Embraer e Raízen querem estimular a produção e o uso de SAF

Empresas assinaram uma Carta de Intenções com o compromisso de estimularem o desenvolvimento do ecossistema e produção de combustível sustentável de aviação
Utilização de SAF pode reduzir em até 85% os níveis de emissões de CO2 do E195-E2 (Embraer)

A Embraer e o produtor e distribuidor brasileiro de combustíveis Raízen anunciaram no domingo (17), na abertura do Farnborough Airshow 2022, a assinatura de uma Carta de Intenções com o compromisso das empresas de estimularem a produção de combustível sustentável de aviação (SAF, na sigla em inglês).

O uso de SAF é uma das principais estratégias na agenda de sustentabilidade da Embraer, que planeja ser uma das primeiras fabricantes do setor aéreo a consumir o combustível alternativo em suas atividades. Atualmente, cerca de 60% das emissões nas operações da empresa decorrem da queima de querosene em ensaios e voos de produção. O plano da companhia prevê a neutralização de sua pegada de carbono até 2040.

“O SAF tem um papel fundamental na redução das emissões da aviação no curto e médio prazo. Diante disso, este acordo visa estimular o crescimento e a sustentabilidade da cadeia de valor como um todo”, disse Carlos Alberto Griner, Vice-Presidente de Pessoas, ESG e Comunicação da Embraer. “ESG é um dos pilares do nosso plano estratégico e estamos buscando todas as oportunidades para acelerar a redução das nossas emissões de carbono.”

Em comunicado, a Raízen informou que tem a expectativa de auxiliar a Embraer a alcançar metas de ter misturas de SAF representando 100% do seu consumo de combustível no Brasil até 2030.

“Como empresa integrada de energia, a Raízen tem metas desafiadoras ao pretender ampliar em 80% sua oferta de renováveis para o mercado e fazer esse aumento com a maior eficiência possível no nosso processo produtivo e na ajuda da redução do impacto de nossos clientes. Como os maiores produtores de etanol de cana-de-açúcar no mundo, é natural estarmos olhando para uma possível oferta de SAF. Esta parceria com a Embraer, uma referência global, reforça a agenda de sustentabilidade e expansão do portfólio da companhia”, explica Antonio Cardoso, vice-presidente de Marketing e Serviços da Raízen.

Combustível fabricado com sobras

O SAF é obtido a partir de matérias-primas renováveis, como óleo de cozinha usado ou resíduos sólidos urbanos, e pode reduzir as emissões de CO2 em até 80% comparado ao querosene.

Atualmente, as aeronaves comerciais podem operar com até 50% de combustível sustentável misturado ao querosene. Os E-Jets da Embraer, por exemplo, são certificados para operar com uma mistura de até 50% de SAF adicionado ao combustível convencional.

No fim de junho, a Embraer, em parceria com o fabricante de motores Pratt & Whitney, fez o primeiro teste de voo de um E190-E2 abastecido com 100% de SAF em um dos motores.

Total
1
Shares
Previous Post

Boeing e Delta fecham acordo para até 130 737 MAX 10

Next Post

Companhia aérea polonesa LOT expande acordo de serviços com a Embraer

Related Posts
Total
1
Share