Embraer enxerga “enorme potencial” na China apesar do avanço da COMAC

Em entrevista, CEO da Embraer Aviação Comercial disse que os jatos da família E2 podem complementar a linha de produtos da fabricante chinesa COMAC

Arjan Meijer, CEO da Embraer Aviação Comercial, disse em entrevista ao jornal japonês Nikkei Asia que a empresa brasileira pretende expandir sua participação na China, mesmo sob a sombra da rápida ascensão da fabricante estatal chinesa COMAC naquele país.

“Vemos um enorme potencial de mercado lá”, disse Meijer. A Embraer espera uma demanda mundial por 5.500 jatos com até 150 assentos nos próximos 10 anos. Um terço desse volume, segundo a previsão da fabricante, virá da Ásia e em grande parte da China.

A Embraer é hoje a maior fabricante de jatos regionais do mundo, com mais de 2.500 aeronaves dessa categoria entregues nas últimas duas décadas. Em seguida aparece a Airbus, com a família A220 (ex-Bombardier CSeries) e a COMAC, que atua nesse ramo com o ARJ21-700.

Até este momento, a COMAC tem apenas 42 exemplares do ARJ-21 em serviço no mercado aéreo chinês, o que representa 1,1% da frota de jatos comerciais do país, composta por 3.739 aeronaves. A participação da Embraer é um pouco maior: são 96 jatos, ou 2,6% da frota chinesa, de acordo com a consultoria Cirium. Enquanto isso, os jatos de fuselagem estreia da Airbus e da Boeing detém 83% desse mercado.

O COMAC ARJ21-700 é projetado para transportar até 90 passageiros (Xinhua)
Evolução do antigo DC-9, o COMAC ARJ-21 está em serviço na China desde 2016 (Xinhua)

Comparado ao resto do mundo, o mercado de aviação na China vem se recuperando mais rapidamente dos efeitos da pandemia da Covid-19. O mercado de voos domésticos, por exemplo, já retomou os níveis anteriores a crise de saúde mundial, após um forte desaceleração em 2020.

Para o CEO da Embraer Aviação Comercial, a nova família E2, situada entre o ARJ21 e o novo C919 (ainda em fase de certificação), é ideal para conectar pequenas cidades da China com grandes centros do país.

“Com as ambições da China de se expandir para as cidades regionais e países asiáticos vizinhos, acreditamos que dar às companhias aéreas chinesas acesso ao E2 oferece grandes oportunidades”, disse Arjan Meijer.

O executivo argumentou que os jatos da série E2, em especial os modelos E190-E2 e o E195-E2, completam a linha de aeronaves da COMAC. Ele também ressaltou que os jatos regionais da nova geração são comprovadamente eficazes em locais com climas extremos, como a região montanhosa do Tibete.

Embraer E190-E2
Na visão de Arjan Meijer, os jatos da família E2 complementam a linha de produtos da COMAC (Embraer)

“Acreditamos que a força da Embraer está em seus produtos, mas também em nossa organização de suporte”, afirmou Meijer, acrescentando que a Embraer possui uma rede de centros de serviços na China, Índia, Filipinas e Austrália, além de centros de distribuição de peças na China e Cingapura, e simuladores de voo na China e no Japão. “Oferecemos confiabilidade para as companhias aéreas.”

Questionado pelo jornal japonês sobre a queda na entrega de aeronaves comerciais da Embraer em 2020, quando a empresa enviou apenas 44 novos aviões aos clientes, Meijer respondeu que o ritmo das vendas continuará “lento” até 2024 ou 2025. “Esperamos que 2021 seja um pouco melhor do que 2020.”

Total
60
Shares
Previous Post

Startup mostra conceito de jato de passageiros sustentável

Next Post
Vitaly V. Kuzmin

Fabricantes russas MiG e Sukhoi serão unificadas

Related Posts