Coronavírus: Maioria das companhias aéreas pode falir até maio

Consultoria dos EUA recomenda ajuda imediata de governos do mundo todo para evitar o colapso de empresas aéreas
Boeing 737 MAX da Norwegian Air: filial brasileira a caminho? (Divulgação)

O avanço da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) está secando a demanda no transporte aéreo de uma maneira completamente sem precedentes e pode deixar um rastro de empresas falidas. Temendo o pior dos cenários, a consultoria CAPA (Center for Asia Pacific Aviation) alertou que até o final de maio de 2020 a maioria das companhias aéreas do mundo pode fechar suas portas.

A organização afirma que o impacto do coronavírus no mercado e as restrições de voos em diversos países poderão levar muitas companhias à falência técnica. São empresas que vão acumular dívidas com aluguel de aeronaves, atrasar pagamentos de funcionários e taxas operacionais, entre outros custos, até encerrarem rapidamente suas atividades.

A associação explica que as reservas de caixa das empresas aéreas, sempre sensíveis ao humor da economia, estão diminuindo rapidamente à medida que as aeronaves são aterradas e as frequências de voos reduzidas drasticamente ou canceladas.

Segundo dados do FlightRadar24, o número de voos rastreados no mundo todo até o dia 11 de março caiu 4,9% comparado ao mesmo período em 2019 (1.130,536 voos comerciais contra 1.188,221 voos). Em fevereiro, a queda foi de 4,3% (2,983,575 voos contra 2,855,335 voos).

A análise da consultoria aponta que é necessária uma ação coordenada imediata de governos e da indústria para “evitar uma catástrofe” no mercado de transporte aéreo. Em vez disso, cada nação está adotando a solução que lhe parece mais adequada, certa ou errada, sem considerar seus vizinhos ou parceiros comerciais.

O presidente Donald Trump, por exemplo, anunciou na última semana o cancelamento efetivo de voos entre os EUA e a Europa sem avisar com antecedência seus colegas da União Europeia. A decisão do presidente americano derrubou (e continua derrubando) as ações de companhias do mundo todo e ainda não há um horizonte de normalidade, continua a consultoria.

A aviação pós-coronavírus

No momento, a CAPA diz que a resposta dos governos à crise das companhias aéreas deve ser fragmentada, afrouxando regras para a entrada de novos investidores, e com subsídios nacionais para resgatar um grupo selecionado de empresas.

Alguns dos “sobreviventes” da crise são evidentes, diz a consultoria. As companhias aéreas da China, apoiadas pelo governo, devem suportar os impactos da baixa demanda e estarão prontas para retomar todas as atividades quando a pandemia for controlada.

Com a segurança do governo chinês, preços das ações das empresas chinesas vêm mantendo certa estabilidade nos últimos três meses, com perdas abaixo de 10%. Enquanto isso, o valor de outras grandes companhias aéreas internacionais caíram 50% ou mais.

De acordo com a CAPA, as principais empresas dos EUA, apoiadas por sindicatos, já estão fazendo lobby para conseguir subsídios do governo. Outros países da Europa, e talvez até toda União Europeia (UE), devem fornecer apoio para algumas companhias aéreas. Também é provável que transportadoras do Oriente Médio receberão aportes de cofres públicos para superar a crise.

E no Brasil?

Com mais de 200 casos de Covid-19 confirmados no Brasil, as empresas aéreas nacionais ligaram o sinal de alerta. Com a demanda quase inexistente, Azul, Gol e Latam Airlines suspenderam voos internacionais e estão reduzindo frequências domésticas. Como resultado, o valor de suas ações estão desabando em ritmo preocupante.

A Gol é a maior prejudicada nesse período, com uma desvalorização que já passa de 73%. Em janeiro, cada ação da companhia podia ser negociada no Ibovespa por cerca de R$ 37. Hoje custam em torno de R$ 9. No mesmo índice, o valor das ações da Azul caiu 64% entre janeiro e março, passando de R$ 62 para cerca de R$ 19 nesta segunda-feira (16/3).

As ações da Gol caíram mais de 73% entre janeiro e março (Thiago Vinholes)

A situação também incomoda o grupo Latam Airlines (que inclui a divisão brasileira). As ações da empresa são negociadas na bolsa de valores de Santiago e na Nasdaq. No índice norte-americano, o valor da empresa caiu 53% (US$ 10,4 em janeiro contra US$ 4,9 nesta segunda-feira, 16 de março) desde o início da crise do Covid-19.

Governo brasileiro anuncia ajuda

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, informou hoje que 50% dos voos internacionais e 30% dos voos domésticos já foram cancelados pelas companhias aéreas. Segundo o parlamentar, a situação vai se agravar nas próximas duas semanas e os cancelamentos de voos internacionais pode chegar a 70% e, dos voos domésticos, a 50%.

Com a forte queda à vista, o ministro confirmou que serão adotadas diversas medidas para evitar o colapso financeiro das empresas brasileiras. As ações que serão anunciadas hoje incluem a suspensão do pagamento de PIS-Cofins, contribuições previdenciárias e taxas aeroportuárias por três meses, abertura de linhas de crédito e financiamento, e a permissão para as companhias realizarem os reembolsos aos passageiros em 12 meses, e não de imediato, como é hoje.

O parlamentar afirmou que essas medidas vão ajudar as empresas, incluindo as regionais, a reduzirem seus custos durante a pandemia e evitar o cancelamento de voos para regiões mais remotas do Brasil.

País da América do Sul com mais casos do novo coronavírus, o Brasil ainda não impôs nenhuma restrição sobre o transporte aéreo, diferentemente de Argentina, Paraguai, Venezuela, que já fecharam seus aeroportos para voos oriundos de regiões com casos de Covid-19.

Veja mais: KLM acelera aposentadoria de seus Boeing 747

Total
122
Shares
Previous Post

KLM irá aposentar seus últimos 10 Boeing 747 em abril

Next Post

Alitalia terá controle assumido pelo governo italiano

Related Posts
Total
122
Share