EUA já preparam caças do futuro

Aeronaves de combate previstas para 2040 serão “invisíveis” e poderão ter canhões de laser
A Boeing já divulgou um esboço de como poderá ser o caça da sexta geração (Boeing)
A Boeing já divulgou um esboço de como poderá ser o caça da sexta geração (Boeing)
A Boeing já divulgou um esboço de como poderá ser o caça da sexta geração (Boeing)
A Boeing já divulgou um esboço de como poderá ser o caça da sexta geração (Boeing)

As forças armadas dos Estados Unidos já possuem algumas das aeronaves de combate mais avançadas do mundo, como é o caso do caça F-22 Raptor, considerado o mais avançado da atualidade. No entanto, apesar de vasto arsenal de alta tecnologia, o Pentágono já está pensando nos aviões militares de sexta geração, que devem entrar em operação até 2040.

A Boeing e a Northrop Grumman apresentaram neste mês os primeiro esboços que atendem aos programas “F/A-XX”, da Marinha dos EUA (US Navy), e o “Air Force Next Gen Air Dominance”, da Força Aérea (USAF). Serão aviões bem diferentes dos atuais, com novas configurações de asas e sistemas de arma que ainda nem existem.

Além de substituir o F-22, o futuro caça norte-americano também deverá entrar no lugar do F-15 Eagle, atualmente o principal caça da USAF, e o F-18 Super Hornet, que é o principal meio de ataque aéreo do US Navy. Além disso, a longo prazo, também é prevista a substituição do recém-incorporado F-35, aeronave que também é fabricada em versão para pousos e decolagens verticais.

As armas na nova geração

O plano dos EUA com os caças de sexta geração é aumentar a precisão de seus ataques e assim diminuir os efeitos colaterais que um bombardeiro pode causar. Por isso, em vez de mísseis ou bombas, o novo avião de combate norte-americano poderá utilizar um revolucionário sistema: canhões de laser. Esse recurso poderá ser utilizado tanto para abater aeronaves hostis como também realizar investidas de alta precisão, até mesmo contra apenas um indivíduo.

Concepção artística do caça de sexta geração proposto pela Northrop Grumman (Divulgação)
Concepção artística do caça de sexta geração proposto pela Northrop Grumman (Divulgação)

A aeronave futurista também será projetada para ser invisível aos radares, o que permite voar sobre um território sem ser detectado e realizar ataques furtivos – essa tecnologia é conhecida como “Stealth” (“Furtivo”) e está presente nos caças F-22 e F-35. O requisito para o novo avião ainda pede velocidades supersônicas com motores de baixo consumo e alta manobrabilidade.

Apesar do avanço das aeronaves não-tripuladas, o futuro caça dos EUA ainda prevê a presença de pilotos no comando, diferentemente do projeto para o futuro bombardeiro da USAF, que prevê a construção de versões tripuladas ou controladas remotamente.

Também é previsto o desenvolvimento de um novo caça naval de sexta geração (Northrop Grumman)
Também é previsto o desenvolvimento de um novo caça naval de sexta geração (Northrop Grumman)

As fabricantes que apresentaram seus projetos ainda esperam o aval do Pentágono, que ainda não escolheu a proposta mais adequada para renovar seu arsenal de caças no futuro. No entanto, ainda há uma série de incertezas sobre o projeto, principalmente quanto a questões de orçamento e prazo, como aponta o site The National Interest.

Devido a complexidade do pedido das forças armadas, autoridades do país acreditam que o projeto pode não ficar pronto até 2040, mesmo sendo uma data ainda tão distante. Nesse meio tempo, para não perder sua efetividade, os caças da frota atual poderão passar por atualizações para se manterem eficientes pelo menos pelas próximas duas décadas, como já foi proposto ao modelos F-15 e F-16 Falcon.

Veja mais: Supercaça russo rejeitado pelo Brasil está quase pronto

Total
21
Shares
0 0 votes
Article Rating
13 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ander
Ander
6 anos atrás

Propaganda pura, o bom e velho mi 24 dando show e colocando terroristas pra correr enquanto Eua fornece armas pra meia duzia de terroristas do “bem”

Daniel
Daniel
6 anos atrás

Esses americanos são bons mesmo de propaganda. O texto do autor também ajuda né?!

Quem não manja de avião militar pensa que os caras estão anos luz à frente dos outros.

Leonardo
Leonardo
6 anos atrás

Propaganda é com os EUA mesmo.

SuRu
SuRu
6 anos atrás

Daniel deve manjar muito mesmo né…
mas enfim,
Grande “coisa” isso tudo acima, invisibilidade já existia na época do gênio Tesla, laser então nem se fala… alias, vamos falar né pros ignorantes compreenderem.. na época que “fizeram” a bomba atômica, o mesmo Tesla propôs que não fosse utilizada a tal bomba, porque morreriam mts inocentes(realmente aconteceu), nosso amigo Tesla propôs então o raio da morte(é esse nome mesmo, pesquisem), que nada mais era do que um raio laser… enfim.. pesquisem, estudem, que talvez assim, os ignorantes fiquem um pouco menos ignorantes!

