Coreia do Sul vai construir seu primeiro porta-aviões

Embarcação será projetada para receber caças F-35B de pouso e decolagem vertical; entrega do barco à marinha sul-coreana é esperada para 2030
LPX-II: primeiro porta-aviões da Coreia do Sul ficará pronto em 2030

Após quase um ano de discussões e definição de requisitos, a Marinha da Coreia do Sul oficializou no último dia 30 de dezembro de 2020 o programa LPX-II (Next Generation Large Transport Ship), que prevê a construção de um porta-aviões leve capaz de receber aeronaves de decolagem e pouso vertical. O projeto foi incorporado no plano de defesa de médio prazo 2020-2024 do país.

A mídia sul-coreana noticiou que o custo do projeto será de 2 trilhões de wons sul-coreanos (quase R$ 9 bilhões na cotação atual). O barco será construído pelo estaleiro do grupo Hyundai Heavy Industries, o maior fabricante de navios mercantes do mundo. A entrega do porta-aviões à marinha sul-coreana é esperada para meados de 2030, com início das operações em 2033.

Informações preliminares sobre o programa, o primeiro desse tipo desenvolvido na Coreia do Sul, apontam para a construção de um navio com aproximadamente 40.000 toneladas de deslocamento, motorização diesel e capacidade para receber 20 caças, bem como helicópteros de apoio e ataque.

O avião preferido pelos coreanos para atuar na embarcação é o Lockheed Martin F-35B, versão capaz de decolar e aterrissar na vertical e ideal para uso embarcado. A compra das aeronaves de combate deve ser encaminhada nos próximos anos, enquanto o porta-aviões é construído – a Força Aérea da Coreia do Sul já opera o F-35A.

Imagens conceituais do porta-aviões divulgadas pelas autoridades coreanas mostram um porta-aviões com design um tanto peculiar. A embarcação contará com duas ilhas de comando e não terá nenhum recurso auxiliar para lançar aeronaves, como catapultas ou ski-jump (convés de voo com uma rampa na proa), exigindo o uso exclusivo de aeronaves STOVL (decolagem curta e pouso vertical), como o F-35B (ou o clássico Harrier, citando outro exemplo de caça STOVL).

O programa LPX-II também contará com parceiros estrangeiros, entre eles o governo e empresas dos EUA e do Reino Unido. Os americanos vão transferir para a Coreia do Sul a tecnologia para construir o convés de voos reforçado como parte da compra dos F-35B, enquanto os britânicos vão fornecer consultoria técnica e doutrinária.

Veja mais: Boeing testa caça F-18 Super Hornet em pista com rampa

 

Total
29
Shares
2 comments

Comments are closed.

Previous Post

História de Ozires Silva, fundador da Embraer, vira desenho animado

Next Post
O Apache, fabricado nos EUA, é um dos helicópteros mais avançados do mundo (US Army)

Conheça os helicópteros mais letais do mundo

Related Posts