistemas por uma única plataforma de comunicações de voz terrestre e entre o ar e a terra.

Veja mais: Jatos supersônicos, o futuro da aviação executiva

Total
0
Shares
Previous Post
O Pantera modernizado ainda vai passar pela sessão de pintura e depois será entregue ao Exército (Helibras)

‘Pantera’ modernizado no Brasil voa pela primeira vez

Next Post
Peças de plástico reduzem em até 40% o peso e custos de novos componentes (Airbus)

Airbus troca peças de metal por similares de plástico

Related Posts