Paz e luz!

Tiago
Tiago
6 anos atrás

KKKKKKKK!

“Esses americanos são bons mesmo de propaganda. O texto do autor também ajuda né?!

Quem não manja de avião militar pensa que os caras estão anos luz à frente dos outros.”

“Propaganda é com os EUA mesmo.”

Pelos comentários também temos um vencedor no quesito inveja! “REPÚBLICA DAS BANANEIRAS” WINS!

Roberto
Roberto
6 anos atrás

Os EUA, como sempre, anos luz a frente em tecnologia militar do resto do mundo.Quem acha que não, não é do ramo e desconhece as capacidades do complexo industrial militar dos norte americanos!

Conan
Conan
6 anos atrás

Todas estas tecnologias já estão em desenvolvimento.Gostem ou não dusamericanofeio e ruim, não faz a menor diferença, em alguns anos tudo isso estará por ai, hi hi hi.

Guilherme
Guilherme
6 anos atrás

Os americanos são fodas mesmo. Já possuem os aviões mais modernos do mundo e já estão pensando em quais irão substituí-los no futuro. Por que eu não nasci lá?!

Guilherme
Guilherme
6 anos atrás

Os americanos são “os caras” mesmo, já possuem os aviões mais modernos do mundo e já pensam em quais irão substituí-los no futuro. Por que não nasci nos EUA?!

PAULO
PAULO
6 anos atrás

DEVEMOS PENSAR MAIS EM PAZ DO QUE EM GUERRA

Rafael
Rafael
6 anos atrás

Artigo bem interessante. Atualmete o governo americano tem 2 projetos para os avioes militares do futuro: um eh esse da reportagem, os chamados Stealth Jets; e o outro que esta dando a maior confusao la no pentagono que sao os “long range strike bombers”.
Digo confusao porque o pentagono selecionou a Northrop Grumman pra fazer os novos jatos, mas o outro competidor nessa corrida (A lockheed Martin juntamente com a Boing) entraram com uma acao contra o pentagono pedindo para rever a decisao alegando que o produto que a LM e a Boing tinha a oferecer era muito melhor. O pentagono esta reavaliando a decisao que deve sair no comeco do ano que vem.

http://www.wsj.com/articles/boeing-lockheed-protest-bomber-award-1446819858

E para quem trabalha com aviacao, nao eh so propaganda nao, os EUA estao anos luz a frente quando o assunto eh aviacao militar.

Paulo Pereira
Paulo Pereira
6 anos atrás

Suru, mais ignorante é quem pensa que os outros são tão ignorantes quanto ele (o esperto) pensa. As pessoas aqui sabem perfeitamente do que você está falando. Ninguém vai ficar mais inteligente por causa do seu comentário.

f
f
5 anos atrás

E uma viagem ao passado esta reportagem porque até os avioes deles ja alcancam o es Paco.

Edson Kurokawa
Edson Kurokawa
5 anos atrás

Até 2040 ou antes, os EUA já terão desenvolvidos os sistemas com inteligência artificial para uso em aviônica e substituição dos pilotos. A IA já está substituindo o ser humano em muitas atividades na atualidade e já é uma realidade (vide o carro sem motorista). Um caça com IA poderá realizar manobras em 10 G, 20 G ou até mais. O ser humano é limitado a menos de 9 G e não conseguirá acompanhar trajetórias dos caças com IA. Lembrem que a capacidade de realizar curvas rápidas e fechadas são os fatores que tornam caças melhores que os outros, permitindo atuar na traseira do adversário. A limitação da manobra terá fator limitante, exclusivamente, a capacidade estrutural da aeronave para suportar os esforços físicos. A IA não sofrerá fadiga, não precisará de oxigênio como suplemento, nem terá stress, tomará decisões em milésimos de segundo, estará interligada aos sistemas de radares e armas, não estará sujeita as leis da gravidade e da aceleração centrípeta sobre o corpo humano, reduzirá o peso da aeronave, não precisará de acessórios para humanos nas aeronaves e muito mais. Esperem e vejam. Pesquisem quanto é o orçamento americano voltado para pesquisa em ciências, física, matemática, ciência da computação, engenharias, química e outras. Assim perceberão que fica difícil as outras nações competirem no desenvolvimento aeronáutico com os americanos!!

Previous Post
O Hércules número 2.500 é um modelo HC-130, de busca e salvamento (Lockhheed Martin

Lockheed Martin entrega Hércules número 2.500

Next Post
A Air France foi uma das primeiras companhias a voar com o Jumbo, em 1970 (Air France)

Boeing pode encerrar produção do 747 em 2017

Related Posts